top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Apoiar os sindicatos da Coreia do Sul contra a repressão massiva do governo"



As Iniciativas de Lutas Internacionais dos Trabalhadores e a Comissão 5 da Liga Internacional de Lutas dos Povos saúdam o Sindicato Coreano dos Trabalhadores da Construção (KCWU) e a Confederação Coreana de Sindicatos (KCTU) por sua determinação em defender os trabalhadores contra as condições inseguras e o governo repressivo. Condenamos absolutamente o governo de Yoon por seu ataque contra os trabalhadores coreanos.


No ano passado, o presidente Yoon Seok-yeol esmagou uma greve da Divisão Solidária de Caminhoneiros, que fazia campanha por taxas seguras para movimentação de carga. Este ano ele decidiu atacar o KCWU, acusando-os de “extorsão conjunta”, “chantagem” e ser uma “máfia”, bandidos e criminosos, porque eles faziam campanha por condições de trabalho civilizadas em sua indústria muito perigosa.


Em 1º de maio de 2023, Yang Hoedong, líder do KCWU na região de Gangwon, ateou fogo em si mesmo do lado de fora de um tribunal para protestar contra a repressão do governo. A promotoria local solicitou mandados de prisão para Yang e dois outros funcionários do sindicato da construção. Eles estavam sob investigação por forçar as construtoras a contratar trabalhadores sindicalizados e cobrar taxas sindicais, o que a promotoria descreve como intimidação e extorsão.


Desde o início de 2023, a polícia realizou 13 batidas em sedes sindicais da construção civil, 40 buscas pessoais em sindicalistas e 950 citações, detendo 17 pessoas.


Os mandados de busca foram emitidos com base no temor de uma empresa de que um Acordo Coletivo de Trabalho, se assinado, causaria prejuízos massivos às operações da empresa. O governo está dizendo que os trabalhadores não devem fazer greve e não devem fazer exigências de alta pressão à empresa durante as negociações. Esta é uma violação direta dos direitos dos trabalhadores à negociação coletiva, consagrados na Convenção 98 da Organização Internacional do Trabalho.


Trabalho de construção na Coreia do Sul


A grande maioria dos trabalhadores da construção civil na Coreia do Sul são trabalhadores diurnos, expostos à constante insegurança no emprego. Os trabalhadores são forçados a subornar gerentes informais chamados “Oyaji”, que decidem quem consegue quais empregos.


Os canteiros de obras são inseguros, repletos de práticas ilegais, levando a quase 400 trabalhadores a morrerem nos locais de trabalho todos os anos. O KCWU está lutando para transformar canteiros de obras em locais de trabalho seguros, eliminando a estrutura ilegal de subcontratação multinível e garantindo os direitos trabalhistas básicos dos trabalhadores da construção.


Por exemplo, várias pessoas morreram quando um projeto de demolição em Gwangju levou ao colapso do prédio. O contrato original foi concedido em 280.000 won (US$ 216) por metro quadrado. A demolição foi subcontratada sete vezes, até que o nível inferior recebeu apenas 50.000 won (US$ 39) por metro quadrado.


Os sindicatos da construção continuam sua luta, exigindo a renúncia do presidente Yoon Seok-yeol, do ministro da Terra, Infraestrutura e Transporte, do chefe de polícia e a dissolução da ‘Força-Tarefa para Combater a Corrupção na Indústria da Construção’. Os membros da KCTU organizam uma cerimônia memorial todas as noites, na Casa Funerária do Hospital da Universidade Nacional de Seul.


Na noite de 16 de maio, uma cerimônia memorial conjunta foi realizada para lamentar as vítimas do desastre de Itaewon e o mártir Yang Hoedong. Em 29 de outubro de 2022, pouco antes do Halloween, 159 pessoas morreram esmagadas nas ruas de Itaewon, em Seul. Apesar de vários pré-avisos sobre uma grande aglomeração de multidões, tanto a polícia quanto as administrações locais e metropolitanas não se prepararam para administrar a situação, o que levou ao desastre. As famílias enlutadas se organizaram e exigem a demissão do ministro do Interior e Segurança e uma investigação completa da tragédia.


O governo de Yoon Seok-yeol impediu que as famílias das vítimas da tragédia de Itaewon montassem um memorial perto da prefeitura de Seul e continua a se envolver em propaganda maldosa contra as famílias enlutadas. O 16 de maio foi o 200º dia após a tragédia, então o KCWU organizou um memorial conjunto com os familiares enlutados, após o qual 30 mil trabalhadores da construção dormiram na rua, para expressar seu protesto contra o governo.


No dia seguinte, 17 de maio, os trabalhadores da construção se reuniram e marcharam em direção ao gabinete presidencial, até serem bloqueados por um bloqueio feito pela polícia. Do outro lado da barreira policial, a direita também fazia uma manifestação, gritando repetidamente: “Dissolvam a KCTU! Dissolva o KCWU!”


Um enorme conflito social está se desenrolando na Coreia do Sul, impulsionado por uma política antipopular perversa do novo governo Yoon. Apelamos aos trabalhadores de todo o mundo para expressar sua solidariedade aos trabalhadores sul-coreanos.


Declaração das Iniciativas de Lutas Internacionais dos Trabalhadores e Comissão de Trabalhadores 5 da Liga Internacional de Luta dos Povos


banner-HISTÓRIA-DAS-REVOLUÇÕES.png
Clube-do-Livro-2023.png
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png
bottom of page