1/10

"A discriminação racial é uma doença crônica do capitalismo"


Há algum tempo a CBS dos EUA conduziu uma pesquisa de opinião entre os habitantes. Segundo ela, a maioria dos entrevistados disse que não confia em um sistema político que divide a sociedade, aumenta as tensões étnicas e raciais e implementa políticas que são benéficas para um seleto número de pessoas. O racismo está presente em muitas áreas nos Estados Unidos. De acordo com reportagem da Reuters do Reino Unido em 2018, a política de "completo contrate" no estado da Geórgia nos EUA colocou um grande número de votantes em estado de stand-by, dentre eles, 70% eram afro-americanos, que representam um terço da população total do referido estado. Sobre a restrição de voto a afro-americanos em alguns estados do sul dos EUA, o The Economist disse que os EUA "Parece ter voltado ao início do século passado, quando proibiam negros de votar." A riqueza média das famílias afro-americanas é apenas um décimo da riqueza das famílias brancas, e a taxa de pobreza é 2.5 vezes maior. Nos Estados Unidos, a polícia atira e mata negros. As autoridades policiais tentam minimizar os assassinatos sob pretextos absurdos como "defesa legal" e "erro na execução do serviço público." Somente em 2016, mais de 300 negros foram mortos a tiros pela polícia. Isso faz crescer entre a população negra o medo de levar tiro a qualquer momento pela polícia. O racismo também se intensifica em outros países capitalistas. O confronto racial se intensificou na Itália. Comícios e protestos anti-racistas maciços eclodiram em 2018, quando um extremista dirigiu um carro e atirou contra moradores africanos. As aulas foram suspensas nas escolas e as lojas foram fechadas. Desde então, a capital Roma foi devastada por jovens atirando contra africanos com armas de ar comprimido, causando sérias lesões. No ano passado, as Nações Unidas divulgaram um relatório sobre o racismo, expressando séria preocupação com a prevalência do racismo no Reino Unido. O relatório apontou que o racismo está sempre presente em todos os setores econômico-sociais do país, incluindo educação, saúde e justiça, e disse que as políticas injustas do governo britânico incentivam essa discriminação ao extremo. A União dos Sindicatos do Reino Unido disse q