top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Palestina: Colonizar no século XXI"



Israel continua com a ocupação ilegal do território palestino por meio da construção de casas em assentamentos habitados principalmente por fanáticos sionistas.


O direito internacional e a legislação que o apoia, e que os países que integram a Organização das Nações Unidas (ONU) devem respeitar e cumprir, para os sucessivos governos israelenses não passa de lixo. Um lixo descartável, que pode ser pisoteado e esfregado no chão, e depois jogado no grande contêiner mundial de direitos violados pelo próprio Estado israelense. Esse contêiner, é claro, parece não ter fundo.


Desde que assumiu o cargo, a administração de coalizão israelense (que inclui um partido árabe) – e que foi promovida pela imprensa mundial e um bom número de governos como o oposto de Benjamin Netanyahu – não parou de seguir os passos deixados por seu antecessor. O governo “aplaudido” do primeiro-ministro Naftalí Bennett é apenas um governo que se mostra com um rosto mais humano diante das décadas decadentes e corrompidas de Netanyahu no poder. Mas a essência das políticas que o Estado de Israel impõe aos homens e mulheres palestinos é idêntica.

Uma prova disso foi conhecida neste fim de semana. No domingo, as autoridades israelenses anunciaram a licitação para construir 1.335 novas casas para colonos judeus em assentamentos na Cisjordânia ocupada. A esse plano se somam as mais de 2 mil casas e apartamentos anunciados em agosto por Bennet, projeto que nesta semana receberia autorização final do Ministério da Defesa israelense.


As novas casas serão construídas em sete assentamentos, incluindo Ariel (norte da Cisjordânia), Beit-El (perto de Ramallah) e Elkana (noroeste da Cisjordânia). A mídia internacional indicou que essas áreas se tornaram “cidades tão populosas que seria virtualmente impossível despejá-las um dia para abrir espaço para um Estado palestino”. Para a ONU, tais assentamentos israelenses não têm “validade legal” e os qualificam como uma “violação flagrante” do direito internacional. Algo que, como se sabe, pouco importa aos governantes de Tel Aviv. Por esta razão, sucessivos governos israelenses nunca pararam de construir assentamentos ilegais em território palestino desde 1967.


Diante dessa situação, Washington expressou sua preocupação com os planos de construção israelenses. Embora essa declaração – como centenas de outras muito semelhantes – só seja impressa em papéis de muito boa qualidade com papel timbrado da Casa Branca. Apesar de, no governo de Donald Trump, o governo dos Estados Unidos ter mostrado seu lado mais servil a Israel, os governos democratas sempre procuram mostrar preocupação com a situação dos palestinos. Mas tal posição é apenas um aceno aos iludidos do mundo. Os Estados Unidos há muito enviam religiosamente mais de US $ 3 bilhões a Israel para “ajuda militar”.


Estima-se que 700 mil pessoas vivam atualmente em assentamentos israelenses ilegais. Para o ministro israelense da Habitação, Zeev Elkin, isso não é uma preocupação. “Depois de um longo período de estagnação na construção, dou as boas-vindas a este concurso. Vou continuar a manter assentamentos judeus na Judéia e Samaria (nome israelense para os territórios palestinos da Cisjordânia)”, declarou o funcionário após o anúncio da nova construção. Segundo Elkin, esse plano “é algo necessário e muito importante na visão da empresa sionista”.


Por sua vez, o deputado israelense Mossi Raz, do partido Meretz – que faz parte da coalizão de governo –, afirmou que “construir assentamentos fora de Israel prejudica Israel” e afirmou que, com este tipo de medidas, Bennett mostra que está “Dez graus à direita do governo anterior”.


A impunidade do governo israelense e dos colonos judeus foi demonstrada na semana passada, quando se soube que na cidade de Hebron, na Cisjordânia, 31 novas casas serão construídas graças a uma concessão assinada em outubro do ano passado pelo governo de Netanyahu. A organização Peace Now denunciou que “o preço moral e político de se chegar a um acordo em Hebron é insuportável”. “O (atual) governo está agindo como um governo de anexação, não como um governo de mudança”, comentaram eles da ONG israelense. Lembraram que “desde os anos 1980, nenhum Executivo ousou construir um novo assentamento no coração da maior cidade palestina na Cisjordânia, com exceção de um edifício construído sob os auspícios da Segunda Intifada em 2001”.


Em artigo publicado em El Periódico, da Espanha, foi lembrado que “mais de milcolonos judeus vivem sob alta proteção militar israelense no centro da cidade ao sul dos territórios palestinos ocupados. Eles vivem entre 200 mil palestinos nativos da cidade. Hebron é o lar da Mesquita Ibrahim ou da Tumba dos Patriarcas, um lugar sagrado para o Judaísmo e o Islã. Isso a torna uma fonte de tensão, já que é habitada pelos colonos mais radicais que dividiram a cidade e frequentemente entram em confronto com a população local. Hebron mostra o retrato mais cruel da ocupação israelense”.


A permanente colonização israelense dos territórios palestinos não conta apenas com a cumplicidade da própria ONU e de governos das mais diversas posições. Em setembro deste ano, sabia-se que 672 instituições de crédito europeias financiavam empresas com negócios em assentamentos israelenses há quase quatro anos. A revelação aparece em uma investigação divulgada por uma coalizão de 23 organizações árabes e europeias. O relatório não detalha se o investimento dessas entidades se destina a projetos de infraestrutura nos territórios ocupados ou se apenas financiam empresas que operam nesses territórios.


De acordo com o estudo, as 672 instituições financeiras europeias ofereceram empréstimos ou linhas de financiamento garantidas em um total de cerca de 100 milhões de euros entre janeiro de 2018 e maio de 2021. Outros 120 milhões de euros foram investidos em ações e obrigações de algumas destas empresas, como Airbnb, Alstom, Cemex, Motorola, Siemens, Solvay, Tripadvisor ou Volvo.


Em 2021, o Conselho de Direitos Humanos da ONU publicou uma lista de 112 empresas que fazem negócios nos assentamentos. Entre os principais que se destacam estão o Airbnb, o TripAdvisor, o conglomerado industrial francês de equipamentos ferroviários Alstom ou a agência de viagens virtual eDreams.


Embora as evidências sobre as violações do direito internacional cometidas por Israel se acumulem nos escritórios da ONU, por enquanto, nenhum líder ou diretor do organismo internacional está disposto a enfrentar Tel Aviv. Muito menos eles estão dispostos a fazer cumprir o direito legítimo dos homens e mulheres palestinos de habitar sua terra.


Do Resumen Latinoamericano

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg