top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A eterna fogueira africana"



Praticamente sem significado, há notícias como a emboscada em que dez soldados morreram no sudoeste do Níger, perto das fronteiras com Mali e Burkina Faso, no último dia 10 de fevereiro. As autoridades temem que as vítimas aumentem, já que outras 16 pessoas continuam desaparecidas e outros treze soldados ficaram feridos, alguns gravemente. No comunicado, nota-se ainda que vários agressores morreram durante os confrontos, sem especificar o número.


O ataque ocorreu do lado nigeriano na região de Tillabéry, um território que também se estende a Burkina Faso e Mali, no meio do Sahel, onde os khatibas terroristas se espalharam sem parar desde 2012.


Em 2017, quatro Boinas Verdes norte-americanos morreram no decurso de uma operação, naquela mesma zona, e a notícia teve então um significado mundial, ferindo mesmo a então incólume figura de Donald Trump.


O Sahel, aquele estranho território, definido em suaíli como costa, litoral, fronteira ou orla, estende-se por 5.400 quilômetros do Mar Vermelho ao Oceano Atlântico. Dada a sua extensão, a sua geografia hostil e por ser um ponto de transição e mistura geográfica e étnica, entre o Sahara e a África Subsariana, onde coexistem povos sedentários e nômades, pastores e agricultores, muçulmanos, animistas e cristãos.


Tem riquezas imensuráveis ​​enterradas nos seus subsolos, ouro, urânio, petróleo ou fosfatos, entre outros minerais, razão pela qual é desde a Conferência de Berlim (1884-1885) até hoje, como o resto de África, um objeto de desejo da potências imperiais: França, Reino Unido, Bélgica, Itália e Alemanha, e depois de seu declínio: os Estados Unidos, que governam os destinos de grande parte do continente, embora agora devam disputar sua prevalência, por três décadas com a China e por alguns anos atrás, a cada vez mais importante presença russa.


Ao longo de sua história, o Sahel, que sofreu fomes periódicas, secas, tumultos, golpes e guerras tribais e banditismo, é hoje o epicentro mundial do terrorismo wahhabi, com dois grandes blocos armados, o Jama'at Nusrat al Islam wal Muslimin ou JNIM (Frente de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos), aliado da Al-Qaeda, e do Estado Islâmico no Grande Saara (EIGS), afiliado ao Daesh global.


Embora outros grupos rigoristas operem em outras seis partes do continente, além do Sahel: Somália (al-Shabaab), bacia do Lago Chade e Nigéria (Boko Haram e a Província do Estado Islâmico para a África Ocidental, por sua sigla em inglês ISWAP), no norte de Moçambique (Ansar al-Sunna (Apoiantes da tradição)), no Magreb (entre outros al-Qaeda no Norte de África Islâmico (AQIM)) e na República Democrática do Congo (RDC) (Forças Democráticas Aliadas (FDA)).


A esta pequena lista devemos acrescentar o Egito, centro propagador deste tipo de terrorismo, cujo veículo tem sido a Irmandade Muçulmana (MB). Dessa organização, fundada em 1928, na cidade de Ismailia por Hasan al-Banna, um professor de 21 anos suspeito de não orbitar muito longe do Ministério das Relações Exteriores, surgiram inúmeros Khatibas no Egito, na África e também no Oriente Médio e Ásia Central. Com ações memoráveis ​​como a execução do então presidente Awad Sadat em 1981, por soldados pertencentes à Jihad Islâmica, uma das muitas organizações filhas da MB


Desde 2018, com a Operação Sinai, ordenada pelo presidente, Abdel Fattah al-Sissi, embora as ações de Willat Sinai (Província do Sinai ), fora da península , tenham diminuído significativamente, em direção ao interior, devido ao bloqueio de informações imposto pelos comandantes militares, o curso dessa guerra é desconhecido.


Embora cada uma dessas forças seja composta por locais, que podem ou não ter experiência de combate no Iraque, na Síria e até no Afeganistão, suas estratégias e reivindicações podem diferir para cada área, embora todas elas de uma forma ou de outra. Dessa forma, eles estão ligados a um dos dois grandes trustes terroristas, a Al-Qaeda ou o Daesh, dos quais podem receber treinamento, logística, armas e até financiamento, se necessário.


Ano após ano, os dados sobre mortes e ataques vêm aumentando exponencialmente. Durante 2022, pouco mais de 19 mil mortes foram reconhecidas em todo o continente. Ultrapassou o recorde de 18.850 em 2015, quando o grupo nigeriano Boko Haram estava no auge de sua carreira insana, enquanto em 2021 houve uma queda significativa, que chegou a 12.920 mortes.


Destes números, cerca de 77% das ações e 67% das mortes no Sahel têm sido da responsabilidade do JNIM e o resto da khatiba do Daesh.


Sem dúvida, este aumento de mortes por ações terroristas é replicado no aumento de deslocados internos no continente, que, embora tenha sido estimado em cerca de 30 milhões, nem todos são atribuíveis ao terrorismo, uma vez que as mudanças climáticas, as secas e as inundações são vetores importantes nesses deslocamentos, contudo, o terrorismo contribui com uma figura significativa para essas ondas. Por exemplo, somente em Burkina Faso foram dois milhões e meio desde 2017. Quase um milhão de deslocados ocorreram durante o conflito em Tigray (Etiópia) que, embora não tenha nada a ver com as ações do terrorismo Wahhabi, é consequência da conformação de um continente com 1,4 bilhão de habitantes, que não conseguiu livrar-se dos fardos do colonialismo e da ingerência do Ocidente.


Quem conta os mortos?

O aumento das ações violentas no Sahel ocidental (Burkina Faso, Mali e oeste do Níger), durante 2022, perto de oito mil, ultrapassou os valores totais do resto do continente. Este aumento assenta na retirada da França do Mali e Burkina Faso, países onde ocorreram golpes, por parte dos jovens oficiais, em contraste com as políticas aplicadas pelos seus superiores em consonância com os comandantes franceses.


Embora se tente atribuir a essas movimentações de jovens oficiais e seus vínculos com a empresa de segurança russa conhecida como Grupo Wagner, o crescimento das ações terroristas, que no Mali, por exemplo, passaram a atuar nas proximidades de sua capital, Bamako, a pelo menos mil quilômetros de zonas do norte como Kidal, Gao ou Timbuktu, onde operam os fundamentalistas Khatibas , é no mínimo arriscado acusar o exército do Mali e os mercenários russos desses avanços, quando as forças de paz da ONU (MINUSMA) ou as forças conjuntas do Sahel Group Five (GS5) formadas por Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger, desativadas há dois anos, além das forças francesas da Operação Barkhane .Portanto, é muito cedo para reverter a deriva marcada por dez anos de ineficácia francesa, que em vez de reduzir as ações terroristas, permitiu, a partir de um pequeno foco no norte do Mali, que hoje ameaçam nações como Gana, Benin e Togo, as FAMa (Forças Armadas do Mali) são obrigadas a responder à situação, enquanto os russos são responsabilizados, apenas em funções de treino, por centenas de mortes de civis. Quando há inúmeros relatos de abusos e mortes causados ​​por tropas francesas durante sua longa permanência no Mali.


Todos esses conflitos estão sendo alimentados pelo constante tráfico de armas, que em relatório datado de 14 de fevereiro, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) revela que as armas vêm principalmente do mesmo continente africano. A circulação das chamadas armas “desviadas”. Provêm de roubos de forças regulares, durante ou após os confrontos, saques de arsenais ou compras de funcionários corruptos, dos próprios governos, sem falar nas contribuições de fora do continente.


Talvez essa omissão das Nações Unidas tente encobrir os ricos negócios dos poderosos que circulam na 405 East 42nd Street, New York.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg