• NOVACULTURA.info

"Líbia, o 'depósito de lixo' da Europa"



A OTAN observa com indignação os refugiados que estão concentrados na fronteira da Polônia com a Bielo-Rússia em busca de um subterfúgio para acusar o presidente russo Vladimir Putin e o bielo-russo Lukashenko de que foram eles que os fabricaram em algum local secreto em Chukotka, e tenta incitar seus lacaios ucranianos a retornar “bondade” e alguns problemas para Moscou.


A União Europeia acorda magoada que todas as manhãs o sultão Erdogan a sodomiza através do acordo de 2016 que fez com Ancara para evitar que os quatro ou cinco milhões de refugiados que entraram na Turquia vindos da Síria, Iraque ou Afeganistão, essencialmente com a intenção de continuar, através da Grécia, adentrem no resto do continente, enquanto nas praias do Canal da Mancha, Londres e Paris, discutem quem enterra os afogados.


Mas é na Líbia que segregam as pústulas do sistema corrupto criado pela União Europeia para impedir a chegada de mais refugiados fedorentos, ameaçando que mais de um de seus funcionários em algum momento acabe dando explicações para genocídio em um tribunal de justiça, no caso de haver algum.


A questão é que nos primeiros seis meses deste ano cerca de 21 mil pessoas chegaram à Europa de portos africanos, apesar do fato de a UE ter criado um sistema de detenção secreto para captura, retenção e, se necessário, retorno aos seus países de origem para centenas de milhares, senão milhões, daqueles que vieram à antiga pátria do Coronel Gaddafi para saltar os cerca de 320 quilômetros sobre o Mediterrâneo e obter um sustento que não apenas salva a si mesmos, mas também os de suas famílias que permaneceram no profundezas da África Subsaariana.


Desde 2010, impulsionada por guerras internas, violência, terror, pobreza e mudanças climáticas, uma enchente começou a atingir a Europa, atingindo um número recorde de um milhão em 2015, nada se comparado às previsões do Banco Mundial para os próximos 50 anos que, com as mudanças climáticas, secas, safras mais escassas, aumento do nível dos oceanos, junto com a desertificação, deslocariam cerca de 150 milhões de pessoas, principalmente do hemisfério sul.


De forma secreta, a União Europeia há seis anos articulou, financiou, equipou e treinou a conhecida como Guarda Costeira da Líbia, uma organização terrorista surgida das milícias que desde 2010 encorajam a guerra civil na Líbia, sem comando e operação unificados praticamente à sua vontade com apenas um slogan: “que os refugiados não cheguem à Europa” usando qualquer recurso. Assim, qualquer barco suspeito de transportar refugiados pode ser, em alguns casos, abordado à força e reduzido com violência, gerando muitos assassinatos e “acidentes” que culminaram com o afogamento de dezenas de refugiados. Ao mesmo tempo, evitando operações de resgate humanitário.


Depois de detidos, os refugiados, em muitos casos à custa da vida de alguns deles, são presos ilegal e indefinidamente em um complexo emaranhado de prisões de onde sairão, só que sem que alguém pague o resgate exigido pela milícia que retém, a serem vendidos como escravos por US$ 88 a cabeça em alguns dos mercados que operam à luz do Saara, ou mesmo mortos.


De acordo com algumas fontes ligadas às ONGs que operam na Líbia, em setembro passado mais de 6 mil refugiados foram detidos em diferentes prisões, a maioria deles na prisão de al-Mabani, um antigo depósito de cimento perto de Trípoli reaberto em janeiro deste ano, mas para outros fins, com suas paredes externas elevadas e coroadas com arame farpado. Vigiado por homens em uniformes pretos e azuis armados com kalashnikov, pertencentes à altamente discutível Diretoria de Luta contra a Migração Ilegal.


Em al-Mabani, a maior das quinze penitenciárias que funcionam mais ou menos regularmente, os presos sofrem de todo tipo de aberrações: falta absoluta de higiene, só há um banheiro para cada cem presos, portanto, faz de qualquer evacuação fisiológica um desafio para oportunidade e imaginação. Sem falar na saúde e nutrição.


Os detidos são trancados em pavilhões superlotados, então há turnos para dormir deitados, para os mais afortunados, em finas folhas de espuma de borracha ou diretamente no chão sujo. Há quem escolha dormir sentado. O local de chuveiros, sendo o mais arejado, é o mais disputado. O que em várias ocasiões acabou com a vida de alguns deles. Duas vezes ao dia os presos são conduzidos ao pátio, onde são proibidos não só de falar, mas de “olhar para o céu” (sic). Na hora do almoço, os guardas colocam os pratos no chão e os presos têm que fazer um esforço para alcançá-los para catar alguma coisa. Nas coberturas dos pavilhões, as lâmpadas fluorescentes permanecem acesas durante toda a noite, já que praticamente nenhum dos pavilhões possui luz natural. Os detidos devem conviver com as penas e excrementos que caem do telhado onde centenas de pássaros fazem seus ninhos. No caso particular das mulheres, os estupros são repetidos diariamente e as mais novas são imediatamente introduzidos nas redes de prostituição.


Qualquer indisciplina é punida violentamente com golpes de mangueiras, cabos ou barras de ferro. Quando a ofensa é maior, as punições podem ser choques elétricos, asfixia e execuções simuladas.


Mais prisões estão camufladas entre galpões abandonados no bairro tripolitano de Ghout al-Shaal, antes da guerra, dedicado ao conserto de automóveis e ferros-velhos.


Os detidos podem ter acesso à sua liberdade, com alguma barganha particular com um guarda no valor de $ 500, razão pela qual são comuns invasões como a que ocorreu em Gargaresh em outubro passado, um bairro de Trípoli onde 5 mil refugiados foram detidos.


As “leis” líbias, sem base legal ou controles para administrá-las, estabelecem que não só pode qualquer estrangeiro ser detido indefinidamente, mas também não tem direito a qualquer tipo de defesa, de forma que a liberdade só se consegue mediante pagamento. Ao mesmo tempo, os presos são obrigados a realizar qualquer tipo de trabalho, como manuseio de explosivos ou limpeza de locais contaminados, sem qualquer proteção.


Aqueles que falharem acabarão no cemitério de Bir al-Osta Milad, de quase quatro hectares, onde estima-se que haja mais de 15 mil túmulos, a maioria sem identificação.


Europa cada vez mais longe


Durante os anos do coronel Khadafi, embora qualquer africano fosse bem recebido no país e pudesse ter acesso ao trabalho e aos benefícios proporcionados pela Jamahiriya (Estado das massas), se o seu desejo era seguir rumo à Europa a sua passagem não era perturbada. Assim, os europeus começaram a exercer forte pressão sobre Trípoli para ajudar a interromper a drenagem de africanos para o norte do Mediterrâneo.


Embora Gaddafi tenha resistido o máximo que pôde, em 2008 foi forçado a concordar com o então primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, prometendo implementar controles rígidos. Dadas as deficiências da Itália no acordo, Gaddafi exigiu algumas vantagens econômicas sob a ameaça de “tornar a Europa negra”.


Historicamente, a maioria das rotas usadas por migrantes subsaarianos que tentam chegar ao Mediterrâneo convergem na cidade nigeriana de Agadez, de onde lentamente começam a coluna em direção aos portos líbios. Portanto, desde 2015 a UE vem implementando manobras para pressionar Niamey, entendidas como suborno de funcionários, militares e políticos, para a qual foi estabelecida a conhecida Lei 36, com a qual todos os motoristas de ônibus, caminhão e guias que por décadas transportaram migrantes para o norte fossem declarados traficantes de pessoas, com penas de prisão de até 30 anos. O que os refugiados resolveram procurando por rotas alternativas mais complexas e perigosas.


Para continuar a dificultar as viagens de migrantes, a União Europeia estabeleceu um fundo fiduciário que investiu dezenas de milhões de dólares para tornar a Guarda Costeira uma força eficaz, proporcionando formação a oficiais, recursos financeiros e embarcações de última geração. A agência europeia de fronteiras FRONTEX também realiza um plano de investimento desde 2015 “para capturar os migrantes que atravessam o mar”, com um orçamento de mais de 500 milhões de euros e serviço militar próprio, com autorização para operar fora das fronteiras da UE, mantém vigilância constante no Mediterrâneo com drones e aviões.


Essa complexa rede de agências oficiais e gangues de piratas permitiu, segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM) pertencente às Nações Unidas, interceptar mais de 80 mil migrantes nos últimos quatro anos.


A Itália em 2018, com o apoio da União Europeia, conseguiu o acordo da ONU para a Guarda Costeira da Líbia estender sua jurisdição para 160 quilômetros da costa, para o qual a UE entregou seis lanchas, 30 Toyota Land Cruisers, rádios, telefones por satélite, barcos infláveis ​​e 500 uniformes.


Enquanto tudo isso acontece, o Governo de Unidade Nacional (GNU) imposto pela ONU e presidido pelo magnata Abdelhamid Dbeibah, desde março passado organiza as eleições marcadas entre dezembro e janeiro, portanto nada pode ser esperado para melhorar a situação de milhares de pessoas sem alma que continuam a se acumular como lixo na Líbia.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional