top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A atual situação no Oriente Médio anuncia uma derrota estratégica dos EUA"


Joe Biden em frente às bandeiras dos EUA e de Israel

Enquanto o incidente na Ucrânia continua devido à interferência dos Estados Unidos e do Ocidente, ameaçando seriamente a paz e a estabilidade do mundo, ocorreu um confronto militar em grande escala na região do Oriente Médio, causando grande preocupação na sociedade internacional.


A sociedade internacional chega à conclusão de que o presente caso se deve inteiramente aos Estados Unidos, que têm praticado a política mais reacionária nesta região, protegendo abertamente o seu aliado que ocupou ilegalmente o território palestino e violou cruelmente os interesses dos palestinos.


Os EUA aceleraram a normalização das relações entre Israel e os países árabes ao defenderem a “paz no Oriente Médio”, mas na verdade recorrem ao cerco e à detenção do Irão e de outros países independentes anti-EUA e não tem nada a ver com uma paz genuína na região.


Desta forma, a mediação dos EUA não afrouxou a distensão na região, mas pelo contrário, levou ao extremo o antagonismo e a contradição entre as forças, tornando mais confusa a perspectiva de resolução do problema da Palestina, uma questão importante no Oriente Médio e fundamental para os povos árabes.


Também desta vez, o país norte-americano escolheu a promessa de assistência militar perfeita ao seu aliado em vez de esforços para uma solução política para o caso do Oriente Médio, levando assim a tensão militar na região à beira da guerra.


A sociedade internacional levanta a sua voz de censura contra a atitude de dois pesos e duas medidas dos Estados Unidos, que fala na Europa do direito à autodeterminação e à integridade territorial da Ucrânia, por um lado, e, por outro, vira as costas sobre as penalidades da nação palestina impostas por Israel durante várias décadas.


A realidade prova que os Estados Unidos não são o “intermediário” da paz no Oriente Médio nem o parceiro dos árabes, mas sim seu destruidor e inimigo.


O que não pode ser esquecido é que os EUA estão mais uma vez a levar a cabo a campanha tendenciosa e rotineira para ligar a RPDC ao atual incidente no Oriente Médio.


A mídia venal e os pseudo-especialistas da administração dos EUA espalharam rumores falsos e fabricados de que parece que “armas fabricadas na Coreia do Norte” foram usadas no ataque a Israel e que a RPDC executará a “estratégia diplomática ameaçadora” que agrava a tensão da região aproveitando a oportunidade em que os EUA centram a sua atenção no Oriente Médio e na Ucrânia.


A intenção dos EUA é clara.


Este império do mal tenta evitar a censura internacional, imputando ao terceiro país a responsabilidade pelo incidente no Oriente Médio, causado pela sua política hegemônica equivocada.


Observamos atentamente a atitude ilegal e cruel dos Estados Unidos que culpa os países soberanos pelas guerras e conflitos armados por si causados ​​em todo o mundo.


Os EUA devem agir com cautela.


A política de hegemonia e de dois pesos e duas medidas dos EUA no Oriente Médio provoca o declínio da sua influência em vez da expansão, sendo o mal que arruína a política externa dos EUA como um todo.


O mundo considera que o caso do Oriente Médio mostra o fracasso da guerra de inteligência, do julgamento da situação e da estratégia externa dos EUA.


O incidente no Oriente Médio, que se torna mais um fardo estratégico para os Estados Unidos, além do caso da Ucrânia, serve como uma razão decisiva que revela o limite da estratégia hegemônica ao estilo norte-americano de estabelecer a “ordem mundial baseada no domínio” fortalecendo as relações com os países aliados e parceiros, e o futuro cada vez mais sombrio da “única superpotência”.


A situação atual no Oriente Médio nada mais é do que o prelúdio de uma nova derrota estratégica que os EUA serão forçados a sofrer.


Quanto mais os EUA tentarem exterminar a justiça internacional e perturbar a paz e a estabilidade do mundo, mais a reação internacional se multiplicará para puni-la abertamente e os EUA pagarão o preço mais elevado.


Por Ri Kwang Song, analista de assuntos internacionais da República Popular Democrática da Coreia


0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg