top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Lenin, entre aqueles que não morrem"


Vladimir Ilich Lenin, o principal líder da revolução de outubro na Rússia, e fundador do primeiro estado de trabalhadores e camponeses do mundo, morreu em 21 de janeiro de 1924, fez cem anos nesta semana; Mas suas ideias e contribuições para a teoria revolucionária cobram força a cada novo dia.

 

Esse líder revolucionário russo e bolchevique foi o autor de um trabalho teórico e prático baseado no marxismo, que, ao aplicar as teorias de Karl Marx e Friedrich Engels, formou o corpo teórico conhecido como marxismo-leninismo.

 

Embora internacionalmente seja conhecido por Lenin, seu nome verdadeiro era Vladimir Ilich Ulianov. Ele nasceu em Simbirsk, em 22 de abril de 1870, em uma família consagrada à educação popular e à disseminação da cultura e da qual o quarto filho resultou. O primogênito foi executado quando o futuro Lenin era adolescente, por sua participação nos preparativos para um ataque a Czar Alejandro III.

 

Em 1887, Volodia (como aqueles que têm seu nome chamam na Rússia) entraram na Universidade de Kazan, para estudar direito, depois de terminar com as maiores honras de seus estudos no ensino médio, mas logo ele seria expulso, por suas atividades anti-monarquistas.

 

Determinado a se formar, fez estudos por si mesmo e se formou na Universidade de São Petersburgo, sempre ligado aos círculos marxistas e ao movimento proletário incipiente desta cidade. Ele publicou em 1894 uma crítica de argumentos aos populistas e foi preso por sua participação na recém-fundada União da Luta pela Emancipação da Classe Trabalhadora.

 

Na prisão, Lenin escreveu o livro que publicaria mais tarde em 1889, sob o título “O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia”, usando sua irmã Ana e Nadezhda Krupskaya como mensageiras, essa última que mais tarde também seria presa. Eles se conheceram no exílio na Sibéria, e lá se casaram, em 1898.

 

Aos 30 anos, seu primeiro exílio começa na Suíça, onde lançou um projeto antigo: a publicação de “Iskra”, um jornal social-democrata de alcance nacional. Em dezembro de 1901, ele começou a assinar como Lenin, em vez de seu nome ou os pseudônimos de K. Tulin ou V. Ilin.

 

A aparência, em março de 1902, do livro “O que Fazer?”, um de seus trabalhos mais importantes, o identifica como o líder dos marxistas russos. Lenin exigiu a necessidade de uma organização revolucionária profissional e defendeu a ideia do partido como vanguarda da classe trabalhadora.

 

Esse trabalho desencadeou a controvérsia dentro do Segundo Congresso dos Social-democratas russos em torno de como estruturar o partido, que consumiu a ruptura definitiva entre os seguidores de Lenin, chamada bolcheviques (maioria) e os mencheviques (minoria).

 

Em 1905, Lenin retornou à Rússia para ingressar em uma revolução espontânea. Após a derrota das massas populares, foi forçado a exilar novamente. Naqueles anos de reação, reuniu e reforçou as fileiras dos bolcheviques, em seus esforços para criar um partido revolucionário marxista.

 

Em 1916, ele publicou “O Imperialismo, a Fase Superior do Capitalismo”, um texto em que analisa o sistema com suas características modernas e argumenta, refutando outra tese, que a revolução socialista era possível, mesmo em países atrasados ​​como a Rússia.

 

Ele retornou à sua terra natal em abril de 1917. Um amplo movimento popular havia derrubado o czarismo e havia uma dualidade de poderes entre o governo provisório burguês e os soviéticos de trabalhadores, camponeses e soldados organizados em todo o país. Lenin mergulhou em se esconder, pois havia um mandado de prisão contra sua pessoa e, em 23 de outubro (dia 10, de acordo com o calendário russo da época), o Comitê Central do Partido Bolchevique adotou sua proposta de insurreição.

 

Uma vez que o poder, Lenin e os bolcheviques promulgaram três decretos: a da Terra, que prescreveu a propriedade do proprietário e entregou a terra aos camponeses; o da Paz, através do qual a Rússia deixou a guerra imperialista iniciada em 1914; e a das Nacionalidades, pela qual a opção de independência ou integrar a República Socialista Federativa Soviética da Rússia foi concedida às nações antigas subjugadas pelo czarismo.

 

Durante anos, especialmente entre 1918 e 1920, as forças contrarrevolucionárias tentaram derrubar o nascente Estado Soviético, com o apoio das potências ocidentais, especialmente a França e os Estados Unidos. Ao exército da contrarrevolução, comandado por ex-generais czaristas, foi derrotado pelo Exército Vermelho composto por camponeses e trabalhadores. O país ficou devastado, a economia e a fome agredidas se estendiam a grandes regiões. O maior desafio da revolução foi a reconstrução econômica da Rússia, uma tarefa que Lenin enfrentou imediatamente.

 

A ideia central de seu plano era reorganizar as pequenas economias camponesas individuais, transformando-as em grandes propriedades coletivas mecanizadas e aprimorar o papel do Estado na construção da nova sociedade socialista. As condições mais importantes para colocar a pequena economia camponesa em relação às estradas socialistas da cooperação foram a vitória da Revolução Socialista e o estabelecimento do poder dos trabalhadores, a aliança da classe trabalhadora com os camponeses sob a direção do primeiro, o papel que governa o papel da propriedade de toda a cidade e desenvolva a indústria pesada.

 

Lenin entendeu que o Estado da Ditadura do Proletariado deveria direcionar a cooperação, fornecer todos os tipos de ajuda ao campo, incluindo ajuda técnica, financeira e cultural, e concedeu grande importância às organizações de patrocínio formadas por trabalhadores e plantas industriais.

 

Suas ideias sobre a aprovação de massas de trabalho camponesas para formas coletivas de organização, o trabalho na agricultura também exerceu uma influência revolucionária sobre os trabalhadores dos países capitalistas, especialmente nos países em desenvolvimento.

 

Em 30 de agosto de 1918, ele foi objeto de um ataque, executado por Fanny Roid Kaplan, um socialista moderado, que originou um amplo movimento de depuração nas fileiras revolucionárias.

 

Apesar das dificuldades da guerra civil, Lenin não abandonou os princípios internacionalistas, e no dia 2 de março de 1919, em Moscou, realizou o primeiro Congresso da III Internacional, em solidariedade aos movimentos operários, comunistas e de libertação nacional na Ásia. Para integrar as diferentes nacionalidades do território russo, Lenin proclamou, em 30 de dezembro de 1922, a criação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

 

Em março de 1922, pela última vez, participou de um congresso do partido bolchevique. Um mês depois, o intervieram cirurgicamente, para extrair as balas que continuaram alojadas em seu corpo desde o ataque sofrido em 1919, e que causou sequelas sérias. Desde então, só tinha pequenos momentos em que melhorou parcialmente. Mesmo assim, teve a força para ditar seu “Testamento” tão chamado, no qual expressou seu receio sobre a luta pelo poder entre Trotsky e Stalin, dentro do partido.

 

Em 21 de janeiro de 1924, aos 54 anos, uma hemorragia cerebral terminou sua vida. O homem que detesta o culto à personalidade foi embalsamado e exposto em um mausoléu solene da praça vermelha de Moscou, no pé das paredes do Kremlin. Mais de dez milhões de pessoas foram na frente de seu caixão para dar o último tributo entre 1924 e 1972. De setembro de 2012 a maio de 2013, o Mausoléu foi enviado pela primeira vez a obras de restauração integral e, em 15 de maio de 2013, reabriu, completamente reformado.

 

Por ocasião do centenário de seu nascimento, em 22 de abril de 1970, o Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz disse: “Se dissessem ou perguntassem se havia algum homem mais incompreendido do que Lenin, deve-se dizer que não. Mas, por outro lado, seria necessário dizer que não havia mais homem mais compreendido pelo humilde trabalhador, mais compreendido pelo trabalhador, mais compreendido pelas massas do que Lenin. O paradoxo fica surpreso entre o enorme mal-entendido ao seu redor e o imenso entendimento que ele sempre encontrou nas massas, e esse foi um fator decisivo em cada um dos momentos mais críticos e mais difíceis desse processo revolucionário: as condições no meio do que Lenin defende a tese de tomar o poder e a oportunidade de fazê-lo, apoiada pelas massas do partido que ele havia falsificado por quase 20 anos e para um punhado de homens, dos discípulos que foram capazes de entendê-lo”.

 

Do Granma

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg