• NOVACULTURA.info

"O amor de Cuba abraçou Chernobyl"



Uma incrível história de solidariedade, dignidade e humanismo ofereceu Cuba ao mundo, quando em 29 de março de 1990 o Comandante em Chefe Fidel Castro Ruz recebeu no Aeroporto Internacional José Martí de Havana o primeiro grupo de 139 crianças portadoras de diversas doenças


Onco-hematológicas, afetado pela maior catástrofe nuclear da história da humanidade até os dias atuais, ocorrida quatro anos antes no reator quatro da usina eletronuclear de Chernobyl, na então República Socialista Soviética Ucraniana.


Este primeiro grupo foi atendido no Instituto de Hematologia da capital e no Serviço de Oncologia do Hospital Pediátrico Juan Manuel Márquez.


Assim começou o inédito programa cubano de atenção médica integral às crianças afetadas por aquele desastre atômico, apesar da maior das Antilhas terem entrado em uma crise econômica no início dos anos 90 do século passado em consequência da queda do campo socialista do Leste Europeu, cuja influência nem mesmo a própria União Soviética não puderam escapar, que se desintegrou meses depois, e o oportunista ressurgimento do criminoso bloqueio econômico, comercial e financeiro do governo dos Estados Unidos contra o povo cubano.


Porém, ao lado da escada do avião IL-62, foi anunciada a disposição do Governo Revolucionário de receber nada menos que 10 mil crianças para fornecer-lhes tratamento altamente especializado.


E é que a resposta de Cuba não esperou pelo pedido de ajuda internacional do governo da então União Soviética. No início da década de 1990, especialistas cubanos visitaram a Ucrânia para avaliar a dimensão do problema e o tipo de ajuda que poderia ser prestada.


As autoridades médicas e políticas que acompanharam os especialistas visitantes perceberam a necessidade de prestar cuidados a mais pacientes e decidiu-se então expandir esta colaboração.


A sede do programa foi instalada no Hospital Pediátrico de Tarará, localizado no bairro de Tarará, a leste de Havana, a 27 quilômetros do centro da capital.


Essa distribuição ocupa uma área de 11 quilômetros quadrados, onde estão localizadas 520 residências, instalações hospitalares e seguros administrativos. Possui também 850 metros de praia de areia branca, onde é, segundo o destacado escritor norte-americano Ernest Hemingway, “o melhor cais de Havana” para desenvolver o amor pela pesca.


Naquela cidade estava instalado o Acampamento Internacional dos Pioneiros José Martí desde 1976, por onde passaram mais de três milhões de crianças cubanas.


De forma voluntária e com grande entusiasmo, o povo da capital participou da reforma de todas essas casas. Em junho de 1990, começaram a receber crianças da Rússia, Bielo-Rússia e Ucrânia.


Em 28 de novembro de 1997, em discurso proferido por Fidel durante o encerramento do VI Seminário Internacional de Atenção Básica, afirmou: “Cuba sozinha cuidou de mais crianças de Chernobyl do que todos os outros países do mundo. Os meios de comunicação de massa do Norte não falam sobre isso. Quase quinze mil crianças! Também ganhamos alguma experiência nisso”.


A mais avançada ciência médica cubana foi colocada em auxílio dos enfermos: médicos, psicólogos, enfermeiras, auxiliares, professores, instrutores desportivos e outro pessoal, que se entregaram inteiramente ao cuidado dessas crianças.


Centenas de vidas foram salvas, milhares de pessoas encontraram alívio para suas dores em solo cubano, apesar de si mesmas. “O renascimento de um filho é algo extraordinário, isso aconteceu graças a Cuba”, disse uma mãe ucraniana, Svieta Saulasky, ao Granma Internacional 20 anos após o acidente. “Nenhum país nos ajudou como Cuba”, afirmou na mesma data a médica ucraniana Elena Topka, do acampamento Tarará.


OS SERVIÇOS MÉDICOS DO PROGRAMA ABRANGENTE FORAM ESTRUTURADOS EM TRÊS NÍVEIS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA:


- O nível primário, assistência médica integral oferecida nas próprias casas dos pacientes por médicos de família e enfermeiras, organizou tratamentos em diferentes áreas clínicas, onde também participaram psicólogos, tradutores e outros médicos especialistas.


- O nível secundário de atendimento nas dependências do Hospital Pediátrico de Tarará, com suas áreas de internação e tratamento.


- O nível terciário com os serviços recebidos em diferentes hospitais pediátricos da capital, institutos e centros especializados e de tecnologia de ponta, como: o Instituto de Hematologia e Imunologia, o Cardiocentro do Hospital Pediátrico William Soler, o Centro Internacional de Restauração Neurológica (CIREN) e o Centro de Histoterapia Placental, entre outros.


O caráter intersetorial com a participação de diferentes organizações e instituições do Estado cubano permitiu o bom desenvolvimento desta atividade.


UMA OBRA DE AMOR


Cuba foi o único país que organizou um programa de saúde integral, massivo e gratuito para o atendimento das crianças afetadas pelo acidente de Chernobyl, desenvolvido por mais de duas décadas, que entre 1990 e 2016 atendeu 26.114 afetados, dos quais cerca de 23 mil crianças para se curar das terríveis consequências deixadas por aquele desastre nuclear.


O programa possibilitou diagnosticar pacientes com presença de doenças do sistema endócrino, entre as quais predominava a hiperplasia tireoidiana. Seguem por ordem de frequência as doenças do aparelho digestivo, as linfadenopatias banais, as doenças do aparelho otorrinolaringológico e, em menor escala, as doenças da pele, entre as quais se destacam o vitiligo, a alopecia e a psoríase.


Entre as doenças oftalmológicas prevalecem os distúrbios refrativos e os pacientes com alterações cardiovasculares, principalmente com sopros funcionais e, em menor proporção, com as cardiopatias funcionais.


Esse titânico esforço da medicina cubana, que alguns poderosos deste planeta tentam sempre não reconhecer ou silenciar, permitiu a cura e reabilitação de milhares de crianças, muitas das quais haviam visto terminadas suas esperanças ou se lhe haviam negado possibilidades de tratamentos em outras partes do mundo. A maioria dos menores com doenças onco-hematológicas tratadas em

Cuba ainda gozam de perfeita saúde.


O programa cubano de atenção médica integral à infância em decorrência do acidente de Chernobyl é um exemplo do que um país, ainda pequeno e subdesenvolvido, pode fazer quando, independentemente de seus recursos econômicos, dispõe de um capital humano capaz de enfrentar as mais difíceis e complexas situações na área da saúde na Ilha e em outras nações.


Por isso, durante uma intervenção especial em 16 de abril de 2001, por ocasião do 40º aniversário da proclamação do caráter socialista da Revolução, Fidel disse: “Sem o socialismo, 19 mil crianças e adultos dos três não teriam atendidos em Cuba Repúblicas afetadas pelo acidente nuclear de Chernobyl, ocorrido em 1986, a maioria delas tratadas no meio do período especial (…)”.


Recorde-se que Cuba, acossada política e economicamente por uma superpotência como os Estados Unidos, conseguiu enviar 407.419 de seus colaboradores da saúde nestes anos de Revolução para curar o corpo e a alma de milhões de humildes em 164 países aos quais prestou assistência médica.


Além disso, a experiência cubana na assistência médica às crianças de Chernobyl tornou possível aconselhar e prestar assistência médica a outras pessoas necessitadas. Dentre eles, 53 pacientes brasileiros afetados pela manipulação de uma fonte radioativa de Césio 137 na cidade de Goiânia.


Em 2019 foi anunciado o retorno do referido programa de solidariedade: 50 meninas e meninos da Ucrânia viajarão a Cuba este ano. O primeiro grupo recebeu atendimento especializado para dermatoses e câncer, enquanto no final do ano recebeu um segundo grupo, que apresenta enfermidades como paralisia cerebral, entre outras.


A Revolução Cubana com sua ajuda médica desinteressada às crianças de Chernobyl é a expressão de uma colossal vontade política de salvar uma vida, onde quer que ela esteja, e de princípios baseados na solidariedade e no desenvolvimento de uma consciência humanística no homem. muito bem com aquele provérbio latino de Publius Terencio Africano, que já no distante ano 165 aC expressava: “Homo sum, humani nihil a me alienum puto” (“Eu sou um homem, nada do humano é estranho para mim”).


NO CONTEXTO:


Chernobyl: Uma cidade no norte da Ucrânia, 130 quilômetros ao norte da capital Kiev e a 20 quilômetros da Usina Nuclear, cujo reator causou a pior catástrofe nuclear conhecida em 26 de abril de 1986.


Um experimento, cuja supervisão foi incorreta, causou uma reação incontrolável, que causou uma expulsão de vapor. A casca protetora do reator foi destruída e aproximadamente 100 milhões de curiosidades de nuclídeos radioativos foram liberados na atmosfera. Parte da radiação se espalhou pelo norte da Europa e até a Grã-Bretanha. Dados fornecidos pelas autoridades na época indicavam que 31 pessoas morreram em consequência do acidente.


Mais de 100 mil cidadãos ucranianos foram evacuados das áreas ao redor do local do reator; e Chernobyl e outras regiões próximas permaneceram desabitadas por um ano após o acidente.


A catástrofe contaminou uma área de cerca de 140 mil quilômetros quadrados onde viviam cerca de sete milhões de cidadãos soviéticos, causando uma onda de doenças relacionadas à radiação no território, que incluiu partes de três repúblicas da então URSS: Ucrânia, Rússia e Bielo-Rússia.


Do Granma