top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A guerra política na concepção político-militar dos Estados Unidos"



Ao estudar as formas que o poder hegemônico utiliza para minar e atacar territórios e países, desestabilizá-los, colocar em risco sua estabilidade e governança, por meio da qual satisfazem essencialmente determinados objetivos políticos e econômicos, surgem diversas denominações. Entre eles: revolução colorida, golpe suave, métodos de ação não violentos, guerra de quarta geração, cibernética, informação e desinformação, guerra psicológica, não convencional, guerra híbrida e outros.


As Forças Armadas dos Estados Unidos, em 2015, publicaram um documento com o título: “Apoio à Guerra Política”. No também classificado como White Paper, abordam, em um sistema, conceitos que em outros manuais eles exibem separadamente, mas que na prática se cruzam e se misturam. Nisso, não só reconhecem que favorecem o aspecto híbrido na execução de suas guerras, mas também exigem coordenação e hierarquização entre os diferentes componentes que o compõem, bem como os sujeitos que dela participam. As guerras de hoje também requerem estratégias únicas e estas devem ser capazes de se organizar e atingir um conjunto muito maior de atores, dispersos e pertencentes a vários estratos de seu sistema político.


“Guerra Política é um conceito que não se limita à luta de ideias, nem à discussão ideológica. Não inclui somente a manipulação de consciências, a divulgação de notícias falsas e boatos. Se é classificado como guerra, é porque nela prevalece a violência na sua diversidade de formas de manifestação. Incluem-se todos aqueles ou perfis deles que contribuem para alcançar objetivos políticos, aqueles que giram em torno da manutenção, ruptura ou destruição do poder existente, para compor ou impor outro em seu lugar”.


Nestes combates as armas são diversas, não só informação, redes, meios de comunicação tradicionais, televisão, rádio, propaganda, mas também se incluem fontes econômicas, jurídicas, diplomáticas e culturais, ou seja, não se limitam apenas a ações destinadas a subverter a espiritualidade reinante, mas outras são acrescentadas que enfraquecem, atrapalham e atacam as bases materiais nas quais se sustenta o poder político.


“A Guerra Política é uma forma de manifestação da violência política, que visa subverter, substituir, minar, destruir e implantar ideias, sentimentos e vontades. Abrange todo o conteúdo da guerra cultural, que por sua vez engloba toda a guerra psicológica e ideológica, com ações voltadas para o externo e interno, utiliza todo o sistema de diplomacia, e atividades de informação e influência, bem como ações contra a economia, cultura, setores de segurança e força militar, níveis de governança, estabilidade e autoridade governamental”.


Sob o nome de “Elementos Conceituais da Guerra Política do Século XXI”, apresentam o seguinte sistema de esferas ou direções que englobam a Guerra Política:


1) Diplomacia: Persuasiva e Coercitiva

2) Ajuda Econômica ou Coação

3) Assistência ao Setor de Segurança

a) Reforma do Setor de Segurança

b) Construir a capacidade da nação aliada

c) Defesa Interna Externa

4) Guerra Não Convencional

a) Guerra Tradicional Não Convencional

b) Contra Guerra Não Convencional

c) GNC de maneira proativa

5) Atividades de Informação e Influência

a) Relações públicas

b) Diplomacia pública

c) Emprego de Força Cognitiva Conjunta e Operações de Apoio de Informação Militar

6) O Domínio Humano


A simples leitura dos chamados “Elementos Conceituais da Guerra Política do Século XXI” nos remete às agressões sistemáticas contra a Revolução Cubana. As experiências acumuladas nesta frente e enriquecidas em outros territórios e países foram utilizadas para formar este sistema a fim de alcançar um nível mais alto de eficácia. No referido documento também destacam que: “EUA e a OTAN procuraram conter e interromper o aventureirismo soviético sem empregar uma ação militar sustentada em larga escala”. O que eles usaram? O sistema de guerra política.


O objetivo que se propõem alcançar com este sistema é subscrito da seguinte forma:


“O ‘objetivo principal da Guerra Política é ajudar a destruir as bases’ da capacidade do Estado adversário que obstrui os interesses dos Estados Unidos e aliados, com o objetivo de ‘quebrar a disposição de sustentar ações contrárias aos desejos estadunidenses. O objetivo final da Guerra Política é vencer a ‘Guerra de Ideias, que não está associada a hostilidades’. A guerra política requer a ‘cooperação das forças armadas, diplomacia agressiva, guerra econômica e agências subversivas no terreno, na promoção de tais políticas, medidas ou ações necessárias para perturbar ou fabricar o moral’. Por fim, a Guerra Política ‘deve ser orientada para a estratégia’”.


A concepção de Guerra Política do comando político-militar dos Estados Unidos é todo um sistema que visa minar as capacidades do governo e do Estado objeto da agressão; quebrar, destruir seu poder e estabilidade, utilizando as várias direções do sistema de Guerra Política: as diplomáticas; econômicas; aquelas que permitem influenciar os órgãos de segurança, a ordem interna e as Forças Armadas; as de informação e influência, que por sua vez incluem Relações Públicas, Diplomacia Pública, Operações de Informação e Assuntos Civis; Guerra não convencional. Todas essas direções voltadas para a conquista ou preponderância no Domínio Humano.


Para isso, contam com a participação de atores estatais e não estatais, formando toda uma rede global, regional e local. E priorizam tudo o que afeta a espiritualidade humana, moralidade, ideologia, psicologia e a identidade cultural da comunidade humana, mas com o propósito de mudanças substantivas nas bases materiais da cultura política, para subverter comportamentos e condutas políticas em seus interesses.


A ameaça do uso da força e seu uso, via de regra, são previstos de forma limitada e seletiva, com incrementos discretos e controlados. Se essa medida for quebrada, será na presença da luta armada, da Guerra Convencional. A sua concretização é pensada a longo prazo e com bastante paciência.


“Isso pressupõe não descuidar, por um minuto, da defesa da Revolução em todas as suas frentes. Não só na defesa armada, mas também nas áreas: econômico-social, político-moral, diplomática, ideológica, psicológica, cultural, científico-tecnológica, ambiental, desastres naturais, segurança, ordem interna e outros. No que diz respeito à segurança informática e da informação, não se limita apenas aos seus componentes técnicos, mas também atende aos aspectos administrativos, organizacionais e de conteúdo”.


Diante de quem tenta exacerbar o ódio, o desespero e a fragmentação da sociedade, mostrem os genuínos sentimentos de amor e solidariedade que abundam na alma cubana. Nos tempos difíceis, lutem para que brilhem as esperanças, os sonhos se tornem realidade e para que o sorriso cubano continue a nos mostrar o orgulho que sentem por sua nação e por sua Revolução. Todos os dias se dedicam ao fortalecimento da unidade, garantia da independência e soberania nacionais e indispensáveis ​​à construção de uma sociedade superior, próspera, justa e bela.


por Coronel Antonio Ramón Barreiro Vázquez


no VerdeOlivo

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg