top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"As mobilizações dos trabalhadores abalam a Europa em meio às graves contradições sociais e econômicas"


Neste novo ano, grandes manifestações que rejeitam a política agrícola da União Europeia e dos seus governos e exigem o fim da crise do Oriente Médio, a proteção dos direitos dos imigrantes, etc., acontecem em série em vários locais da Europa.

 

Vale a pena destacar as manifestações em grande escala realizadas por agricultores durante várias semanas em países como Bélgica, Alemanha, Grécia, França e Espanha contra a política agrícola da União Europeia e dos atuais governos.

 

No dia 1 de fevereiro, os agricultores reuniram-se em Bruxelas, sede da cúpula da União Europeia, a bordo de quase 1.000 tratores e máquinas agrícolas e manifestaram o seu descontentamento, afirmando que a concorrência desleal provocada pela importação de produtos agrícolas estrangeiros diminuiu enormemente os seus rendimentos e que os impostos e as regulamentações ambientais os sufocam.

 

A Comissão Europeia, com a intenção de acalmar a fúria dos agricultores, publicou apressadamente uma série de planos como limitar a importação de produtos agrícolas da Ucrânia, flexibilizar algumas regulamentações ambientais relacionadas com a produção, etc., medidas insuficientes para acalmar os protestos, uma vez que estas medidas só podem entrar em vigor quando obtiverem a aprovação dos Estados-Membros da União Europeia e do Parlamento Europeu.

 

Na Alemanha, confrontados com o fato de o governo ter tomado medidas para abolir gradualmente até 2026 a isenção fiscal sobre os combustíveis agrícolas em vez de manter a isenção fiscal sobre o combustível de aviação, os agricultores reuniram-se em torno do aeroporto de Frankfurt com mais de 400 tratores e manifestaram-se contra ela.

 

Além disso, no dia 3 de fevereiro, em um único dia, manifestações exigindo o apoio do governo ao setor agrícola ocorreram simultaneamente na Itália, na Grécia e em outros países europeus.

 

Após a eclosão da crise no Oriente Médio em outubro do ano passado, foram realizadas manifestações de apoio à Palestina em muitas cidades do continente europeu, que também continuam este ano.

 

Nos fins de semana de janeiro houve manifestações exigindo o fim imediato da crise no Oriente Médio no Reino Unido, Irlanda, Bélgica, etc.

 

Os manifestantes carregavam a bandeira da Palestina e palavras de ordem pró-Palestina e antissionistas como “Palestina Livre”, “Acabar com os homicídios” e exigiam veementemente que os seus governos tomassem medidas concretas para alcançar um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza e justiça para os palestinos que, devido aos conflitos, as escolas para as crianças e os locais seguros, até mesmo as oportunidades de existência, desapareceram.

 

Por outro lado, foi revelado o fato de que a Alternativa para a Alemanha, um partido político de extrema-direita, abordou o projeto de expulsar milhões de imigrantes do seu país, e manifestações de protesto tiveram lugar em vários locais da Alemanha desde o início deste ano. Até que no final da semana passada o número de manifestantes em todo o país atingiu mais de 200 mil.

 

A imprensa e os especialistas avaliam que a razão pela qual grandes manifestações de vários objetivos ocorrem em cadeia em muitos lugares da Europa reside na cada vez mais grave contradição social e econômica na Europa.

 

Por MinRex da RPDC

 

Da KFA-Euskal Herria

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg