top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Somália: a morte da espiã"



A atual crise política, além da crise econômica, alimentar e de segurança pela qual a Somália está passando, expõe outro fracasso dos Estados Unidos em tentar “vender” sua conhecida e enfadonha canção de “Democracia e Liberdade”, como se era uma licença do McDonald’s.


Como aconteceu no Afeganistão, na Líbia ou no Iraque, acontece no Chifre da África, pois além das diferenças que essas quatro nações poderiam ter entre si, os Estados Unidos tropeçaram na mesma pedra em cada uma delas se acreditamos em sua boa vontade de querer implementar sistemas democráticos em povos com estruturas tribais e de clãs, articulados há milênios e muito antes do aparecimento dos “Pais Fundadores”.


A Somália vive desde abril passado, após a decisão do presidente Mohamed “Farmaajo” Abdullahi de ignorar o processo eleitoral, adiar uma nova convocação às urnas e estender seu mandato – que havia terminado legalmente em fevereiro – em um estado latente de colapso institucional com Farmaajo abertamente em confronto com o seu primeiro-ministro, Mohamed Hussein Roble, a quem, face à pressão de Washington, teve de ceder o controle do próximo processo eleitoral e de questões de segurança, uma vez que as eleições parlamentares indiretas teriam de ser realizadas no dia 10 deste mês.


A decisão presidencial de abril e o novo papel de Roble não só criaram uma rachadura intransponível no Governo, mas também o confronto entre as diferentes facções do exército que teve seu surgimento em 25 de abril, no coração de Mogadíscio, com o saldo de 15 mortos e 22 feridos e voltam a acontecer mais ou menos periodicamente. Enquanto o rigoroso grupo al-Shabab ainda está lá, espancando e matando quase que diariamente.


Agora o frágil governo rachou novamente após o novo confronto entre Farmaajo e Roble pelo controle da Agência Nacional de Inteligência e Segurança (NISA), aprofundado pelo caso de Ikran Tahlil, um jovem agente do NISA que desapareceu no final de junho pelo qual Roble suspendeu do cargo o chefe da agência de inteligência Fahad Yasin Haji Dahir, aliado do presidente, com a desculpa de ter desafiado a ordem de relatar, em 48 horas, o ocorrido ao agente.


Dahir era considerado um dos homens mais poderosos do país, acima mesmo do presidente, graças aos enormes recursos financeiros que recebe dos Estados Unidos, do Catar e aparentemente também da Turquia. Seus inimigos o acusam de ter nascido no Quênia e, na verdade, ser um membro inorgânico da Al-Qaeda, que estudou em diferentes madrassas Wahhabi, incluindo a da Sixth Street, no bairro Eastleigh de Nairóbi, onde os milicianos da Al Shabab costumam se refugiar após suas operações na capital queniana. Sabe-se também que sua família política está intimamente ligada ao Ittihad al-Islamiya (União Islâmica), grupo terrorista tributário da Al Qaeda. Todas essas informações são grosseiras demais para a CIA não perceber, tornando o personagem ainda mais misterioso.


Enquanto isso, do setor político de Farmaajo, afirma-se que o espião desaparecido foi sequestrado e posteriormente assassinado por al-Shabbab, o que a organização terrorista negou. O grupo signatário da Al-Qaeda geralmente não nega as acusações que recebe quando é realmente responsável pelo crime, seja qual for.


De diferentes setores da política somali, surgem versões de que a jovem de 24 anos foi assassinada por ordem dos seus superiores, uma teoria apoiada pelo primeiro-ministro, enquanto o presidente se esforça para proteger a ex-liderança do NISA e que eles próprios são aqueles que completam as investigações do caso Tahlil, embora permanecendo no controle da agência. Ikran Tahlil havia sido visto pela última vez horas antes de seu desaparecimento, deixando sua casa em um veículo oficial, às 20h do dia 26 de junho.


Após a demissão do chefe espião por Roble, o presidente reduziu alguns dos poderes do primeiro-ministro, acusando-o de “tomar medidas imprudentes que poderiam levar a uma crise política e de segurança” e exigindo sua reintegração no cargo. Enquanto isso, Roble, desafiando o poder presidencial, declarou publicamente que não iria obedecer à ordem, que qualificou de inconstitucional.


Farmaajo, que afirma que o primeiro-ministro não tinha autoridade para demitir Yasin, o readmitiu no cargo. Enquanto uma comissão foi criada para investigar o destino de Tahlil, a mãe da jovem, Qali Mohamud, declarou que não confia em nenhuma comissão e exigiu que o caso fosse investigado pelos militares.


Depois da valsa entre o presidente e seu primeiro-ministro, o NISA foi dividido em dois. Enquanto os homens de Farmaajo ocupam o prédio da agência, os homens do primeiro-ministro continuam trabalhando do lado de fora, embora controlem suas finanças.


Al-Shabab ainda está lá


As profundas divisões a nível político e militar no governo não impedem a colaboração direta com a al-Shabab, que, apesar dos altos e baixos políticos, segue a operar.


Soube-se disso em 26 de setembro, em um ataque explosivo no condado de Lamu (Quênia), próximo à porosa fronteira com a Somália em um setor da rota que conecta Kayunga com Xangai, um caminhão das Forças de Defesa do Quênia (KDF), que foi realizando tarefas de desminagem naquele setor da rota, pisou em um explosivo, matando quinze pessoas. Após o ataque, o Al Shabaab assumiu a responsabilidade, dizendo que continuaria “sua marcha”. Este não é o primeiro ataque de fundamentalistas somalis ao território queniano, onde é particularmente ativo naquela província do Nordeste. Após o ataque e a confirmação dos fundamentalistas como responsáveis, nenhuma fonte do exército ou do governo queniano negou ou confirmou a notícia.


Quase simultaneamente com o ataque ao caminhão militar no Quênia, um carro-bomba explodiu em um posto de controle a um quilômetro de Villa Somalia, o palácio presidencial em Mogadíscio, matando oito pessoas, a maioria delas vítimas civis, enquanto outras sete ficaram feridas. Uma testemunha relatou que o veículo dirigido por um shahid (mártir) detonou quando o motorista foi parado pela polícia para uma verificação. Em uma declaração concisa, o Al-Shabab relatou que: “Os mujahidin realizaram uma operação de martírio contra o principal posto de controle de segurança do palácio presidencial. A explosão foi de tal magnitude que sete carros e três riquixás foram destruídos”.


O posto de controle atacado é altamente significativo, pois é aquele usado pelo presidente e pelo primeiro-ministro para ir e vir do aeroporto. Entre os mortos está Hibaq Abukar, conselheiro do primeiro-ministro Mohamed Roble para mulheres e direitos humanos.


Na terça-feira, 14 do mês passado, no distrito de Wadajir, próximo ao aeroporto de Mogadíscio e à sede da Missão da União Africana na Somália (AMISOM), um terrorista se explodiu, matando 11 pessoas após entrar em um local improvisado de venda de chá, que permitiu a onda de choque para passar pelas folhas com as quais foi construída. Entre os mortos estavam civis e militares. O Al-Shabab rapidamente confirmou sua responsabilidade no fato. Com esse método, durante 2018, 100 policiais quenianos morreram em diferentes ataques ao longo da fronteira.


Duas semanas após este ataque 15 mujahidin de El-Shabab morreram em uma estrada de Lamu quando o caminhão que viajavam passou por um dispositivo explosivo improvisado (IED) que outros membros da organização haviam plantado horas antes. De acordo com o porta-voz das Forças de Defesa do Quênia (KDF), o “acidente” ocorreu perto de Ishakani, uma cidade em Lamu.


Enquanto o governo continua suas lutas internas e os terroristas continuam causando mortes, a organização sufi Ahlu Sunna Wal Jamaa assumiu o controle das cidades de Hurshe, Mataban, Guriceel, Bohol e Ceel Dheere no centro do país na tentativa de estabelecer bolsões de segurança e controle para prevenir ataques de terroristas e abuso de tropas do exército.


Os sufis se opõem ao wahhabismo e, na verdade, são considerados o ramo mais místico do islamismo sunita, sendo muito numerosos na Somália e se tornando um dos alvos prioritários do al-Shabbab por considerá-los hereges.


Ahlu Sunna Wal Jamaa é uma força paramilitar formada em 1991 que por longos períodos lutou contra o terrorismo ao lado das forças do governo central, embora nunca tenha sido efetivamente integrada ao exército. Desde o início de setembro, ele voltou a ocupar posições depois de ser atacado novamente pelo exército e pelos fundamentalistas, razão pela qual o complexo quadro somali continua a piorar.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg