top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Gaza e o 'nada justifica...'"



Um mês após a operação “Dilúvio de al-Aqsa”, do Hamas, de Harakat al-Muqáwama al-Islamiya (Movimento de Resistência Islâmica), adaptado às necessidades políticas do primeiro-ministro sionista Benjamín Netanyahu, os governos do mundo seguem ainda sem reações contra a barbárie executada contra o povo palestino, que já pagou com mais de dez mil mortes, as ações do último 7 de outubro.


De qualquer forma, não há dúvida de que os crimes continuarão a acontecer. Além do necessário, porque para os planos do sionismo não atingem, 10 mil a mais, 30 mil a mais, ou 50 mil a mais, embora talvez com os dois milhões e trezentos mil palestinos, se necessário, para terminar, ocupando toda a faixa de Gaza.


O plano inicial de Tel Aviv, destinado a apreender apenas do norte da faixa, em vista da piscadela das potências ocidentais e do silêncio do resto do mundo, os invasores vão para tudo.

Dada a prostração ativa e histórica, perante os Estados Unidos, Amã e Cairo, é uma opção cada vez mais concreta, que os palestinos que conseguem sobreviver e podem escapar do massacre, são realocados em campos localizados no norte da Península do Sinai, pelo qual o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi já está sendo pressionado e no deserto iraquiano de Al-Anbar, perto da fronteira da Jordânia, país no qual mais da metade 11 onze milhões de habitantes são palestinos ou descendentes. Além disso, dois milhões de refugiados chegaram nos últimos anos. Aqueles que vivem em campos como o de Jabal al-Hussein, habitados por cerca de 30 mil, que, dadas suas condições de vida, seu destino limitado, representam uma bomba, que explode se for agitada, como está sendo atualmente.


Enquanto as potências ocidentais, em vez de interromper as ações criminosas das Forças de Defesa de Israel (IDE), procuram depositar os despojos da guerra, como se era conhecido, a província iraquiana al-Anbar, nas últimas semanas, foi visitada, com muito segredo, por altos funcionários da Embaixada Britânica, que rastreia planos para a construção de complexos habitacionais de baixo custo, financiados por Londres. Além disso, são realizados estudos sobre dessalinização da água. Isso acendeu os alarmes de Bagdá, já que as autoridades britânicas, assim apegadas às tradições, seguiriam as etapas do tenente-coronel Thomas Edward Lawrence, mais conhecido como Lawrence na Arábia, quando se encontra com sheikhs tribais, daquela província, para incentivá-los à criação de um estado autônomo em Al-Anbar.


Com esses novos crimes e aqueles que virão, Netanyahu conseguiu enterrar, os múltiplos crimes do que ele foi acusado (suborno, fraude e abuso de confiança). O calibre das imputações, que vem de longe, na época forçado, o então presidente dos EUA, Donald Trump, a se afastar, no relacionamento promíscuo que mantinham. Além disso, em 2017, Trump chegou à insolência de declarar Al-Quds, também conhecido como Jerusalém, o terceiro local sagrado do Islã, como capital não dividida de Israel.


A iminente perturbação política do genocida sionista o levou a tentar cooptar do Judiciário, a escapar de sentenças que poderiam colocá-lo na prisão, que a última tentativa que havia feito, que milhares de pessoas se lançariam nas ruas de todas as cidades israelenses, exigindo sua renúncia. Diante de tanta dissimulação, o que melhor do que sacudir o fantasma palestino e apagar tudo em fogo.


Netanyahu, em sua reação transbordante contra Gaza, não apenas conseguiu esconder suas questões judiciais, mas agora aspira a se tornar o executor do longo plano de Theodor Herzl, 1897, a criação do Eretz Israel (terra de Israel). Para esse fim, o regime sionista, não apenas deve acabar a limpeza étnica dos palestinos, começou com a ocupação de 1947, que ainda sobrevivem em extintas Palestina (Gaza e a Cisjordânia), mas avançará na época, através do tempo através dos territórios que pertencem ao Egito, Síria, Líbano e Jordânia, o que significará décadas de mais guerras.


Enquanto isso, as IDF, os civis são treinados e bombardeiam hospitais, escolas e campos de refugiados, onde centenas de pessoas se refugiaram, depois que suas casas foram destruídas.


Justo para os pecadores

Será Netanyahu, a pessoa responsável pela violência que os judeus em todo o mundo, mesmo os milhões que apoiam a causa palestina e veem o governo de Tel Aviv, como assassino, além de corrupto.


Será um erro, não apenas estúpido, mas criminoso, responsabilizar os judeus pelas atrocidades do sionismo, mais ou menos, como acusar todos os alemães nazistas, mas sem dúvida os judeus do mundo se tornaram alvos móveis.


Imediatamente após os ataques do Hamas, muito antes do início das ações em Gaza, na cidade egípcia de Alexandria, um policial assassinou dois turistas israelenses e seu guia. Embora até agora tenha sido um episódio isolado que só pode ser adicionado ao assassinato de professor em uma escola ao norte da França, fundamentalistas muçulmanos ocidentais e supremacia, sob o pretexto de Gaza, liberarão ódio visceral contra o judeu.


Embora não tenham sido conhecidas mais mortes, houve episódios. Pelo menos, confuso, que prejudicaram a integridade de dezenas de israelenses: no final de outubro, o aeroporto de Makhachkala, no Daguestão (Federação Russa), foi agredida por centenas de pessoas, presumivelmente muçulmanas, em busca da passagem de uma fuga de Tel Aviv, que teve que se refugiar nos aviões, para não cair nas mãos dos manifestantes, até que a polícia, com muito esforço, conseguiu contê-los. Enquanto em Khasavyurt, os manifestantes cercaram um hotel, “suspeito” de abrigar judeus. Mais tarde, sabia-se que, na cidade de Nalchik, capital da República de Kabardino-Balkaria, da Federação Russa, um centro judeu em construção foi incendiado.


Em várias cidades alemãs, horas após o ataque do Hamas, houve celebrações nas ruas, em frente à passividade da polícia, apesar das leis que proíbem expressões de ódio antissemita. Dez dias após esses fatos, uma sinagoga foi atacada em Berlim.


Como resultado disso, o governo alemão iniciou uma caçada, contra qualquer voz que se eleva, em apoio à Palestina, por exemplo, na feira de livros de Frankfurt, talvez a mais importante do mundo em seu tipo, um ato importante foi cancelado do prêmio ao escritor palestino Adania Shibli, enquanto diferentes intelectuais e artistas que se expressaram publicamente contra o genocídio de Gaza, como o músico britânico Brian Eno, ou o autor Achille Mbembe também foram censurados.


Substituindo a situação, que se lembra das sanções absurdas contra Moscou, após o início da contra-ofensiva russa contra a OTAN na Ucrânia, mais em tentar ser diligente, antes do triplo eixo Washington-Londres-Tel Aviv, praticamente em todos os países do Ocidente, a segurança da embaixada, sinagogas e qualquer um que represente interesses israelenses ou comunidades judaicas locais foram reforçadas, além de proibir expressões pela Palestina.


De qualquer forma, na maioria das grandes cidades do mundo, as manifestações são reproduzidas ao reivindicar ao regime sionista o fim do genocídio, enquanto os oportunistas sempre neonazistas e supremacistas aproveitam a oportunidade para expressar seu ódio a tudo o que é judeu. Somente na França desde 7 de outubro, mais de setecentas ações antijudaicas foram executadas.


Além do molotov lançada contra a sinagoga de Berlim, foram atacados a simbologia nazista nas paredes de diferentes cidades francesas e numerosas lojas de alimentos kosher.


O local comum e de vazio de: “nada justifica...” tão usado para as boas consciências sempre, que a longo prazo justifica Netanyahu, soará novamente, enquanto Gaza permanece martirizada.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg