top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Há 125 anos, nas Filipinas os EUA iniciavam sua conquista imperialista global"

 

Há exatamente 125 anos, as forças de ocupação colonial americana dispararam contra soldados filipinos que atravessavam uma ponte em San Juan, Manila (atual cidade de San Juan), desencadeando hostilidades armadas que assinalaram o início da guerra filipino-americana e o massacre de milhares de pessoas no decurso da guerra sangrenta de colonização norte-americana das Filipinas. Também sinalizou o início da conquista global imperialista dos EUA através da guerra e do terror.

 

Hoje recordamos a resistência feroz do povo filipino e dos seus combatentes revolucionários contra os agressores coloniais dos EUA. Apesar de estarem armadas com armas inferiores contra os estadunidenses, as massas do povo filipino lutaram com infinita coragem e valor. Eles mostraram grande determinação, disposição para pagar todos os sacrifícios e dar suas vidas sem hesitação para defender sua liberdade arduamente conquistada. Resistiram com energia indomável ao esquema imperialista dos EUA para tirar a vitória que obtiveram ao derrotar o colonialismo espanhol.

 

Apesar da sua superioridade em armas, os agressores coloniais dos EUA levaram mais de uma década para suprimir completamente as revoltas e a resistência armada do povo filipino. O povo filipino e os combatentes da resistência lutaram em todo o país na sua determinação de repelir os novos ocupantes armados estrangeiros.

 

Os imperialistas norte-americanos desencadearam uma guerra de terror ao empregar as piores formas de repressão no seu objetivo de subjugar as Filipinas. As suas tropas coloniais adaptaram tácticas de terra arrasada e atrocidades indescritíveis de formas desumanas de tortura (incluindo o chamado water boarding), mutilações, execuções e massacres de comunidades inteiras. Pelo menos 200 mil civis filipinos foram mortos na violência colonial dos EUA e cerca de um milhão morreram durante a guerra de supressão de 1899 a meados da década de 1910.

 

Os tiros em San Juan (onde hoje fica a Ponte Pinaglabanan) assinalaram o início das guerras globais de agressão dos EUA que continuariam ao longo do próximo século até hoje em dia. Estas mesmas táticas de repressão brutal utilizadas pelos EUA para reprimir o povo filipino, combinadas com a guerra psicológica e o colonialismo cultural (através da imposição de ideias e preconceitos pró-EUA através das escolas e dos meios de comunicação social), serão adaptadas e agravadas (“reforçadas”) pela as forças coloniais dos EUA nas suas sucessivas guerras de agressão, do Vietnã ao Afeganistão.

 

Os ecos dos tiros disparados pelos agressores coloniais dos EUA há 125 anos em San Juan continuam a ser ouvidos em todo o mundo hoje, com cada bomba lançada por Israel apoiado pelos EUA na Faixa de Gaza, bem como nos ataques com mísseis dos EUA no Iêmen, Iraque e na Síria, bem como em todas as bombas e mísseis fabricados nos EUA e disparados pelas Forças Armadas das Filipinas, treinadas e controladas pelos Estados Unidos.

 

É propício e justo para o povo filipino que, embora se lembrem hoje de como os seus combatentes revolucionários resistiram valentemente à agressão colonial dos EUA, também afirmem a solidariedade revolucionária com o povo palestino e com todos os povos do mundo que lutam para libertar as suas nações das garras do imperialismo.

 

Hoje, os EUA continuam a submeter as Filipinas ao domínio neocolonial ou semicolonial. Depois de um século de destruição de vastas florestas e de transformação de vastas áreas em plantações, os capitalistas monopolistas dos EUA continuam a saquear o país dos seus recursos naturais e mão-de-obra barata.

 

Há mais de cem anos que os EUA também utilizam as Filipinas como trampolim militar para travar guerras de agressão em todo o mundo. Desde que o regime fantoche de Marcos Jr. chegou ao poder, os EUA têm estado em um frenesim de construção de bases e instalações militares ao abrigo do Acordo Reforçado de Cooperação em Defesa (EDCA), o que tem o efeito de arrastar as Filipinas para a sua estratégia geopolítica de cercar e conter a China e provocando-o para a guerra.

 

Nenhuma quantidade de terrorismo desencadeado pelos EUA ao longo do século passado e mais, conseguiu suprimir completamente a aspiração do povo filipino de ser livre. A luta contra a opressão colonial e neocolonial dos EUA perseverará ao longo de todo o século, inicialmente irrompendo em revoltas espontâneas e, em última análise, travada através da resistência armada anti-imperialista prolongada pelo Novo Exército Popular e liderada pelo Partido Comunista das Filipinas ao longo das últimas cinco décadas e meia.

 

No meio dos sofrimentos intoleráveis ​​sob a dominação imperialista dos EUA, a prolongada resistência armada do povo filipino continuará a perseverar. Eles estão perfeitamente conscientes de como o imperialismo dos EUA não é invencível e de como foi derrotado na Coreia, no Vietnã, no Afeganistão e em outros lugares através da luta determinada das massas. O povo filipino, unido sob a liderança da classe trabalhadora, está fadado a alcançar a vitória e a libertação nacional.

 

Por Marcos Valbuena, do Partido Comunista das Filipinas

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg