top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"O legado do 'Cordobazo' na Argentina"


Tudo começou em junho de 1966, quando um general que passou a acreditar ser um Deus pensou que através do golpe de Estado poderia permanecer no poder durante décadas. Juan Carlos Onganía conseguiu a “façanha” singular de expulsar do governo o radical Arturo Illia e contar, desde o seu primeiro dia de reinado, com a cumplicidade (se não) de um setor da burocracia sindical, do nacionalismo católico ultramontano e de um escasso consenso da classe média que imaginava que a “ordem” seria finalmente restaurada e os “populismos” seriam postos de lado. O clima que prevaleceu nos dias seguintes, após a repressão nas universidades (a famosa “noite dos bastões longos”), as prisões e o exílio forçado de vários professores e cientistas, foi depressivo. Até o próprio Perón pronunciou, desde o seu exílio em Madrid, a frase lembrada: “É preciso desembarcar até que tudo melhore”. Tudo parecia culminar na ideia de que aqueles soldados que se autodenominavam “revolução argentina” vinham para ficar por muito tempo.

 

Três anos depois, o Cordobazo eclodiu diante da ditadura e gerou uma grande comoção em todo o país que serviu para estimular novas insurreições populares.

 

Vale lembrar quais foram os fatores que surgiram como essenciais para o desenvolvimento de uma cidade da magnitude daqueles dias de final de maio de 1969, especialmente para demonstrar que a memória pode ajudar na busca de saídas em tempos difíceis.

 

Deve-se levar em conta que depois da “Revolução” de gorilas e fuzileiros de 1955, gerou-se em Córdoba um criadouro popular e rebelde (precisamente na província que abrigou soldados que participaram ativamente do golpe contra Perón), com combativos e sindicatos pluralistas. Não foi estranho encontrar trabalhadores peronistas e trabalhadores da esquerda marxista marchando juntos nas mobilizações de 1967 e 1968. Assim, em meados de 1969, o clima de repúdio à ditadura era um dos pilares fundamentais da unidade na base, numa província repleta (especialmente em torno da cidade) de fábricas metalúrgicas e metalmecânicas, com trabalhadores relativamente bem remunerados com um nível significativo de consciência sindical. A isto devemos somar uma população estudantil de quase 30 mil estudantes e muita militância de bairro organizada, que contou com o apoio em algumas áreas específicas de padres trabalhadores designados para um Movimento cada vez mais numeroso de Padres do Terceiro Mundo.

 

Todos esses elementos somados a três fortes dirigentes sindicais, o de Agustín Tosco (Luz y Fuerza e a rebelde CGT dos argentinos), Atilio López (UTA e líder do peronismo revolucionário) e Elpidio Torres (do braço energético de Luz y Fuerza e peronismo ortodoxo), gerou a possibilidade de, dadas as circunstâncias, forjar uma contra-ofensiva ao governo ditatorial.

 

Não faltaram motivos para sair às ruas naquele turbulento mês de maio de 1969. No dia 15 ocorreu o Correntinazo, quando o estudante Juan José Cabral foi assassinado em uma manifestação na província de Corrientes. Essa morte trouxe outra, no dia seguinte, na cidade de Rosário, a do estudante Luis Norberto Blanco, que se manifestava em repúdio aos acontecimentos em Corrientes.

 

Por sua vez, a CGT dos argentinos clamava pelo enfrentamento da repressão ditatorial em todo o país, e Córdoba foi um cenário importante para que ela ficasse de fora.

 

Foi assim que depois de uma reunião entre Tosco e Elpidio Torres, apesar das enormes diferenças ideológicas, resolveram que as duas CGTs que Córdoba tinha naquele momento uniriam forças para responder à onda de assassinatos de militantes populares nas ruas. Faltavam poucos dias para a data marcada, 29 de maio, e nos bairros, fábricas e universidades já havia o cheiro da cidade. Jovens estudantes do bairro das Clínicas preparando bombas molotov, mecânicos das fábricas Fiat, Perkins ou Thompson Ranco, ou os metalúrgicos de Rubol, contra o relógio, fazendo dezenas de fisgas de metal para lançar parafusos de aço, ou fazendo pregos miguelito para furar pneus de viaturas policiais. O mesmo aconteceu nos bairros, onde militantes peronistas e comunistas pintaram faixas ou saíram para recolher gatos abandonados para atirá-los como “distração” contra os cães policiais.

 

Assim foi finalmente alcançado o Dia D. Desde muito cedo, enormes colunas operárias marcharam de diferentes pontos dos subúrbios de Córdoba, com a determinação daqueles que não só estão fartos da arrogância dos poderosos, mas que inexoravelmente desejam assaltar o poder. Ao chegar à cidade surgiram os primeiros grandes confrontos com a polícia e ali mesmo começaram a ser escritas páginas que encheriam de orgulho os combatentes que assumiriam o manto a partir de então. Policiais a cavalo, aqueles que sempre se vangloriaram de punir com espancamentos aqueles que ousavam enfrentá-los, recuaram com medo, diante da decisão de luta da multidão. “Trabalhadores e estudantes, unidos para a frente”, ouvia-se em cada esquina, enquanto meninos e meninas de diferentes faculdades “agrediam” jovens como eles, mas de macacão azul, as sedes de empresas transnacionais ou bancos da mesma origem, e uma vez que jogavam obstáculos nas ruas, móveis e até pinturas, queimaram-nos para repelir os gases da polícia. Córdoba foi inundada de palavras de ordem e gritos, de rostos sorridentes e alegres, de sentimentos fortes, ao lado de outros que até aquele dia não imaginavam ter tanta ousadia. Tanto que em poucas horas a polícia ficou sobrecarregada e teve que se esconder em suas delegacias, que também estavam sitiadas. As pessoas comuns, quase sempre ignoradas pelo poder, tomaram o controle da situação e foram, sem dúvida, quem conseguiram, pelo menos por algumas horas, ter nas mãos o famoso “bastão” com que dirigir a revolta das massas. Nem mais nem menos.

 

Depois de tomar o centro da cidade e demonstrar a coragem que vem da luta por uma causa justa, a multidão recuou para os bairros e de lá criaram vários bloqueios de rua e se isolaram para continuar a batalha. Se faltasse alguma coisa, os trabalhadores da Luz y Fuerza “baixavam a alavanca”, deixando a cidade na escuridão assim que a noite começou. O espetáculo que se viu a partir daquele momento é, ainda hoje, inesquecível: dos bairros mais combativos ouvia-se o estouro dos fogos de artifício, ou a rua era iluminada com barricadas de fogo, enquanto de uma ponta a outra se ouvia alto e com clareza, o hino daquela guerra popular desigual: “O povo unido nunca será vencido”. Ao que outros, que preparavam novos motins, responderam: “O povo armado nunca será explorado”.

 

Dadas as dimensões de Córdobazo (como identificaram as primeiras páginas da mídia nacional), logo a partir de Buenos Aires, a ditadura impôs o toque de recolher e lançou sobre a cidade o Exército invasor, que entrou com seus tanques na cidade com sangue e fogo. O centro deserto da cidade, invadindo as instalações do sindicato, prendendo os principais líderes e depois avançando para os bairros onde milhares de manifestantes os confrontaram corpo a corpo. Ao mesmo tempo, nos telhados das casas e das diferentes faculdades, centenas de estudantes e vizinhos atiravam pedras, latas de lixo ou água ardente contra os uniformizados.

 

El Cordobazo, além de centenas de detidos e feridos, deixou um saldo que estava longe da derrota. Abriu a possibilidade de novas lutas por todos os meios possíveis, pois apenas quatro anos depois os militares abandonariam a Casa Rosada nas mãos de um governo popular.

 

Analisado a partir deste presente sombrio, onde o assalto ao poder por uma extrema-direita fascista tenta destruir todas as conquistas após muitos anos de luta da classe trabalhadora, Cordobazo é um exemplo claro de que a realidade pode ser transformada. O seu legado, de unidade popular para a luta, a força que as ruas dão na hora de obter reivindicações ou protestar contra injustiças, a ação direta contra o opressor e seus soldados, a necessidade de organização a partir de baixo e de luta, a consciência de saber que é uma luta de classes onde o fator decisivo é saber em que lado do caminho cada um está e ter a clareza de que o poder, a burguesia, o capitalismo e os seus cúmplices internacionais nunca cederão. São diretrizes que neste 55º aniversário não estão nada obsoletas. Pelo contrário, deveriam dar-nos forças para continuar a lutar por um futuro onde a Revolução e o socialismo (que alguns tentam fazer desaparecer com truques de curto prazo ou com discursos e práticas macarthistas ao estilo do atual patrão argentino) sejam novamente o ponto de chegada.

 

Do Resumen Latinoamericano

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg