top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Os desejos realizados de Netanyahu"



Desde que os seres humanos começaram a compreender que não era totalmente correto e que isso poderia acarretar consequências, o antigo exercício de arrasar povos inteiros com base em sua etnia, religião, ideologia política, interesses geográficos ou econômicos, ou qualquer outro motivo, em geral, essas atividades são realizadas nas sombras, longe da opinião pública.


Essa abominação humana só pôde ser nomeada em 1944, quando o polonês Raphael Lemkin lhe deu um nome, embora não uma justificação: “genocídio”, combinando a palavra grega geno (raça ou tribo) com o termo latino cidio (matar).


De qualquer forma, apesar das condenações e penas judiciais, as poderosas nações têm continuado a praticar o genocídio com frequência. De tempos em tempos, descobrimos casos em lugares remotos da Europa central, como Srebrenica, ou em locais propícios na África, como Ruanda, entre muitos outros. Portanto, poderíamos estender essa lista pelo mundo e ao longo do tempo, já que essas abominações, com suas diferentes nuances (para não dizer razões), são recorrentes, e todos, embora diferentes, têm um elemento em comum: o sigilo ou, pelo menos, a discrição.


Nunca antes um genocídio havia sido anunciado e abençoado previamente pelas grandes nações justas e democráticas, pela opinião pública civilizada mundial e pelos sempre imparciais grandes meios de comunicação, até que o sionismo o execute agora com todo o ímpeto e esplendor na Faixa de Gaza.


Diante do olhar sério e indignado de Washington, Paris, Londres e inúmeras nações que reagem como virgens assustadas à ação brutal do Movimento de Resistência Islâmica da Palestina, ou Hamas, esquecendo que tudo isso faz parte de uma guerra que começou em 1947 e que nunca parou completamente.


Uma guerra em que, desde o início, os sionistas não distinguiram entre civis e combatentes. Portanto, o que se pode exigir hoje do Hamas?


Lembremos de um único episódio entre os milhares que ocorreram desde o início da invasão sionista à Palestina, talvez o primeiro grande massacre desta guerra, que ocorreu em 9 de abril de 1948, quando 110 palestinos, surpreendidos no meio da noite e sem aviso prévio, foram massacrados na vila de Deir Yassin por terroristas dos grupos sionistas autodenominados “Organização Militar Nacional na Terra de Israel” ou “Irgun” (Iluminados) e “Lutadores pela Liberdade de Israel” ou “Lehi”, mais conhecido como a “Banda Stern”. Eles são os avós e pais daqueles que agora são aplaudidos e incentivados após cada bombardeio que atinge os bairros de Gaza, desde o início da Operação Dilúvio de Al-Aqsa.


Haverá muita diferença entre as vítimas de Deir Yassin e as que estão ocorrendo agora nos bairros de Gaza, que foram reduzidos a escombros pela aviação sionista, juntamente com as 260 vítimas na rave, onde três mil jovens festejaram ao ritmo da música eletrônica a poucos metros de um dos lugares mais tristes do mundo?


Hamas, consciente ou não, tem sido o salvador do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Se Netanyahu, além de ser sionista, é judeu, não há dúvida de que ele deve acender velas de agradecimento à Operação Dilúvio de Al-Aqsa, que lhe concedeu muito mais do que todos os seus desejos. Quando já era um cadáver político e os movimentos sociais de Israel o tinham na mira devido a seus atos comprovados de corrupção e às cada vez mais numerosas manifestações contra ele, bem como o repúdio à tentativa de impor uma reforma judicial amplamente rejeitada no parlamento, Netanyahu conseguiu, até há algumas semanas, um governo de unidade impossível e um esclarecimento de fato de suas falcatruas. No cenário internacional, desde sábado, ele voltou a aparecer no radar de Joe Biden, que o tinha mantido desligado desde sua chegada a Washington, fornecendo apoio militar e pacotes de ajuda financeira. Além disso, ele poderá visitar a Europa novamente, sem precisar se infiltrar como um polizonte, como fez anteriormente nos atos de repúdio em Paris, para os quais não tinha sido convidado explicitamente, após os ataques terroristas que culminaram no ataque à revista Charlie Hebdo em janeiro de 2015. Além disso, os principais inimigos do Irã, Tel Aviv e Washington, mais uma vez acusaram Teerã de ser uma parte significativa das ações do Hamas, o que levará à intensificação do bloqueio e ao adiamento das negociações sobre o acordo nuclear 5+1.


Nesse acúmulo de excelentes notícias para Netanyahu, a melhor delas, sem dúvida, é que ele está livre para lançar um ataque monumental contra Gaza, dividi-la em várias partes e iniciar a ocupação com os colonos, à semelhança do que ocorre na Cisjordânia, a fim de eliminar qualquer vestígio de resistência palestina.


Cerca de 2,3 milhões de palestinos vivem em Gaza, agora encurralados entre a fronteira israelense, o Mediterrâneo e com apenas uma rota de fuga, ao sul, na fronteira com o Egito, através do famoso ponto de Rafah, que já foi bombardeado várias vezes pela aviação sionista desde sábado.


Presos em um estreito retângulo, os habitantes de Gaza estão à mercê do líder sionista, que tem todo o tempo do mundo, o poder de fogo e a aprovação do Ocidente para eliminar quantas pessoas quiser. Além disso, ao longo da história, os ocupantes sionistas conseguiram o controle de todos os suprimentos de eletricidade, gás, água, comunicações, alimentos e medicamentos, cortando-os agora, o que resultará em tantas ou mais mortes do que os bombardeios.


Crônica de um erro induzido?

Embora na Operação Dilúvio de Al-Aqsa o Hamas tenha atingido níveis extraordinários de preparação, talvez comparáveis apenas aos do Hezbollah, elevando sua eficácia a níveis desconhecidos para a resistência palestina, ele ainda conseguiu ocultar a verdadeira magnitude de seus preparativos. Netanyahu acreditou que poderia lidar com a situação depois que fosse lançada. O avanço da contra-inteligência do Hamas será lembrado por décadas, já que não apenas enganou a inteligência sionista, mas também a inteligência norte-americana, que frequentemente coopera, embora às vezes também entre em conflito. Não sabemos se este foi um desses casos.

Além disso, o Hamas superou a Unidade 8200, parte das Forças de Defesa sionistas especializada em interceptar sinais de inteligência e decifrar códigos. Esta unidade gastou bilhões de dólares na coleta de “todos” os dados digitais que saem de Gaza, incluindo chamadas telefônicas, e-mails e mensagens de texto. A Unidade 8200 possui tecnologia, como satélites, drones e CFTV (Circuito Fechado de Televisão), para fotografar cada metro quadrado de Gaza a cada dez minutos, tornando o enclave palestino o lugar mais fotografado do mundo.


No entanto, a única coisa certa é que os quase dois mil mortos judeus representam um cálculo errôneo maciço, tornando-se o maior fracasso da inteligência sionista desde a Guerra do Yom Kippur em 1973. O erro da inteligência sionista é ainda mais evidente, evidenciando os esquemas obscuros de Netanyahu, uma vez que, horas após o início da operação do Hamas, foi revelado que dez dias antes, o general Abbas Kamel, chefe da inteligência de seu país, entrou em contato com Netanyahu para alertá-lo de que algo “incomum e muito importante” estava prestes a acontecer em Gaza. Segundo fontes egípcias, o general Kamel ficou surpreso com a indiferença demonstrada pelo primeiro-ministro sionista.


No entanto, Tel Aviv negou a existência dessa comunicação de Kamel, afirmando que “o primeiro-ministro não conversou nem se encontrou com o chefe dos serviços de inteligência egípcios desde o início de seu governo”.


Independentemente de qualquer análise, o único fato concreto é que cerca de 2,3 milhões de pessoas estão prestes a viver um holocausto diante de todo o mundo, sem que ninguém reaja ou impeça o extermínio palestino, permitindo que todos os desejos de Netanyahu se cumpram.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg