top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Palestinos resistem à ataque israelense a al-Aqsa"



As forças de ocupação israelenses atacaram violentamente os fiéis palestinos em 15 de abril, durante as orações matinais na mesquita de al-Aqsa, em Jerusalém Oriental ocupada. O ataque premeditado e orquestrado ocorreu na segunda sexta-feira do Ramadã, o mês mais sagrado do ano para os muçulmanos, quando dezenas de milhares de fiéis se reúnem em al-Aqsa para rezar. As forças de ocupação israelenses feriram mais de 153 palestinos e prenderam mais de 400 durante o ataque brutal.


De acordo com o Centro Palestino de Direitos Humanos (PCHR), milhares de fiéis foram intimidados ao entrar nos portões da mesquita em meio a uma forte presença das forças de ocupação israelenses, incluindo franco-atiradores empoleirados no telhado. Dada a longa história do regime israelense de aterrorizar os palestinos durante o mês sagrado do Ramadã, os fiéis colocaram barreiras de madeira ao redor da mesquita em antecipação a uma incursão israelense.


Logo após a oração do amanhecer, as forças israelenses que ocupavam o telhado quebraram os vitrais da sala de oração da mesquita e emboscaram os fiéis, disparando balas de aço revestidas de borracha, gás lacrimogêneo e granadas de efeito moral.


Os palestinos resistiram ao violento ataque por quatro horas antes que as forças de ocupação israelenses finalmente limpassem a sala de oração e os pátios da mesquita de quase todos os fiéis. Vários vídeos postados nas mídias sociais mostram forças israelenses fortemente militarizadas jogando granadas de efeito moral dentro da mesquita e espancando e chutando brutalmente os palestinos. Um vídeo mostra as forças israelenses ajoelhadas na parte superior do corpo dos fiéis enquanto os imobilizam e os detêm à força.


Enquanto isso, do lado de fora da sala de oração, a polícia israelense bloqueou a entrada do complexo e disparou balas de borracha contra os paramédicos que corriam para ajudar os feridos. “Eles atingiram todo mundo. Aos jornalistas, aos médicos, às idosas... a todos aqueles que se interpuseram em seu caminho. Eles não pouparam ninguém”, disse a testemunha Fakhri Abu Diab ao Middle East Eye. As forças israelenses dispararam balas de borracha nos olhos dos guardas de al-Aqsa que tentavam ajudar mulheres e crianças apanhadas no fogo cruzado. Outro vídeo perturbador mostra um policial israelense espancando uma mulher palestina desarmada que estava tentando documentar violações de direitos humanos com um porrete.


Francesca Albanese, a recém-nomeada relatora especial da ONU para os direitos humanos na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza, declarou na sexta-feira que “os locais de culto, como extensão da liberdade religiosa, devem ser protegidos, especialmente nos dias santos”. Ele acrescentou que ataques intencionais e não provocados a civis constituem crimes de guerra sob o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional.


Sheikh Ekrima Sabri, um imã de al-Aqsa, disse que o ataque foi realizado em coordenação com nacionalistas israelenses de extrema direita, que prometeram invadir a mesquita e matar animais dentro de seu pátio. O ataque pretendia desalojar os palestinos e abrir espaço para os colonos israelenses invadirem a mesquita durante o feriado da Páscoa, que começou naquela noite.


Durante e após a incursão planejada, colonos israelenses tentaram entrar na mesquita de al-Aqsa carregando ovelhas e respondendo a pedidos de organizações sionistas para abater os animais para sacrifícios religiosos.


Esses grupos nacionalistas também defendem a destruição da mesquita e a construção de um templo judaico em seu lugar. Se esses sacrifícios de animais ocorressem dentro de al-Aqsa, seria uma escalada sem precedentes da ocupação ilegal e provavelmente provocaria muçulmanos em todo o mundo, que reverenciam Jerusalém como um dos locais mais sagrados do Islã.


Sionismo é racismo

De acordo com o imã de al-Aqsa, é provável que as forças de ocupação israelenses tentem invadir a mesquita novamente, dada a longa história de Israel de escalada de ataques violentos na Palestina ocupada durante o mês do Ramadã. No ano passado, os sionistas realizaram vários ataques violentos dentro da mesquita, provocando uma guerra de 11 dias entre Israel e grupos de resistência armada em Gaza. Mais de 256 palestinos de Gaza, incluindo pelo menos 66 crianças, foram mortos durante os 11 dias de intenso bombardeio que se seguiram.


Em 1948, as forças militares israelenses, apoiadas pelos Estados Unidos e imperialistas ocidentais, expulsaram 700 mil palestinos de suas casas para o exílio, destruindo centenas de cidades e vilas para formar o Estado de Israel.


Desde então, a mídia corporativa tem sido covarde na cobertura de violações de direitos humanos cometidas contra palestinos ocupados e extremamente tendenciosa a favor de colonos israelenses.


Israel tem sido um projeto de apartheid genocida e colonial, mas é incapaz de esmagar a resistência palestina. Em tempos de crescente agressão israelense, é imperativo amplificar as vozes palestinas. A resistência palestina – e a defesa armada – é justificada em resposta a uma guerra de conquista e agressão de um século por colonizadores israelenses contra os povos indígenas da Palestina.


Do Resumen Latinoamericano


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg