top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Ucrânia: Espectador inocente ou fantoche imperialista?"



A atual ação militar na Ucrânia atingiu um ano desde seu início. Ao longo desse tempo, os povos do mundo foram alvo de uma campanha extraordinária e contínua de propaganda dos EUA-OTAN na mídia de massas, sustentada pelas alegações sem sentido de que eles estão lutando pela liberdade, democracia e independência da Ucrânia.


Esta ação militar na Ucrânia começou há muitos anos devido ao expansionismo EUA-OTAN.


A propaganda EUA-OTAN encobre a longa história de agressão dos EUA, construção de bases militares em torno da Rússia e violação deliberada de acordos, particularmente pelos EUA e pela OTAN. Não faz menção à derrubada ilegal do presidente pró-russo eleito da Ucrânia pelos EUA em 2013 e 2014.


Os traficantes de guerra EUA-OTAN geraram deliberadamente esse ultraje militar inaceitável usando a Ucrânia. Eles estão preparados para usar seu governo fantoche na Ucrânia como um substituto para envolver a região e potencialmente o mundo em uma guerra para promover suas ambições imperialistas.


Para citar nosso querido camarada Joma Sison, de um relatório que ele escreveu no ano passado: “A operação militar especial da Rússia é simplesmente um ato unilateral e não provocado de agressão? Ou é depois de 8 anos de marionetes de Kiev para os EUA e a OTAN, e fascismo brutal contra os ucranianos russos, uma resposta atrasada de contra agressão da Rússia à expansão anterior da OTAN em violação do Acordo de Minsk de 1991?


“Não é um fato que a Rússia seguiu a lei internacional ao primeiro reconhecer as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk e co-assinar tratados de segurança e defesa mútuas antes que a Rússia agisse de acordo?”


“A maioria das pessoas de nacionalidade russa na região de Donbass não tem direito à autodeterminação nacional contra o chauvinismo antirrusso e o fascismo, que resultou na morte de 14 mil pessoas de nacionalidade russa, na devastação de Donbass e Lugansk? E o exílio de 3 milhões de russos da Ucrânia desde 2014?”


“Os EUA, a OTAN e a propaganda ocidental ignoram completamente os direitos da nacionalidade russa no contexto pré-fascista e pré-2022 da Ucrânia”.


Não devemos esquecer ou ignorar esta história, apontada acima, pelo Professor Sison, que é a principal força motriz na criação deste conflito em torno da Ucrânia.


É importante que os povos do mundo examinem a causa de toda e qualquer guerra e surto militar, a fim de analisar quem é o responsável por isso.


Mesmo que alguém tenha dúvidas sobre quem é o culpado por este último conflito militar, basta examinar a história do mundo desde a Segunda Guerra Mundial, pelo menos, no contexto do imperialismo dos EUA e seu histórico.


Analise os autodenominados defensores da “liberdade e da democracia”, por sua conduta ilegal, desumana, viciosa e desprezível ao derrubar e/ou tentar derrubar governos no Iraque, Líbia, Venezuela, Síria, Vietnã, Coreia do Norte, Cuba, Afeganistão, Somália, Chile, Iugoslávia, Nicarágua e muitos outros.


Eles agem ilegalmente sob o direito internacional, e agem totalmente em seu próprio interesse, em seus próprios interesses imperialistas que nada têm a ver com a chamada liberdade e democracia do povo, mas tudo a ver com sua busca constante por mais lucro.


Devemos aceitar que, apesar do histórico horrível do imperialismo dos EUA desde pelo menos a Segunda Guerra Mundial, agora mudaram de posição e estão agindo na Ucrânia e na região no interesse da paz, democracia e direitos humanos, etc.?

Por favor, nos poupe desse absurdo.


Para citar a Frente Internacional dos Povos (IPF), “Muitos previram que a expansão da OTAN levaria a esta guerra. Eles foram ignorados. Os líderes ocidentais certa vez garantiram à antiga liderança soviética que a OTAN não se moveria uma polegada para o leste, após a reunificação alemã. Em 2004, a OTAN havia alcançado a fronteira da Rússia. A OTAN expandiu-se para a Polônia, Romênia e Bulgária e até para as antigas partes da União Soviética, como Estônia, Letônia e Lituânia. Foguetes estadunidenses foram colocados na Polônia e na Romênia, e a Ucrânia armada com armamento ocidental. Separatistas foram atiçados na Geórgia”.


Como de costume, o Imperialismo dos EUA mente sobre suas intenções e ambições. Embora em raras ocasiões eles deixem escapar suas reais intenções. Uma coletiva de imprensa da Casa Branca em 25 de janeiro de 2022, antes da intervenção russa, afirmou que “os EUA, em conjunto com seus parceiros europeus, enfraquecerão a Rússia a ponto de não exercer influência no cenário internacional”.


Para citar Mike Whitney, autor do Centro de Pesquisa Global. Ele diz: “A guerra na Ucrânia não é sobre a Ucrânia. Os objetivos estratégicos articulados dos Estados Unidos são os seguintes: enfraquecer a Rússia, derrubar seu líder, assumir o controle de seus vastos recursos naturais e seguir em frente para conter a China. Simplificando, a crescente agressão de Washington na Ucrânia é um passe de Ave Maria destinado a conter centros emergentes de poder econômico, a fim de preservar sua posição decrescente na ordem global”.


O capitalismo e sua ambição expansionista sempre significam guerra ou ameaças de guerra. Claramente evidente hoje é que o imperialismo dos EUA é de longe o principal agressor global e tem sido assim por muito tempo.


O outro problema para os povos do mundo é que a Rússia, desde a derrubada do socialismo na URSS, tornou-se um país capitalista e também faz parte do sistema imperialista global.


Há conflito e competição entre o bloco imperialista dos EUA de nações capitalistas e um bloco em desenvolvimento de nações capitalistas do qual o capitalismo russo faz parte.


Esse bloco de nações é conhecido como BRICS e inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.


Desde o início da ação militar na Ucrânia, não houve conversa substancial sobre cessar-fogo e negociações, especialmente do lado dos EUA-OTAN.


Hoje, no entanto, os países do BRICS enfatizaram recentemente o apoio ao “multilateralismo” e aos princípios da Carta das Nações Unidas, que incluem o respeito às preocupações “legítimas” de segurança de todos os países.


As nações do BRICS já pediram negociações entre a Rússia e a Ucrânia para resolver a crise na Ucrânia.


Até agora, o campo dos EUA acreditou que fazer a guerra por meio de um protagonista substituto como a Ucrânia, fortemente armada e apoiada pelas nações ocidentais, é uma fórmula vencedora. Ao mesmo tempo, o governo russo acredita que pode impedir a invasão dos EUA/OTAN pela força militar contra a Ucrânia.


Tal como está, há uma ameaça constante de uma guerra mais ampla e até mesmo o possível uso de armas nucleares. O impacto do conflito sobre o povo da Ucrânia, o povo da Rússia e o povo do mundo, como sempre na guerra capitalista, é de pouca ou nenhuma preocupação.


Os povos do mundo devem exigir que a ação militar na Ucrânia e na região seja substituída por um cessar-fogo e negociações urgentes para obter garantias de segurança e paz na Ucrânia e na Rússia. O povo deve se unir na luta contra as guerras e agressões dos EUA/NATO.


Como a Frente Popular Internacional (IPF) declarou recentemente: “Não podemos implorar aos governos pela paz, mas podemos conquistá-la por meio de ações de base”.


Acabar com a OTAN!

Opor-se ao imperialismo e às guerras imperialistas!


Len Cooper

Presidente da ILPS

15 de março de 2023

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg