"Sobre as questões do período de transição para o socialismo e a ditadura do proletariado"



No decorrer do estudo dos documentos da Conferência do Partido, alguns estudiosos e funcionários encarregados do trabalho ideológico formaram recentemente diversas opiniões sobre as questões do período de transição e da ditadura do proletariado. Particularmente após a publicação de um ensaio sobre estas questões, a opinião ficou ainda mais dividida. Então eu estudei os dados sobre o assunto, troquei opiniões com os acadêmicos e fiz uma breve conclusão. Mas aqueles camaradas que ouviram isso interpretaram e transmitiram para outros à sua maneira, o que deu origem a distorções de muitos pontos. Uma vez que o assunto é uma questão muito importante relativa aos documentos da Conferência do Partido, ele não pode, de maneira alguma, ser negligenciado. Então, vou entrar em detalhes sobre isso hoje.


Como todos os outros problemas científicos e teóricos, as questões do período de transição e da ditadura do proletariado também devem ser resolvidas do ponto de vista do Juche do nosso Partido. Vocês não devem se apegar às proposições dos clássicos e tentar resolver as questões dogmaticamente, nem ser fascinados pelas idéias dos lacaios e tentar interpretá-las como os outros o fazem. A julgar pelas opiniões escritas de vários estudiosos ou dos ensaios de alguns camaradas, no entanto, quase todos os camaradas ou interpretam as proposições dos clássicos dogmaticamente, ou se enredam em tendências de bajulação a grandes potências e tentam interpretá-los como pessoas de outros países pensam.


Consequentemente, eles avançam as questões em uma direção que é completamente diferente do que o nosso Partido está pensando. Vocês nunca podem estudar e resolver as perguntas corretamente dessa maneira. Vocês só podem chegar a uma conclusão correta quando usam seus próprios cérebros para resolver os problemas, livre de bajulação e dogmatismo.


Vamos ver o problema do período de transição primeiro.


Para elucidar a questão do período de transição corretamente, é necessário primeiro considerar quais circunstâncias históricas e em quais premissas os clássicos, particularmente de Marx, avançaram essa questão.


Em primeiro lugar, em nossa opinião, Marx obviamente tinha em mente os países capitalistas desenvolvidos quando definiu o socialismo e formulou a questão do período de transição do capitalismo para o comunismo ou do capitalismo para o socialismo. Acho que devemos estar plenamente cientes deste fato antes de qualquer outra coisa, se quisermos encontrar uma solução correta para a questão do período de transição.


Quais são, então, os países capitalistas desenvolvidos a que nos referimos? Eles envolvem países capitalistas em que não apenas as cidades mas também o campo tornaram-se completamente capitalistas, e as relações capitalistas existem em toda a sociedade. O resultado é que não existe mais camponês no campo, mas sim o lado do operário agrícola, do lado do operário industrial. Os países capitalistas desenvolvidos que Marx tinha em mente quando apresentou sua teoria eram tais países capitalistas. Um país como a Inglaterra, que ele havia visto e onde ele havia vivido e trabalhado, era precisamente um desses países. Ao formular a questão do período de transição do capitalismo para o socialismo, portanto, Marx assumiu antes de tudo uma condição na qual não existia distinção de classe entre a classe trabalhadora e o campesinato, e ele procedia dela.


Agora, para citar a instância dos países capitalistas mais desenvolvidos dos tempos modernos, suas forças produtivas desenvolveram-se de tal forma que transformam até mesmo o campo em totalmente capitalista. Como resultado, a classe trabalhadora é a única classe trabalhadora tanto nas cidades quanto no campo. Num certo país capitalista existem dezenas de milhares de fazendas, todas altamente mecanizadas. Não só isso, mas a eletrificação, a química e a irrigação do campo também estão em um nível muito alto. Assim, considerando que, um trabalhador agrícola cuida de trinta jongbo (ou hectares) de terra naquele país. O que isto significa? Significa não apenas que não existe distinção de classe entre a classe trabalhadora e o campesinato, mas também que as forças produtivas agrícolas estão quase no mesmo nível que as industriais. A única diferença, se houver, está nas diferentes condições de trabalho na fábrica e na fazenda.


É por isso que Marx achava que o estágio de transição para o socialismo após a tomada do poder pelo proletariado naqueles países desenvolvidos cobriria um período comparativamente curto. Em outras palavras, ele acreditava que, porque havia apenas duas classes na sociedade, a classe dos capitalistas e a classe trabalhadora, as tarefas do período de transição poderiam ser executadas em um período de tempo bastante curto.


Seria então possível passar rapidamente para a fase superior do comunismo. Apenas a classe capitalista deveria ser esmagada e expropriada e sua propriedade entregue à propriedade de todo o povo no curso da revolução socialista. No entanto, Marx nunca disse que seria possível ir ao comunismo imediatamente do capitalismo sem passar pelo estágio do socialismo. Não importa o quanto as forças produtivas possam ter se desenvolvido, e como a distinção de classes entre os trabalhadores e o campesinato possa ter desaparecido, é essencial resolver as tarefas do período de transição antes de avançar mais. Ou seja, estas são as tarefas de liquidar as forças remanescentes da classe exploradora e eliminar os remanescentes das antigas ideologias nas mentes das pessoas. Em primeiro lugar, devemos ter em conta este ponto.


O segundo ponto é a visão marxista da revolução ininterrupta, que devemos levar em consideração ao estudar a teoria de Marx no período de transição e elucidar essa questão corretamente.


Como todos sabem, Marx viveu na era do capitalismo pré monopolista, de modo que ele não podia ver claramente o desenvolvimento político e econômico desigual do capitalismo. Portanto, ele acreditava que a revolução proletária iria eclodir quase simultaneamente e sucessivamente nos principais países capitalistas da Europa, e que a revolução mundial triunfaria em breve. Marx partiu de tais premissas quando pensou que o período de transição do capitalismo para o socialismo seria uma época histórica comparativamente curta. Previa ainda que a ditadura do proletariado corresponderia ao período de transição em termos de tempo, ou seja, que o período de transição e a ditadura do proletariado seriam inseparáveis. Devemos também levar em conta este ponto.


Podemos dizer que Lenin também seguiu em grande parte o ponto de vista marxista quando levantou as questões do período de transição e da ditadura do proletariado. Ao contrário da Inglaterra ou da Alemanha, onde Marx viveu e trabalhou, a Rússia, onde Lenin viveu e trabalhou, não era um país capitalista avançado, mas um país atrasado, embora capitalista mesmo assim. Consequentemente, Lenin considerou que o estágio do socialismo, o estágio de transição, não era tão curto quanto Marx pensara, mas relativamente longo.


Mas Lenin também, seguindo a visão marxista, disse que uma sociedade em que a classe trabalhadora tomara o poder depois de derrubar o sistema capitalista, mas onde a distinção de classe ainda permanecia entre os trabalhadores e os camponeses, era uma sociedade de transição. Isto, como disse, claro que não é comunista e nem totalmente socialista. Disse ainda que, para levar o socialismo ao máximo, não bastaria apenas esmagar os capitalistas como classe. A distinção entre os trabalhadores e os camponeses teria que ser eliminada. Como vocês podem ver, Lenin considerou, em última análise, o período da derrubada da classe capitalista pela classe trabalhadora até a materialização de uma sociedade sem classes - onde não haveria distinção entre a classe trabalhadora e o campesinato - a ser o período de transição do capitalismo para o socialismo, ou o período de transição para o comunismo. Eu acho que essa definição do período de transição é fundamentalmente correta.


Mas o problema é que nossos camaradas interpretam as proposições de Marx e Lenin dogmaticamente, sem levar em consideração os tempos e as circunstâncias históricas em que foram formulados. E, acima de tudo, eles acham que o período de transição e a ditadura do proletariado coincidem entre si e que os dois são inseparáveis um do outro.


É verdade que o período de transição do capitalismo para o socialismo ou para o comunismo terminará apenas quando uma sociedade sem classes, sem distinção entre classe trabalhadora e campesinato, for realizada após a derrubada da classe capitalista. Pode-se também presumir que, se a revolução socialista ocorrer consecutivamente em todos os países e a revolução emergir vitoriosa em escala mundial, o período de transição e a ditadura do proletariado coincidem entre si. E, com o término do período de transição, a ditadura do proletariado também deixaria de existir e viria a queda do Estado.


E ainda, se o socialismo for construído e uma sociedade sem classes se materializar em um país ou em algumas regiões, o período de transição deve ser considerado como terminado lá, mesmo que a revolução não tenha conquistado a vitória em escala mundial. Enquanto o capitalismo permanecer no mundo, a ditadura do proletariado não deve desaparecer, e nem podemos falar sobre o desaparecimento do estado. Portanto, a fim de encontrar uma solução correta para as questões do período de transição e da ditadura do proletariado, não devemos nos apegar dogmaticamente às proposições de Marx ou Lenin. Antes, devemos proceder das experiências práticas na construção socialista em nosso país para interpretar as questões.


Atualmente, certas pessoas mantêm a concepção do período de transição do capitalismo para o socialismo, mas não sustentam, em nenhum sentido, a concepção do período de transição do capitalismo para o comunismo - ou seja, o período de transição para a fase superior, a fase do comunismo. Eles usam, no entanto, a expressão: transição gradual do socialismo para o comunismo.


É o desvio oportunista de direita que considera o período de transição como o período entre a tomada do poder pela classe trabalhadora e a vitória do sistema socialista. Esta visão supõe que a missão histórica da ditadura do proletariado terminará com o término do período de transição, conformando o período de transição e o período da ditadura do proletariado entre si. Pessoas com tal ponto de vista dizem que com a realização da completa e final vitória do socialismo (que é a primeira fase do comunismo), e com a transição para a construção total do comunismo, a ditadura do proletariado cumpre sua missão histórica e não é mais necessária. Esta é uma visão oportunista de direita e é inteiramente contraditória ao marxismo-leninismo.


Qual é, então, a visão oportunista da "esquerda"? Aqueles que têm a visão de "esquerda" costumavam considerar a questão do período de transição exatamente da mesma forma que aqueles com a visão oportunista de direita. Mas agora, partindo de seu ponto de vista de que o comunismo pode ser realizado algumas gerações depois, eles afirmam que o período de transição deve ser considerado como o período de transição do capitalismo para a fase superior do comunismo. Ao fazê-lo, eles aparentemente pretendem criticar o oportunismo de direita. É muito bom criticar os desvios corretos; no entanto, não podemos considerar tais visões sobre a questão do período de transição como corretas.


Como mencionado acima, é claro que essas pessoas caíram em desvios ao ver as questões do período de transição e da ditadura do proletariado.


Pensamos que o período de transição pode ser chamado de período de transição do capitalismo para o socialismo ou o período de transição do capitalismo para o comunismo, porque o socialismo é a primeira fase do comunismo. Mas alguns de nossos camaradas, escravizados ao modo lacaio, consideram o período de transição como o período do capitalismo para a forma mais elevada do comunismo (na esteira da visão oportunista da "esquerda"), ou o consideram como o período até vitória do socialismo (na esteira da visão oportunista de direita).


Portanto, o ponto em questão relativo ao período de transição não é terminológico, seja a transição para o socialismo ou para o comunismo. Em vez disso, resolve-se na questão de onde traçar a linha de demarcação do período de transição.


Poucas pessoas, tendo feito uma série de desenhos nessa linha de demarcação, estão agora confusas e dão origem a vários problemas. Ambas as linhas de demarcação, desenhadas por aqueles com a visão Direita e aquelas com a visão "Esquerda", são problemáticas.


Na fase superior do comunismo, não queremos dizer apenas uma sociedade sem classes, onde não há distinção entre os trabalhadores e os camponeses; também queremos dizer uma sociedade altamente avançada, onde não há distinção entre trabalho físico e mental, e cada pessoa trabalha de acordo com sua capacidade e recebe de acordo com suas necessidades. Portanto, é de fato equivalente a não traçar nenhuma linha de demarcação para considerar o período de transição como o período até uma fase tão alta do comunismo. Algumas pessoas não apenas levam o período de transição por um período até a fase superior do comunismo, mas também dizem que é impossível materializar o comunismo em um país. Eles dizem que entraremos no comunismo somente quando a revolução mundial for consumada. De acordo com essa visão, o período de transição não pode terminar antes que a revolução mundial seja concluída. Estas pessoas interpretam o período de transição e a ditadura do proletariado como correspondentes entre si, em relação ao primeiro como o período até a fase superior do comunismo. Pessoas do ponto de vista de direita consideram o período de transição e a ditadura do proletariado como coincidentes entre si, considerando o primeiro como o período até a vitória do socialismo. Em nossa opinião, eles estão indo longe demais com essa visão.


É também uma questão que as pessoas com as visões de direita consideram o período de transição como o período até a vitória da revolução socialista. Essa visão se origina da ideologia de abandonar em casa a luta de classes contra os elementos sobreviventes da classe exploradora subvertidos e de desistir internacionalmente da revolução mundial, vivendo em paz com o imperialismo. Além disso, alegam que a ditadura do proletariado desaparecerá quando o período de transição chegar ao fim. Mas como isso pode ser assim? Isso está categoricamente errado.


Não deve-se, portanto, seguir mecanicamente o que é estabelecido por aqueles que defendem as visões de direita, ou modelar o que é dito pelas pessoas que possuem as visões "esquerdistas".


Devemos estabelecer completamente o Juche em todas as circunstâncias e resolver os problemas com base nas experiências práticas que adquirimos na revolução e na construção do nosso país.


Como mencionado acima, as questões do período de transição e da ditadura do proletariado, como definidas pelos clássicos, estavam perfeitamente corretas sob as circunstâncias históricas de sua época e as premissas de onde partiram.


Nossa realidade atual, no entanto, exige que os desenvolvamos criativamente e não os apliquemos superficialmente. Levamos a cabo a revolução socialista sob as condições em que assumimos forças produtivas muito atrasadas de um país agrário colonial. E estamos construindo o socialismo sob as circunstâncias em que o capitalismo ainda existe como uma força considerável no mundo.


Devemos levar em conta tais realidades específicas para dar soluções corretas às questões do período de transição e da ditadura do proletariado. Tendo isso em mente, considero excessivo considerar o período de transição em nosso país como o período até a fase superior do comunismo. Eu considero certo considerá-lo como o período até o socialismo. Mas é errado acreditar que o período de transição chegará ao fim assim que a revolução socialista for vitoriosa e o sistema socialista for estabelecido. Considerando a questão com base no que os fundadores do Marxismo-Leninismo disseram, ou considerando-a à luz das experiências que obtivemos na nossa luta real, não podemos dizer que uma sociedade socialista completa já esteja construída apenas porque a classe capitalista foi derrubado e a revolução socialista realizada após a tomada do poder pela classe trabalhadora. Nós, portanto, nunca dissemos que o estabelecimento do sistema socialista significa a completa vitória do socialismo.


Então, quando será a sociedade socialista completa? A vitória completa do socialismo virá somente quando a distinção de classe entre os trabalhadores e o campesinato desaparecer e as classes médias (particularmente as massas camponesas) nos apoiarem ativamente. Enquanto os camponeses não forem classificados, o apoio que eles podem nos der não pode ser firme e está fadado a ser bastante instável.


A tomada do poder pela classe trabalhadora é apenas o começo da revolução socialista. Para construir uma sociedade socialista completa, a revolução deve ser constantemente avançada e uma base material firme do socialismo deve ser estabelecida. Já enfatizei isso algumas vezes em meus relatórios e discursos. No entanto, alguns de nossos camaradas, por causa de suas idéias de lacaio, não estudaram adequadamente os documentos do nosso Partido, mas mostraram muito interesse no que outros disseram. Eles estão muito errados.


Devemos nos manter firmes em nossa realidade e ter uma visão correta de todas as questões de nosso país. Como nosso país não passou por uma revolução capitalista, suas forças produtivas são muito atrasadas, e a distinção entre a classe trabalhadora e o campesinato terá que permanecer por muito tempo, mesmo depois da revolução socialista. Na verdade, existem apenas alguns países capitalistas altamente desenvolvidos no mundo hoje. A maioria dos países é atrasada, sendo ex-colônias ou semicolonias como o nosso país e países semelhantes, ou países ainda dependentes de outros. Nesses países, a construção de uma sociedade sem classes e a consolidação do socialismo são possíveis apenas pelo desenvolvimento das forças produtivas por um período comparativamente longo, mesmo após a revolução socialista.


Como não passamos pelo curso normal do desenvolvimento capitalista, temos que fazer a tarefa de desenvolver as forças produtivas em nossa era socialista hoje - uma tarefa que deveríamos ter enfrentado no capitalismo. Não há necessidade de tornar a sociedade capitalista e de se preocupar em promover os capitalistas apenas para esmagá-los e construir o socialismo, sob a alegação de que não poderíamos cumprir a tarefa que deveríamos ter feito no cenário capitalista. A classe trabalhadora no poder não deve reviver a sociedade capitalista - mas, para construir uma sociedade sem classes, deve realizar sob o sistema socialista essa tarefa que permaneceu sem solução no estágio da revolução capitalista.


Devemos continuar a consolidar a base material do socialismo e, pelo menos, impulsionar as forças produtivas ao menos ao nível dos países capitalistas desenvolvidos, e livrar-nos completamente da distinção entre a classe trabalhadora e o campesinato. Para tanto, a revolução tecnológica deve ser levada a cabo a tal ponto que os países capitalistas avançados transformaram seu capitalismo rural, para que a agricultura pudesse ser mecanizada, a química e a irrigação fossem introduzidas, e a jornada de oito horas fosse adotada.


Foi precisamente para este fim que publicamos as "Teses sobre a Questão Rural Socialista". No entanto, nossos camaradas não estudam propriamente as Teses. Devemos sempre pensar em resolver problemas com nossos próprios cérebros, aproveitando nossos documentos do Partido. Qual é a idéia central das "Teses sobre a questão rural socialista em nosso país"? A ideia básica é levar a cabo a revolução técnica no campo e desenvolver as forças produtivas agrícolas a um alto nível. E, ao mesmo tempo, devemos promover a revolução ideológica e cultural. Devemos gradualmente abolir a distinção entre a classe trabalhadora e o campesinato nas esferas da tecnologia, ideologia e cultura, e levar a propriedade cooperativa ao nível de propriedade de todo o povo.


E essas tarefas não podem ser resolvidas a menos que a classe trabalhadora dê orientação e assistência ao campesinato. É a linha do nosso Partido dar assistência material e técnica aos camponeses e levar a cabo a revolução técnica nas áreas rurais, confiando na base sólida da indústria. Para este fim, um grande número de tratores deve ser fornecido para o campo, fertilizantes e produtos químicos agrícolas devem ser fornecidos em quantidades na área da química, e irrigação também deve ser realizada. Junto com isso, a classe trabalhadora deve ajudar o campesinato em sua remodelação ideológica, e também exercer uma influência cultural sobre eles. Só assim o campesinato pode ser completamente trabalhado.


É de fato uma das questões mais importantes na construção do socialismo e do comunismo transformar o campesinato na classe trabalhadora. Nossa idéia é classificar os camponeses e abolir a distinção entre a classe trabalhadora e o campesinato precisamente dessa maneira.


Não devemos nos ater ao modo lacaio em direção a grandes potências, mas devemos nos apegar à posição orientada ao Juche de nosso Partido, ao resolver a questão da classe trabalhadora também do campesinato. Precisamos elevar as forças produtivas a um plano mais elevado, livrar-nos da disparidade entre a cidade e o campo e tornar a vida das pessoas mais produtiva, levando a cabo o espírito das Teses e estabelecendo uma base material firme do socialismo. Só assim podemos conquistar completamente as antigas classes médias. Não podemos dizer que o socialismo foi consolidado ou considerá-lo como tendo conquistado a vitória completa antes que as classes médias parem de vacilar e nos apoiem totalmente. Somente quando eles nos apoiam ativamente podemos dizer que o socialismo foi completamente realizado.


Quando avançamos na construção socialista e conquistamos completamente as classes médias para o nosso lado, quando eliminamos a distinção entre classe trabalhadora e campesinato e construímos uma sociedade sem classes, poderemos dizer que as tarefas do período de transição do capitalismo para o socialismo foram realizadas.


Eu considero certo traçar a linha de demarcação para o período de transição para fazer fronteira com a sociedade sem classes, ao contrário daqueles que são tendenciosos para a direita ou para a "esquerda".


O que, então, deveremos dizer que é a sociedade que existirá após o triunfo da revolução socialista e a realização da transformação socialista, até o desaparecimento da distinção de classe entre os trabalhadores e os camponeses? Não pode ser chamado de outra forma que não uma sociedade socialista, uma vez que é uma sociedade livre de exploração, embora, sem dúvida, pertença ao período de transição.


Desnecessário será dizer que o período de transição não será imediatamente seguido pela fase superior do comunismo, mesmo quando estiver terminado. Mesmo após o encerramento do período de transição, a revolução e a construção devem ser continuadas e as forças produtivas desenvolvidas a um nível tal que cada um trabalhe de acordo com sua capacidade e cada um receba de acordo com suas necessidades, para entrar na fase superior do comunismo.

Na minha opinião, esta abordagem à questão do período de transição está de acordo com as definições estabelecidas por Marx e Lenin, e procede das novas condições históricas, bem como das experiências práticas da revolução e da construção em nosso país. Esta não é a conclusão final, mas uma conclusão preliminar alcançada por nós. É desejável que vocês façam mais estudos nesse sentido.


Sendo esta a definição do período de transição, como devemos ver a questão da ditadura do proletariado? Os clássicos, como mencionado acima, entenderam que o período de transição e a ditadura do proletariado coincidiam entre si. Então, se uma sociedade sem classes é materializada e a completa vitória do socialismo é alcançada em nosso país, ou seja, se as tarefas do período de transição forem cumpridas, a ditadura do proletariado não será mais necessária? Nós nunca podemos dizer isso. Mesmo quando o período de transição termina, a ditadura do proletariado deve continuar até a fase superior do comunismo, para não mencionar a necessidade de tê-lo durante todo o período de transição.


Mesmo quando tivermos realizado a revolução técnica nas áreas rurais, elevamos a propriedade cooperativa à propriedade de todo o povo, igualando o campesinato e eliminando as distinções de classe, solidificando a base técnica e material do socialismo e levando em prática as Teses sobre a Questão Rural Socialista, o nível das forças produtivas ainda não será tão alto a ponto de aplicar o princípio do comunismo que cada um trabalha de acordo com sua capacidade e cada um recebe de acordo com suas necessidades. Portanto, ainda será necessário continuar a construir o socialismo e se esforçar para realizar o comunismo. Está claro que estas tarefas não podem ser cumpridas sem a ditadura do proletariado. Em outras palavras, mesmo quando o período de transição termina, a ditadura do proletariado deve continuar existindo até a fase superior do comunismo.


Mas aqui está outra questão. É a questão do que será da ditadura do proletariado quando o comunismo é realizado em um país ou em algumas áreas, com o capitalismo ainda permanecendo no mundo. Mesmo que o comunismo seja materializado em um país ou em algumas áreas, tal sociedade não estará livre da ameaça do imperialismo nem da resistência dos inimigos em casa que conspiram com inimigos externos até onde a revolução mundial ainda não foi realizada e capitalismo e imperialismo permanecem vivos. Sob tais circunstâncias, o estado não pode definhar e a ditadura do proletariado terá que permanecer em existência, mesmo na fase superior do comunismo.


Se a revolução ocorrer em sucessão em todos os países do mundo e o capitalismo cair e a revolução socialista emergir vitoriosa em escala mundial, o período de transição e a ditadura do proletariado corresponderiam entre si. Com o fim do primeiro, o segundo não seria mais necessário, e a função do Estado desapareceria. Mas na medida em que aceitamos a teoria de que é possível construir o comunismo em um país ou em algumas áreas, é totalmente correto ver o período de transição e a ditadura do proletariado separadamente.


Não é de modo algum uma revisão de nossa parte do marxismo-leninismo considerar as questões do período de transição e a ditadura do proletariado desta maneira. É nosso ponto de vista aplicar criativamente as proposições de Marx e Lenin às novas circunstâncias históricas e às práticas específicas de nosso país. Creio que esse é o caminho para salvaguardar a pureza do marxismo-leninismo contra o dogmatismo.


Vou dizer algumas palavras sobre a questão da luta de classes em conexão com a ditadura do proletariado. Enquanto houver luta de classes, haverá a ditadura do proletariado, e a ditadura do proletariado é necessária para levar adiante a luta de classes. A luta de classes tem, no entanto, várias formas. A luta de classes no estágio de derrubar o capitalismo difere em forma daquela após sua derrubada. Isso já foi expressamente estabelecido nos documentos do nosso Partido. Não poucas pessoas, no entanto, cometem erros de Direita ou "Esquerda", porque não têm uma ideia clara disso.


A luta de classes no estágio da revolução socialista é uma luta para liquidar os capitalistas como uma classe. A luta de classes na sociedade socialista é uma luta que visa alcançar a unidade e a solidariedade, e não é de modo algum uma luta de classes travada pelos membros da sociedade uns com os outros. Na sociedade socialista, a luta de classes é conduzida, com certeza, mas é feita por meio de cooperação com o objetivo de alcançar a unidade e a solidariedade. Desnecessário será dizer que a revolução ideológica que estamos realizando agora é uma luta de classes; é também uma forma de luta de classes para prestar assistência ao campo à classe trabalhadora do campesinato.


Pois o estado da classe trabalhadora visa, afinal, eliminar os camponeses como uma classe e classificá-los completamente quando produz máquinas para os camponeses, fornece-lhes fertilizantes químicos e realiza obras de irrigação para eles. Nossa luta de classes é projetada não apenas para classificar o campesinato e encerrar sua existência como classe, mas também para revolucionar as classes médias prévias (incluindo intelectuais e a pequena burguesia urbana) e remodelá-las segundo o padrão da classe trabalhadora.


Esta é a forma principal da luta de classes que estamos travando agora.


Além disso, sob nosso sistema social, a influência subversiva das forças contrarrevolucionárias se infiltra a partir de fora e os elementos remanescentes das classes de exploradores dominadas se contorcem. Portanto, tem que haver a luta de classes para suprimir suas atividades contrarrevolucionárias.


Deste modo, existe na sociedade socialista uma forma de luta de classes que exerce a ditadura sobre os inimigos internos e externos, juntamente com a forma básica de luta de classes para revolucionar e remodelar os trabalhadores, camponeses e intelectuais trabalhadores, através da cooperação com o objetivo de alcançar a sua unidade e solidariedade.


Na sociedade socialista, portanto, a luta de classes não desaparece, mas continua como sempre, apenas em diferentes formas. É perfeitamente correto considerar a questão da luta de classes na sociedade socialista dessa maneira.


Em conexão com a questão da luta de classes, gostaria de dizer mais algumas palavras sobre como revolucionar os intelectuais.


Não podemos ainda dizer que elaboramos completamente as formas de revolucionar os intelectuais. Certa vez, enviamos intelectuais para fábricas para trabalhar entre os trabalhadores, com o objetivo de revolucioná-los. Mas ainda é duvidoso se isso é realmente um bom caminho. Cultivamos os intelectuais porque queríamos que eles escrevessem, estudassem ciência e tecnologia ou fossem professores. Se eles devem ser enviados para fábricas para fazer o trabalho, nós deveríamos tê-los empregado desde o início; por que devemos treiná-los apesar de todas as despesas? Então, dessa forma, também não é bem apropriado.


Naturalmente, é bom trazer os intelectuais para perto dos trabalhadores, para que eles aprendam com eles a sua organização e fortaleza, bem como sua devoção ao povo a quem eles servem com seu trabalho físico. Mas isso está longe de ser uma resposta suficiente para a questão de revolucionar os intelectuais. Nossos escritores não foram enviados com frequência às fábricas. No entanto, alguns deles fizeram pouco progresso, apesar de todo o seu trabalho nas fábricas. Portanto, não podemos revolucionar os intelectuais simplesmente enviando-os às fábricas para trabalhar.


A coisa é fazê-los fortalecer seus vários tipos de vida organizacional, incluindo sua vida no Partido. Atualmente, alguns dos nossos intelectuais não gostam do fortalecimento de vários tipos de vida organizacional, incluindo a vida do Partido, e não participam adequadamente da vida organizacional. Eles acham que não terão liberdade, se a vida do seu Partido for fortalecida e se eles devem participar da vida organizacional.


Os quadros que não estão ativos em sua vida no Partido e que negligenciam o estudo do Partido também vão contra as políticas do Partido. Mesmo a Escola Central do Partido não fortalece a vida do Partido de seus estudantes agora, de modo que após a graduação eles não podem aproveitar ao máximo o que aprenderam e trabalhar e viver de maneira revolucionária.


É, portanto, de suma importância revolucionar os intelectuais para que tomem parte ativa na vida organizacional revolucionária. Acima de tudo, é necessário que eles fortaleçam a vida das células do Partido, abstenham-se de mostrar seus conhecimentos apenas por mostrar e conduzam o estudo do Partido bem para se armarem com idéias revolucionárias. Além disso, eles não devem ter medo de serem criticados nem estarem dispostos a criticar os outros. Eles devem intensificar a autocrítica e a crítica e observar a disciplina organizacional ao pé da letra.


Só isso os ajudará a se revolucionar. As pessoas devem cultivar ideias coletivistas no curso de sua vida organizacional do Partido, ou de quaisquer organizações públicas, e adquirir o espírito revolucionário de receber atribuições definidas de tarefas revolucionárias de suas organizações e realizá-las sem falta. Os membros do Partido e as organizações públicas devem se equipar com firmeza às políticas do Partido e as propagar. Eles devem se tornar revolucionários a ponto de executar suas tarefas revolucionárias com escrupulosa exatidão, de acordo com as políticas do Partido. Um revolucionário é um genuíno comunista.


O comunista não tem egoísmo, o que significa buscar apenas os próprios interesses. Os revolucionários devem ter os traços comunistas de trabalhar e viver sob o lema "Um por todos e todos por um" e temperar-se com o espírito do Partido, o espírito de classe e o espírito popular de servir a classe trabalhadora e todo o povo.


Os intelectuais acabarão estragados se não tomarem parte ativa em toda a vida organizacional, incluindo a vida organizacional do Partido. Existem muitos desses casos. Gostaria de salientar uma vez mais que tanto os antigos como os novos intelectuais devem reforçar a vida organizacional do Partido e de várias outras organizações, a fim de acabar com as suas mentalidades liberal e pequeno-burguesa e formar-se em revolucionários.


Hoje, em particular, me concentrei nas questões do período de transição e da ditadura do proletariado. Acho que isso será suficiente para lhes dar uma ideia geral das questões discutidas no curso do estudo dos documentos da Conferência do Partido.


Discurso proferido por Kim Il Sung perante os trabalhadores no campo do trabalho ideológico do Partido, em 25 de maio de 1967


Tradução de A Voz do Povo de 1945

131 visualizações

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube