1/10

"Haddad e o Programa 'liberal' do PT"


Ex-prefeito da cidade de São Paulo, o petista Fernando Haddad converteu-se neste ano em coordenador do programa do partido para a Presidência. Caso o tempo conforme o óbvio – isto é, que Lula será barrado de concorrer as eleições – Haddad é também um dos principais nomes cotados para substituí-lo nas urnas. Assim, apesar de ter amargado uma dura e humilhante derrota ao disputar o primeiro turno pela prefeitura de São Paulo com o farsante João Dória, em 2016, Haddad é, por méritos ou falta deles, uma figura relevante.

Talvez por isso tantos tenham reagido com espanto às entrevistas que o ex-prefeito tem dado. Ao Valor Econômico, prometeu que o programa do PT trará “radicalidade liberal”, com dois “choques liberais.” À Folha disse que “o nosso ponto de vista é liberal”, criticando a “elite atrasada” e reafirmando seu desejo de “conversar com a elite que tem essa visão de futuro.”

As manchetes sobre os “choques liberais” escandalizam por si só. Ocorre que as propostas de Haddad não são, por definição, liberais: os “choques”, segundo o ex-prefeito, são uma regulamentação dos meios de comunicação “que aumente o pluralismo e a