top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Sobre as bombas nucleares de Hiroshima e Nagasaki: derrotar o imperialismo"



No 78º aniversário dos bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, a Liga Internacional de Luta dos Povos (ILPS) se solidariza com o povo japonês em sua luta por justiça e resistência contínua contra o imperialismo dos EUA e seus crimes de guerra.


Em 6 de agosto de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial, a primeira bomba atômica implantada no mundo, no America B-29, foi lançada sobre Hiroshima, no Japão. A explosão matou cerca de 80 mil pessoas instantaneamente, 95% delas civis. Outras 100 mil morreram lentamente de queimaduras e efeitos da radiação. Três dias depois, um segundo bombardeiro B029 foi lançado sobre Nagasaki, matando cerca de 40 mil pessoas.


No final da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos e a União Soviética se encontraram em uma prolongada luta ideológica e econômica que durou décadas. Os EUA fortaleceram sua posição por meio da produção militar e da drenagem de recursos de seus rivais imperiais. Por outro lado, a União Soviética sofreu a perda de mais de 20 milhões de pessoas na guerra, mas emergiu como a principal potência em toda a massa de terra da Eurásia.


Para o povo do Japão, o verão de 1945 foi uma época de horror indescritível. Sessenta e seis de suas maiores cidades foram totalmente queimadas por bombardeios de napalm e, somente em Tóquio, um milhão de civis ficaram desabrigados e 100 mil pessoas foram mortas. O major-general Curtis LeMay, encarregado das operações de bombardeio incendiário, vangloria-se ferozmente de que as vítimas foram “queimadas, fervidas e assadas até a morte”.


Embora a devastação de Hiroshima não tenha conseguido a rendição japonesa imediata, o Japão acabou encontrando suas forças armadas e economia à beira da desintegração. As bombas destruíram as cidades de Hiroshima e Nagasaki, causaram a derrota das forças japonesas, ameaçaram os revolucionários chineses e lançaram as bases para as ambições imperialistas dos Estados Unidos na Ásia. Como meio desesperado para evitar a aniquilação total, a liderança militar japonesa finalmente buscou um acordo de paz como a única opção para cessar os bombardeios implacáveis ​​em suas cidades – que causaram mais de 900 mil baixas.


Anos após esta devastação sem precedentes e imenso sofrimento do povo de Hiroshima e Nagasaki, a proliferação de armas nucleares se manifesta até hoje enquanto os EUA continuam a conduzir a corrida armamentista em diferentes partes do mundo.


Os atentados de Hiroshima e Nagasaki são uma lembrança pungente dos atos de terrorismo perpetrados pela aliança mais poderosa do Ocidente, liderada até hoje pelos Estados Unidos. As terríveis consequências da guerra nuclear liderada pelos Estados Unidos e do militarismo continuaram a ameaçar a busca do povo por paz justa e libertação social.


Para adicionar insulto à injúria, apenas no mês de maio de 2023, o bloco imperialista ocidental chamado Grupo dos Sete (G-7) realizou sua 49ª Cúpula de Líderes em Hiroshima no Japão. Os líderes desses países possuidores de poderes nucleares ainda tiveram a ousadia de realizar uma cerimônia cínica de visitar o Museu da Bomba Atômica em Hiroshima. O G-7 ampliou seu interesse em adotar políticas econômicas, externas e de segurança que não apenas garantissem sua hegemonia política, mas também lançassem graves implicações de guerra e militarismo sobre países vulneráveis.


Essa aliança e patrocínio abrangentes criados pelos EUA sobre outros países imperialistas também construíram os ganchos de controle estadunidense sobre a política, economia e forças armadas japonesas. Para cumprir sua agenda militarista, o Japão agora está assumindo um papel crucial no fomento da guerra contra o crescente poder da China na região da Ásia-Pacífico.


Recentemente, o Japão e a Austrália, ambos aliados dos EUA, têm discutido suas colaborações estratégicas para submarinos movidos a energia nuclear por meio do pacto AUKUS (Austrália, Estados Unidos, Reino Unido) – que é parte integrante da Estratégia Indo-Pacífica aberta dos Estados Unidos. Com isso, o governo Biden fortaleceu alianças militares com outros países e realizou repetidamente exercícios militares conjuntos com as forças desses países em diferentes áreas da região.


Em dezembro de 2022, o governo Kishida do Japão anunciou sua nova estratégia de segurança que visa integrar ainda mais as forças dos EUA e do Japão e reforçar a base militar ianque no Japão. Por outro lado, há também uma rápida tensão militar na Península Coreana, provocada por exercícios de guerra maciços realizados pelos EUA, Japão e Coreia do Sul.


A violação da constituição pacifista do Japão também foi marcada por manifestações em massa e protestos públicos, já que o governo japonês considera as armas nucleares uma alternativa melhor do que expandir a autodefesa coletiva do país. O governo japonês conta com o guarda-chuva nuclear dos EUA fornecido por meio da aliança militar entre os dois países.


O cerne do clamor do povo japonês vem do fato de que eles são o único povo na história a ser atacado por armas nucleares. Este crime contra a humanidade continua a marcar os sobreviventes e seus descendentes até hoje, enquanto o governo dos EUA nunca se desculpou por isso.


À medida que as contradições entre as potências imperialistas se tornam ainda mais agudas, a crise do capitalismo monopolista continua a impulsionar a lucrativa indústria de armas. Os EUA, com a ascensão da China como rival imperialista, lutam para consolidar suas bases militares em todo o mundo.


Hoje, recordamos os acontecimentos de agosto de 1945 e todas as pessoas inocentes que pereceram. Também prestamos homenagem ao heroísmo dos revolucionários que lutaram contra as guerras imperialistas durante a Segunda Guerra Mundial. O agravamento da crise imperialista cria condições férteis para que os povos do mundo avancem na luta pela libertação social, derrotem o imperialismo e construam um futuro socialista.


Abaixo o imperialismo!

Acabe com as guerras militares de agressão dos EUA!

Viva a Solidariedade Internacional!

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg