top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Parar as provocações de guerra dos EUA na Península Coreana!"



Em 27 de abril de 2018, durante a cúpula intercoreana de 2018, a Declaração de Panmunjom para a Paz, Prosperidade e Reunificação da Península Coreana foi adotada entre Kim Jong Un, Líder Supremo da Coreia do Norte, e Moon Jae-in, Presidente da Coreia do Sul e várias ações foram tomadas para a reunificação ao longo da fronteira.


A Coreia do Sul sediou as Olimpíadas de Inverno em 2018 e o presidente Moon Jae-in convidou a participação norte-coreana, levando a conversas de alto nível e três cúpulas intercoreanas.


Na histórica Cúpula de Cingapura em junho de 2018, os Estados Unidos e a Coreia do Norte se comprometeram a estabelecer “novas relações EUA-RPDC”. O presidente Trump tomou a decisão não convencional de suspender os principais exercícios militares conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul e se reunir diretamente com o presidente Kim.


Enquanto isso, o governo anterior de Moon Jae-in apresentou a chamada política de “Três Nãos” – sem implantações adicionais de baterias Terminal High Altitude Area Defense (THAAD), sem integração sul-coreana em um sistema de defesa antimísseis regional liderado pelos EUA e nenhuma aliança trilateral com os EUA e o Japão.


Todos esses passos positivos foram agora revertidos pelos Estados Unidos. A visão de transformar o Acordo de Armistício em um Tratado de Paz Permanente e eventual reunificação foi prejudicada.


EUA intensificam provocação de guerra


Os Estados Unidos retomaram exercícios militares em larga escala no ano passado, enviando um submarino com armas nucleares para a Coreia do Sul pela primeira vez em 40 anos, juntamente com outros recursos, incluindo bombardeiros com capacidade nuclear.


Este ano, os EUA e a Coreia do Sul realizaram seus maiores exercícios de campo conjuntos em cinco anos, quando os EUA voaram um bombardeiro B-1B de longo alcance para a Península Coreana.


Além disso, os EUA agora querem que o sistema THAAD implantado em Seongju, província de Gyeongsang do Norte, em 2017, seja permanente, apesar da forte oposição dos residentes locais e dos protestos da China.


Em abril deste ano, a chamada Declaração de Washington considerada como uma “atualização de software” foi emitida pelos presidentes Joe Biden e Yoon Suk-yeol ampliando as consultas nucleares entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul.


A cooperação trilateral de defesa entre os EUA, Coreia do Sul e Japão também cresceu nos últimos meses. Isso incluiu exercícios militares trilaterais para praticar o rastreamento de lançamentos de mísseis norte-coreanos, bem como exercícios de compartilhamento de informações.


No fórum de segurança regional Shangri-La em junho deste ano, os três países se encontraram à margem para discutir o compartilhamento em tempo real de informações sobre mísseis norte-coreanos. Eles planejam conectar seus radares por meio de um sistema dos EUA para melhorar os recursos de detecção. Enquanto isso, a China rejeitou um pedido dos Estados Unidos para que os chefes de defesa dos países se encontrassem nos bastidores.


Os Estados Unidos têm cerca de 55.000 soldados no Japão, sua maior força avançada do mundo, e cerca de 28.500 soldados na Coreia do Sul e gasta bilhões de dólares anualmente e mantém dezenas de instalações em ambos os países.


O Japão fez uma grande ruptura com seu princípio estritamente de autodefesa pós-Segunda Guerra Mundial, adotando uma nova estratégia de segurança nacional que inclui os objetivos de adquirir capacidades de ataque preventivo e mísseis de cruzeiro.


Os EUA também expandiram o uso de instalações militares nas Filipinas e rotações adicionais de tropas em áreas-chave voltadas para o Estreito de Taiwan e o Mar da China Meridional.


Os EUA revitalizaram a presença na região do Indo-Pacífico com o Quadrilateral Security Dialogue (QSD), conhecido como Quad, um diálogo estratégico de segurança entre os EUA, Austrália, Índia e Japão. No ano passado, AUKUS, um pacto de segurança trilateral entre a Austrália, o Reino Unido e os EUA foi anunciado com a Austrália adquirindo submarinos movidos a energia nuclear.


Novas tecnologias também foram adotadas pelos EUA para a guerra, incluindo computação avançada, análise de “big data”, inteligência artificial, autonomia, robótica, energia direcionada, hipersônica e biotecnologia.


A chamada Estrutura Econômica Indo-Pacífica para a Prosperidade, um grande acordo comercial liderado pelos EUA para fortalecer os mercados do Pacífico, é uma tentativa de apreender recursos e mão de obra para mais dessa produção de guerra de alta tecnologia e continuar bloqueando a Coreia do Norte e seus aliados fora do mercado global.


A RPDC amplia a dissuasão


No VIII Congresso do Partido do Trabalho da Coreia em janeiro de 2021, a RPDC buscou o objetivo de “avançar a dissuasão nuclear e fortalecer as capacidades de defesa”. Isso inclui veículos hipersônicos e mísseis balísticos lançados por submarinos (SLBMs). No ano passado, um número recorde de mísseis balísticos (8 ICBMs incluídos) foi lançado.


Este ano, no 75º aniversário da fundação do Exército Popular da Coreia, Pyongyang revelou pelo menos 11 mísseis Hwasong-17, o maior ICBM rodoviário móvel do mundo. Especialistas avaliam que o míssil, testado com sucesso em novembro de 2022, pode carregar de três a quatro ogivas nucleares. Esse número de mísseis com múltiplas ogivas, junto com outros ICBMs da Coreia do Norte, poderia inundar os 44 interceptores terrestres implantados no Alasca e na Califórnia. Funcionários dos EUA indicaram que disparariam vários, talvez até quatro, interceptadores em cada ogiva que chegasse.


A Coreia do Norte também revelou um novo míssil em contêiner que provavelmente é o protótipo de um ICBM de combustível sólido. Pyongyang testou um motor de foguete estático de combustível sólido e anunciou que tinha um impulso de 140 toneladas de força, maior do que qualquer ICBM americano, russo ou chinês. Mísseis de combustível sólido reduzem o tempo necessário para a preparação do lançamento, tornando-os mais difíceis de detectar e atingir.


Esses testes recentes podem ter neutralizado as capacidades de defesa antimísseis dos EUA, como o sistema de mísseis Terminal High Altitude Area Defense implantado nos EUA e o sistema Aegis Ballistic Missile Defense.


Em junho deste ano, a oitava reunião plenária ampliada do Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia revisou sua estratégia econômica, diplomática e de defesa “para lidar com a mudança na situação internacional”.


A Coreia do Norte afirma que seus testes de mísseis são para autodefesa de ameaças militares diretas dos EUA e não prejudicaram a segurança de países e regiões vizinhas.


Embora um foguete de longo alcance carregando seu primeiro satélite de reconhecimento militar tenha caído em maio passado, a Coreia do Norte está determinada a colocá-lo em órbita e operar.


Alguns analistas sul-coreanos agora acreditam que os EUA discutem questões norte-coreanas com Seul não porque pretendem seriamente resolvê-los, mas mais para persuadir o governo sul-coreano a ajudar os EUA a competir contra Pequim. Muitos duvidam que os EUA estejam dispostos a sacrificar São Francisco por Seul.


Luta pela reunificação pacífica


O povo coreano com sua orgulhosa história de 5 mil anos permanece dividido após a Guerra da Coreia imperialista dos EUA de 1950 a 1953 com cerca de cinco milhões de vidas perdidas. Os EUA podem ter esquecido esta guerra, mas os chineses e o povo coreano não.


Diante da intensificação das provocações de guerra dos EUA na região e em todo o mundo, os trabalhadores e outros povos oprimidos têm o direito de se defender e lutar contra o domínio desesperado do imperialismo dos EUA pela hegemonia.


Os EUA, atualmente envolvidos em sua guerra da OTAN na Ucrânia contra a Rússia, enfrentam rivalidade estratégica com a China e estão em conflito com suas próprias questões domésticas em meio ao agravamento da crise capitalista monopolista.


É imperativo que todas as forças anti-imperialistas e democráticas se unam ao povo coreano em sua aspiração pela paz e reunificação. O verdadeiro impedimento contra um holocausto nuclear é a nossa solidariedade contra o imperialismo.


Assim, a Liga Internacional da Luta dos Povos convoca todas as suas organizações membros e aliadas a se mobilizarem e realizarem ações de protesto em seus próprios países para condenar as provocações de guerra e a intervenção dos Estados Unidos na Península Coreana. Vamos expor e nos opor ao apoio do Japão e da Coreia do Sul à agenda de guerra e militarização dos EUA na região da Ásia-Pacífico. Apoiemos a luta dos povos coreanos pela reunificação pacífica da península coreana.


Por Len Copper, presidente da ILPS


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg