top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Sudão: uma guerra sem horizonte"

Imagem do conflito no Sudão

Passou exatamente um ano desde o início da guerra civil no Sudão, durante o qual a possibilidade de acesso a mais e melhores armas e o aumento das atrocidades, que têm causado discursos de ódio, transformaram o conflito em um labirinto cuja saída foi demolida.

 

As Forças Armadas Sudanesas (FAS), comandadas pelo General Abdel Fattah al-Burhan, tentaram, sem qualquer sucesso, reduzir o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (FAR), fundado e liderado por Mohamed Hamdan Dagalo, vulgo Hemetti.

 

Os líderes uniram-se em 2019 para derrubar o Presidente Omar al-Bashir, mascarando-se atrás de um movimento popular, liderado por setores médios, que protestava contra o regime como uma cauda longa da “Primavera Árabe”. Assim que a ditadura caiu, foi estabelecido um governo de unidade nacional liderado por figuras civis que surgiram no calor dos protestos.

 

Em pouco mais de um ano, a aliança entre al-Burhan e Hemetti acabou por frustrar as esperanças do povo sudanês e, mais uma vez, os comandantes do exército acompanhados pelas FAR tomaram o poder, com al-Burhan como presidente e Hemetti como seu segundo.

 

Para além das divergências, a aliança durou quase dois anos, até que a liderança ordenou que a força paramilitar se juntasse organicamente às suas fileiras, o que foi categoricamente rejeitado pelas FAR, iniciando um período de elevada tensão e instabilidade até ao dia 15 de abril do ano passado, nas proximidades de Cartum, começaram os primeiros confrontos armados que imediatamente se transformaram em uma guerra civil, espalhando-se por todos os cantos da geografia sudanesa.

 

Desde então, as batalhas aumentaram à medida que ambos os grupos foram obtendo apoio militar e financiamento externo, com atores como o Egito, a Líbia e os Emirados Árabes Unidos (EAU). Além disso, a esta assistência em fundos, armas e logística devemos ainda acrescentar o próprio Hemetti, que desde a época de al-Bashir e graças aos seus “méritos” no genocídio de Darfur (2003-2008), foi autorizado a envolver-se na exploração e comercialização ilícita de ouro, o que o tornou o homem mais rico do país. Fortuna com a qual também financia a sua força.

 

A ferocidade dos combates não nos permitiu estabelecer definitivamente um roteiro que nos permitisse chegar a um acordo de paz mínimo ou mesmo manter por mais de algumas horas qualquer um dos já muitos acordos de cessar-fogo estabelecidos na mesa de negociações que decorrem na cidade de Jeddah (Arábia Saudita), da qual participam, além dos beligerantes, o país anfitrião e os Estados Unidos. Nem a Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD), um bloco de países do Chifre de África que, com o apoio de Washington, tentou em dezembro passado aproximar as duas partes, uma iniciativa que em janeiro já tinha falhado.

 

Nem os mornos acordos de Jeddah conseguiram estabelecer rotas seguras que permitam o transporte de alimentos e medicamentos para os campos montados pela Cruz Vermelha Internacional e pelas diversas ONGs que operam no país para ajudar pelo menos alguns dos 10 milhões de pessoas deslocadas que tiveram de abandonar as suas cidades e vilas para fugir dos combates ferozes, onde a artilharia pesada e a aviação foram utilizadas para combater em grandes centros urbanos como Cartum ou a sua cidade gêmea, Omdurman, na margem oeste da confluência do Nilo Branco e o Azul.

 

Ambas as cidades, que até há um ano tinham perto de 8 milhões de habitantes, hoje estão praticamente demolidas, sem hospitais, serviços sanitários, água potável, eletricidade e comunicações. Suas ruas estão repletas de cadáveres, pois ninguém se atreve a recolhê-los porque os corpos viraram alvo de atiradores, que “caçam” quem tenta recuperá-los ou ajudam quem ainda está vivo, então literalmente os mortos ficam onde caem.

 

No contexto geral da guerra, são as forças paramilitares das FAR que estão a conseguir obter maior vantagem sobre o exército, tendo conseguido tomar a maior parte das cidades de Cartum e Omdurman, alargando desde os primeiros meses da guerra o seu controle sobre a Grande Cartum, o que lhes permitiu libertar milhares de prisioneiros das prisões que foram incorporados ao lado de Hemetti.

 

Ao longo do ano, vários grupos armados surgiram e, sem aderir formalmente a nenhum dos lados, lutaram por um ou por outro, acrescentando mais desordem e confusão à guerra.

 

As milícias de Darfur, juntamente com outras da região, treinam nos estados de Gedaref e Kassala, no leste do país, para enfrentar as FAR, que estão a repetir o genocídio.

 

Entre 2003 e 2008, o “General” Hemetti, ex-criador de camelos, foi o principal protagonista do genocídio de Darfur que deixou pelo menos meio milhão de mortos e hoje tenta repeti-lo exatamente da mesma forma, com os mesmos métodos: assassinatos, desaparecimentos forçados, tortura, enterros secretos, violações em massa, usadas como mais uma tática de guerra, contra mulheres e meninas independentemente da sua idade, o que tenta incutir mais terror na população. A tal gama de perversões devemos acrescentar roubos e saques.

 

Embora este tipo de ações estejam a ser aplicadas em todas as frentes, é na região de Darfur, no oeste do Sudão, onde têm estado mais expostas, onde as vítimas são mais uma vez as do genocídio anterior: os grupos étnicos negros (masalit, zaghawa e peles), agricultores cristãos e animistas e os mesmos perpetradores Baggara , grupo étnico árabe muçulmano , Abbala (criadores de camelos, gado e cabras), na época conhecidos como Janjaweed (cavaleiros armados), grupo que sob a proteção de al-Bashir alcançou o estatuto militar, pelo que começaram a ser identificados como Forças de Apoio Rápido (FAR), enquanto o seu líder, Hemetti Dagalo, foi elevado ao posto de general.

 

Neste contexto, os grupos islâmicos que al-Bashir outrora perseguiu ressurgiram e agora aliaram-se ao general al-Burhan. As suas milícias estão localizadas nos estados do Rio Nilo, do Norte e de Kassala, e especialmente em Cartum e Omdurman, para tentar tomar as posições que as FAR mantêm desde o início do conflito.

 

O surgimento deste tipo de grupo, fortemente armado e totalmente autônomo, ameaça fragmentar a guerra, o que torna sem dúvida qualquer acordo diplomático mais difícil, uma vez que as muitas organizações internacionais que tentam chegar a um acordo como as Nações Unidas, a União Africana, a mesa de Jeddah, a IGAD e um canal formado pelo Egito em conjunto com os Emirados Árabes Unidos devem atender aos interesses de mais de uma dezena de animadores do conflito.

 

Lute para comer

 

Segundo as Nações Unidas, quase 90% dos 47 milhões de habitantes encontram-se em vários graus de insegurança alimentar e cerca de 10 milhões já se encontram em estado de fome, dos quais quase 4 milhões são crianças.

 

Esta situação é causada, fundamentalmente, pelas dificuldades que as organizações humanitárias encontram em chegar com as doações alimentares, uma vez que os milicianos das FAR param os caminhões, exigem pagamentos elevados para libertar a passagem ou saqueiam a carga, de acordo com as suas necessidades, ao que se juntam pequenos bandos armados, mais próximos do banditismo do que da guerra.

 

Além disso, devemos ter em conta o fracasso da colheita na região de Wad Medani, no estado de Gezira, a sul de Cartum, no Nilo Branco, que caiu no sinistro ciclo da guerra. Gezira tem sido historicamente considerada o celeiro do país, pois além das suas ricas terras possui um dos maiores sistemas de irrigação do mundo.

 

As graves quedas nos resultados das colheitas passadas, que vão de outubro a fevereiro, colocam o país perante a pior crise alimentar das últimas décadas, enquanto a previsão para a próxima é ainda pior.

 

Enquanto a fome avança em todas as comunidades, especialmente nos campos que estão cada vez mais privados de tudo, doenças como a cólera e o sarampo também se espalham.

 

De acordo com o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), perto de 220 mil crianças gravemente desnutridas e mais de 7 mil novas mães morrerão nas próximas semanas se não receberem assistência.

 

A falta de trabalho e de qualquer atividade econômica nas zonas de combate está a forçar muitos jovens e até crianças a juntarem-se às fileiras das FAR em troca de uma quota alimentar.

 

Em fevereiro, foram detectadas falhas por falta de manutenção no oleoduto al-Jabalin, que vai do Sudão do Sul através do Sudão até Porto Sudão, no Mar Vermelho. O petróleo é a principal fonte de recursos daquele país fronteiriço, onde a guerra no Norte começou a afetar a sua economia.

 

Juba está a sofrer uma grave crise econômica na sequência da queda da libra sul-sudanesa em relação ao dólar, o que aumentou todos os valores de mercado, causando problemas no pagamento dos salários dos funcionários do governo e na cobertura dos serviços básicos.

 

A subida dos preços está ligada à falta de produção industrial e agrícola. A grande maioria dos seus insumos: alimentos, combustíveis e materiais de construção, são importados de países do leste do continente. A crise que afeta todos os segmentos da sociedade está a causar um aumento da criminalidade, enquanto o Governo do Presidente Salva Kiir Mayardit não consegue lidar com os milhares de refugiados que chegam do Sudão há um ano.

 

O quadro não é diferente na fronteira do Chade, já que o vizinho da fronteira ocidental é o que mais recebeu refugiados, mais de um milhão desde o início da guerra, um fluxo que não para, agravando cada vez mais as condições de tudo em uma guerra que não tem horizonte.

 

Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg