top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

Zetkin: "O dever das Mulheres trabalhadoras em tempos de guerra"


O semanário nova-iorquino Vorwärts do Neu Yorker Volkszeitung publica um artigo sobre este assunto da pena da nossa estimada camarada Clara Zetkin, do qual

oferecemos aqui sob um resumo. O desejo de paz do proletariado internacional mostrou-se impotente para impedir a guerra mundial. Assim como balas de canhão lançadas circulam sobre as débeis folhas de grama (que ontem a brisa suavemente) esmagando-os contra a terra, assim as forças do imperialismo, impulsionadas pelo capitalismo, varreram as manifestações e esperanças de paz do proletariado. O mundo agora está pegando fogo. Uma guerra é travada como nunca antes conhecida...


Era necessário?


Trabalhadores para o socialismo

A lei marcial torna impossível para nós buscar uma resposta. Estamos diante do fato de que as forças motrizes do capitalismo ultrapassaram os limites do desenvolvimento pacífico. As consequências são incalculáveis, pois quaisquer que sejam as mudanças que a guerra traga no mapa da Europa, é certo que não será combatida até o fim sem ter o efeito mais tremendo na economia das nações e no mercado mundial. É precisamente esta consideração que exige que a classe trabalhadora se torne, em maior medida, a portadora consciente do processo histórico de desenvolvimento rumo à ordem social superior do socialismo.


Não será digno de mulheres socialistas ver estes acontecimentos históricos com as mãos cruzadas, que desde o seu hoje preparam o amanhã. Os tempos as chamam para grandes tarefas, cuja realização exige toda a dedicação, entusiasmo e abnegação que emana do “eterno feminino” de sua natureza e de suas convicções.


Guerra e Fome

A irmã gêmea da guerra é a fome. Sua mão enrugada e implacável bate à porta de cada família cujo sustento está no campo... O desemprego também se espalha mais rápido do que qualquer praga; ansiedade, fome, doença, mortalidade infantil seguem em seu rastro. O que o inverno trará? Essa é a pergunta que está em milhões de lábios....


Aqui temos o amplo campo onde as mulheres socialistas podem lutar

batalhas, que são ao mesmo tempo batalhas por seus direitos como seres humanos. O momento exige toda a sua força. E assim, as mulheres socialistas trabalham pacificamente ao lado do “Serviço da Mulher” burguês e nacionalista e também com seus representantes nos órgãos municipais, sem, no entanto, aderir à sua organização, o que seria um fardo para elas em seu trabalho. Nossa camarada Frau Zietz escreveu recentemente um artigo apontando a necessidade de tal atividade e as linhas de demarcação a serem seguidas em cada caso.


A ajuda das mulheres é essencial

Se os municípios querem seriamente impedir a terrível maré de miséria que se aproxima, não podem prescindir da ajuda diária dos nossos camaradas. Porque trazem para o trabalho de socorro o conhecimento e a escolaridade adquiridos no partido socialista e nos sindicatos, bem como a experiência prática que adquiriram como proletários. Eles sabem como encontrar o caminho para os pacientes orgulhosos e sensíveis do sótão e do porão que pedem alívio, e também podem encontrar a palavra amável que solta suas línguas. Eles têm um olhar rápido e aguçado para ver onde e como a ajuda é necessária. Mais do que ninguém, eles podem “falar pelos mudos e pela causa de todos abandonados”. Sem esmolas; ajudar e trabalhar como um dever social, essa é a exigência que impõem de forma convincente a todos os órgãos públicos. E nossas mulheres também devem tentar despertar o espírito socialista, a solidariedade de classe proletária, naqueles que ajudam; porque deve ser lembrado que toda ajuda e alívio amoroso são em si mesmos incapazes de abalar os alicerces da sociedade capitalista.


Manter nossa organização

A guerra diminuiu as fileiras de nossas organizações políticas e econômicas. As mulheres devem ver que os fios soltos não estão completamente soltos. Quando falamos em preservar organizações, referimo-nos, sobretudo, ao espírito que as habita. Um dos métodos mais importantes para preservar esse espírito é a divulgação de nossa imprensa, que, especialmente no tumulto da batalha e entre os montes de ruínas, deve erguer a bandeira do socialismo internacional.


O efeito calejador da guerra

Socialismo Internacional! Essas palavras não soam como sarcasmo?

Nos dias em que os representantes do proletariado deveriam se reunir em Viena para o pacto de paz e liberdade dos povos, dezenas de milhares de filhos do povo deram seu último suspiro nos campos de batalha, dezenas de milhares mais gemiam nos hospitais: essas mortes e ferimentos foram tratados por uma mão amiga. Centenas de milhares, na verdade milhões, independentemente do uniforme do país que usem, rangendo os dentes declaram: “Não queremos, devemos. Os direitos e a independência de nossa pátria estão ameaçados”. A guerra tem sua própria lógica, suas próprias leis e regulamentos. Cria uma atmosfera que desperta o heroísmo, mas, por outro lado, quer os combatentes o façam ou não, muitas vezes desperta a besta adormecida no subconsciente do homem. As cartas da frente demonstram o endurecimento da alma e dos sentidos diante dos horrores da batalha, um endurecimento que em muitos casos se transforma em brutalidade e bestialidade. Os jornais relatam as mais horríveis atrocidades que cidadãos de fora das fronteiras alemãs teriam perpetrado contra os soldados alemães invasores em nome da pátria; sim, mesmo contra os feridos e aqueles que cuidam deles. Mesmo que as descrições desses atos sejam muito exageradas, como acreditamos que sejam, ainda restará barbaridade mais do que suficiente.


“Vingar os ultrajes”

Mas nossos ouvidos nos enganam? Barbaridades semelhantes são cometidas para “vingar” esses ultrajes. Isso é o que lemos em parte da imprensa burguesa. Para cada alemão morto, uma aldeia era queimada. O berlinense Neves-te Nachrichten vai mais longe e exige “a expulsão dos bairros ocupados de todos os habitantes... Todos aqueles que forem vistos vestindo roupas civis nos bairros proibidos 24 horas após a ordem de expulsão devem ser fuzilados como “espiões”. Claro, da mão da defesa da barbárie marcha a depreciação dos povos estrangeiros (cuja amizade se esforçava a Alemanha para vencer ontem, no entanto) e depreciação de suas contribuições para a marcha ascendente da humanidade. É como se fossem quebradas todas as normas pelas quais, não recentemente, o direito e a justiça eram medidos na vida das nações, todos os falsos pesos com que se pesava o valor das coisas nacionais. Longe parece estar o ideal mundial da solidariedade proletária, a fraternidade dos povos. É possível que a guerra extinga não apenas vidas humanas, mas também alvos humanos?


Todos os povos contribuíram para a civilização

Não, mil vezes não. Não deixemos as massas trabalhadoras esquecerem que a guerra foi causada por complicações econômicas e políticas mundiais, e não pelas qualidades pessoais feias e desprezíveis dos povos com os quais a Alemanha está lutando.


Tenhamos a coragem, quando ouvirmos a invectiva contra o “pérfido Albion”, os “degenerados franceses”, os “bárbaros russos”, etc., de responder apontando as inextirpáveis riquezas que esses povos contribuíram para o desenvolvimento humano, e como eles ajudaram a fruição da civilização alemã. Os alemães, que tanto contribuíram para o tesouro internacional da civilização, deveriam poder exercer justiça e veracidade ao julgar outros povos. Ressaltemos que todos os povos têm o mesmo direito à independência e autonomia para a preservação da qual os alemães lutam...


Nós, mulheres socialistas, ouvimos as vozes que nesta época de sangue e ferro ainda falam suavemente, dolorosamente e, ao mesmo tempo, de forma consooladora sobre o futuro.


Sejamos seus intérpretes para nossos filhos. Vamos preservá-los do som áspero e desavergonhado das ideias que hoje enchem as ruas, nas quais o orgulho barato da raça afoga a humanidade. Em nossos filhos deve crescer a certeza de que esta terrível guerra será a última. O sangue dos mortos e feridos não deve ser uma corrente divisória que une a angústia presente e a esperança futura. Deve ser como um cimento que permanece firme para sempre.


Por Clara Zetkin, em 19 de novembro de 1914

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg