top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

Kollontai: "A última escrava"


As mulheres orientais estão em silêncio há séculos e se fez necessário soar a explosão da revolução proletária na Rússia para tirá-las de sua dormência antiquíssima. O anúncio do comunismo, trabalho e camaradagem universais, igualdade dos sexos e solidariedade geral, penetrou como um apelo irresistível no Extremo Oriente, atraiu as massas para suas cores vivas. O Oriente mudou. Os pobres, com todo o ódio acumulado em seus corações contra os sátrapas e ricos, começaram sua ascensão em direção à bandeira vermelha, símbolo de liberdade, igualdade e trabalho para todos. Pela primeira vez na história, a mulher do Oriente ouviu o apelo dirigido a ela, a mais oprimida entre os oprimidos. Aquela mulher, que era pouco mais do que uma coisa, um acessório doméstico, um instrumento humilde e sem voz, recebe o chamado da bandeira vermelha do comunismo que a chama à igualdade e à posse de todas as conquistas da revolução.


Pela primeira vez em séculos, a mulher oriental rejeitou o véu e, misturada com a massa revolucionária, marchou em direção ao símbolo da libertação, em direção a bandeira vermelha do comunismo.


Cada mês de existência da república soviética, estabelecendo mais intensamente o fundamento do comunismo, aumenta a fermentação entre as mulheres do Oriente. A mulher oriental aparece pela primeira vez na história no Congresso dos Povos do Oriente celebrado em Baku. Em todas as regiões da Rússia Soviética onde domina a população muçulmana, nas repúblicas orientais, continua nas massas femininas uma profunda luta de ideias. A ideologia soviética é como um bastão que guia todos os deserdados, que quebra as barreiras que separam as raças orientais das demais e une forças dispersas. As mulheres reivindicam seu direito à educação em volta das seções de mulheres orientais do grupo de educação pública, desligadas do véu. Os tártaros, os persas, as cordas, lutam contra esse atributo anti-higiênico. Em Teerã, onde a capital já preparou o terreno para uma futura semeadura das comunistas, uma conferência de mulheres foi realizada sob a palavra de ordem “Abaixo o véu!”


O Turquestão, com sua pequena indústria doméstica, vê o movimento que arrasta as mulheres dos artesãos. O número de casos de divórcio que chegam aos tribunais aumenta a cada dia; a mulher, certa com seu início de emancipação econômica, reivindica cada vez mais categoricamente seu direito de existência independente.


No Azerbaijão, mulheres muçulmanas lideradas pela seção comunista organizaram um clube, um jardim de infância, uma oficina de costura, uma cantina e uma escola.


Na Transcáspia há reuniões regulares de mulheres iguais às assembleias de delegados na Rússia. Existe um sindicato de máquinas de costura que agrupa muçulmanas e russas.


Em Samarcanda, a seção feminina do comitê comunista tem um grupo de mulheres muçulmanas. Existem seções femininas em Bukhara. O Comitê Executivo do Turquestão tem quatro mulheres, mas nem todas revelaram-se do véu ainda.


Em Basquíria, entre as mulheres Kalmyk e quirguizes, na República Tártara e mesmo nos cantos mais distantes do Norte, em Tyumen, o movimento se espalha entre as mulheres muçulmanas e as seções femininas de nosso partido estão criando raízes profundas.


A mulher oriental, principalmente a fração que vive no território da federação Soviética, despertou e lançou-se para a sua libertação completa. Basta sabermos ajudá-las a ganhar novas defensoras da grande ideologia comunista.


A Terceira Conferência Pan-Russa das Seções Femininas apresentou uma seção especial de mulheres orientais. Ela decidiu não apenas intensificar esta parte do nosso trabalho, mas também chamamos para 1 de fevereiro, uma data atrasada após 1 de abril, um primeiro congresso russo de mulheres do Oriente. Comissões de organização serão criadas em todas as províncias para preparar o congresso. Essas comissões serão compostas por representantes dos escritórios muçulmanos, das seções operárias e de comitês comunistas de jovens. A mesma ação ocorrerá nos distritos. Preparam-se panfletos, cartazes, proclamações, feitas por professores, médicos, agrupamentos comunistas, todas associações educacionais muçulmanas.


Nas repúblicas autônomas, a preparação do congresso é também responsabilidade das seções femininas. Conferências anteriores foram convocadas nas províncias e distritos. Extensa propaganda foi realizada. A agenda do congresso é a seguinte: 1) edição atual; 2) o poder dos soviéticos e das mulheres do Oriente; 3) a situação jurídica das mulheres orientais antes e agora; 4) pequena indústria e mulheres no Leste; 5) proteção da maternidade e da infância; 6) educação pública e mulheres orientais.


Este congresso será geral, sem considerações partidárias: tem como objetivo um movimento para uma massa ainda virgem, para se interessar pela ação dos soviéticos e das populações femininas, educar as mulheres orientais no espírito comunista e afirmá-las lutando contra os inimigos dos trabalhadores. Mas como é preciso levar em conta todas as peculiaridades econômicas e tradicionais do Oriente, foi decidido convocar após o congresso uma conferência de mulheres comunistas muçulmanas para examinar várias questões organizacionais e de programa relativas à libertação das mulheres orientais.


Teremos que concentrar nossos esforços em dois pontos principais: agrupar e reunir as forças dispersas de mulheres artesãs nas localidades onde o capital industrial já largou suas mãos pesadas sobre o proletariado oriental, reunindo os elementos agrícolas, semi-nômades ou nômades em torno de cooperativas agrícolas, e, por outro lado, para arrastar as massas femininas para a ação educacional e, mais tarde, política, das nossas seções de instrução pública. Educação e ciência serão no Oriente, mais do que em qualquer outro lugar, o mais seguro instrumento de libertação. A própria vida dita a necessidade de uma relação estreita entre as mulheres e as entidades educativas.


Quanto mais se estenda a ação do nossas seções femininas, mais rápido o comunismo será estabelecido no Oriente e mais decisivo será o golpe desferido sobre o imperialismo ocidental pelas forças recolhidas do proletariado oriental despertado de seu sono secular.


Por Alexandra Kollontai


Bulletin communiste, nº. 11, 17 de março de 1921


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg