top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Colonialismo britânico"


1) Em 1868, 13 mil soldados do Império Britânico, liderados por Robert Napier, atacaram o Reino de Magdala, na Etiópia, contra o rei Teodoro II. Na batalha de Magdala, cerca de 700 etíopes morreram e milhares ficaram feridos. O imperador cometeu suicídio.

 

Depois que a capital foi tomada, a pilhagem resultou em milhares de objetos preciosos roubados pelas tropas e trazidos para as ilhas britânicas. Segundo o historiador Richard Pikhurst, foram necessários 15 elefantes e cerca de 200 mulas para transportar o que foi roubado. Uma parte importante dos tesouros de Magdala, hoje é exibida no Museu Britânico.

 

2) Sathnam Sanghuera, escritor inglês nos diz, que quando os britânicos invadiram o Tibete, no início do século XX, os intelectuais do colonialismo justificaram o fato que descreve a população nativa como “gnomos mais repugnantes do que os seres humanos”. O resultado foi que dezenas de milhares de tibetanos foram massacrados. Um tenente inglês disse que parou de apertar a metralhadora, enojado pela matança.

 

Eu tomo a nota de um artigo do The Guardian. O autor que viu, no século XXI, uma venda televisionada de tesouros roubados durante essa invasão, por um descendente de alguns militares ingleses, que descreveu o saque como “artefatos que seu avô havia atravessado com eles no Himalaia”. A venda foi fechada para 140.000 libras esterlinas.

 

3) Em 13 de abril de 1919, em Amritsar, na Índia, diante dos protestos pacíficos dos habitantes pela prisão de um de seus líderes de independência, o brigadeiro General Reginald Dyer ordenou que as tropas colonialistas britânicas abrissem fogo contra a multidão, até que a munição seja esgotada.

 

Quando o som de armas de fogo cessou, os mortos passaram dos mil e os feridos tanto. O diamante Koh-i-Noor repousa na coroa transportada pela rainha britânica.

 

Conforme explicado por um jornal indiano, “A maior controvérsia é que os britânicos deram a impressão, para a geração mais jovem, que o diamante era um presente da Índia e não mencionam a história violenta de como chegou às suas mãos”.

 

O diamante foi “cedido”, sob coerção, à rainha Victoria, por um governante sikh, enquanto ele foi preso pelo poder colonial.

 

4) Em 1967, os habitantes de Hong Kong saíram para protestar contra o poder colonial. Suas alegações foram confrontadas com a repressão mais brutal, 51 pessoas foram mortas, 802 ficaram feridas. Os protestantes foram acusados ​​de “esquerda” que agiu sob a instigação da China comunista.

 

Em 1984, a China e o Reino Unido concordaram nos termos do retorno de Hong Kong ao primeiro, como parte inalienável de seu território nacional. De repente, após 140 anos de poder totalitário britânico, as autoridades coloniais se preocuparam com a “democracia” no enclave e fizeram eleições parciais indiretas para o legislativo em 1991 e diretamente em 1994. Em 1997, Hong Kong retornou à China.

 

O Reino Unido está preocupado, desde então, com a democracia na ilha.

 

5) Em 1982, a guerra das Malvinas começou. O território argentino havia sido ocupado pelo Império Britânico, em 1841.

 

As Malvinas estão a 12 mil quilômetros de Londres e em outro continente, mas estão a 480 quilômetros da Argentina. No entanto, diz o Reino Unido que é dele, e por isso ele povoou a ilha com seus descendentes.

 

A popularidade da primeira -ministra britânica Margaret Thatcher foi picada e a guerra salvou a sua reeleição. Lá, 649 argentinos davam vida, por um lado, de seu solo nacional.

 

6) Em 1916, a Grã -Bretanha ocupou a Palestina. Os franceses e os britânicos lhe deram o nome colorido do mandato britânico na Palestina.

 

Nesse território, um ano depois, o poder do ocupante decidiu que deveria agradar a Federação Sionista da Grã-Bretanha e da Irlanda e prometeu a eles um território que não lhes pertencia.

 

Quando chegou a hora, desconsideraram o assunto e deixaram o problema que haviam armado nas mãos das Nações Unidas.

 

Em outubro de 2023, o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, viajou para Tel Aviv no meio de ataques criminosos contra os palestinos. Ao chegar, ele disse aos sionistas: “Estamos orgulhosos de estar ao seu lado em Israel, nesta hora escura”.

 

Com Netanyahu ao lado, ele disse: “Estamos do seu lado em solidariedade. Vamos apoiar você e seu povo. Também queremos que você ganhe”.

 

Até então, 3 400 civis palestinos já haviam morrido. Hoje eles excedem 30 mil.

 

Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg