top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"'Dilúvio de Al-Aqsa': um novo nível de resistência armada na Palestina"



O mundo inteiro estremeceu quando as Brigadas Izz Ad-Din Al-Qassam, o branco armado do Hamas da Palestina, organizaram uma ousada ação armada que destruiu o terrorismo de Israel e o controle opressivo sobre Gaza. A operação Al-Aqsa Flood começou na madrugada de 7 de outubro com o disparo de mísseis direcionados às bases e forças militares israelenses.


Isto foi seguido pelo ataque de milhares de palestinos armados que romperam os muros de Israel que aprisionavam Gaza. Eles rapidamente dominaram e capturaram dezenas de forças israelenses.


O Hamas declarou que, em primeiro lugar, o “Dilúvio de Al-Aqsa” foi uma ação armada defensiva em resposta ao sofrimento do povo de 75 anos sob a ocupação brutal de Israel. Em segundo lugar, que cumpra as leis da guerra, visando assim principalmente as forças armadas de Israel e dando primazia à segurança dos civis.


“Durante os últimos 75 anos, o povo palestino tem estado ansioso por liberdade e autodeterminação”, disse a liderança do Hamas em uma declaração em vídeo. O gozo deste direito humano básico tem sido obstruído pela ocupação sionista e pelo fracasso da comunidade internacional em cumprir as suas obrigações, em conformidade com as muitas resoluções das Nações Unidas que garantem os direitos nacionais da Palestina.


“Ninguém pode negar o direito de qualquer povo sob ocupação de resistir aos seus ocupantes por todos os meios disponíveis, incluindo a resistência armada”, disse o Hamas. Afirmou que alertou repetidamente sobre a explosão da ira do povo palestino sobre a impunidade de Israel e as graves atrocidades. Estas incluem as repetidas invasões da mesquita de Al-Aqsa pelas forças israelenses, que os palestinos consideram sagradas, a ocupação das restantes áreas em Jerusalém e as atrocidades contra prisioneiros políticos. O Hamas também citou o cerco implacável de Israel a Gaza, que durou 17 anos, e a construção de um muro para manter milhões de palestinos dentro da chamada “maior prisão ao ar livre”.


“A heroica resistência palestina abriu um capítulo de batalhas pela dignidade”, declarou o Masar Badil (Movimento do Caminho Revolucionário Alternativo Palestino).


A Frente Popular para a Libertação da Palestina também apelou a todos os palestinos na Cisjordânia, Al Quds e territórios ocupados por Israel para “agirem e desencadearem uma intifada abrangente face a este inimigo criminoso e aos rebanhos dos seus colonos” em resposta ao massacre israelense.


Ocupação brutal


A nação Palestina foi violentamente esmagada em 1948 na chamada Nakba (Catástrofe) que veio com a formação do Estado israelense. Estima-se que 500 comunidades foram destruídas, 15 mil palestinos foram mortos e 750 mil foram despejados pelos então paramilitares sionistas. Ocupou 78% da então nação palestina, levando os palestinos a assentamentos separados na Cisjordânia e em Gaza.


Nas décadas seguintes, milhares de palestinos foram mortos e milhões foram evacuados pelo insaciável desinvestimento de terras e recursos por parte do regime sionista. Até 250 “assentamentos” foram construídos ilegalmente na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. Só neste último local, Israel confiscou até 100 mil hectares.


O regime sionista assumiu o controle da riqueza e dos recursos e de todos os aspectos da vida palestina, especialmente na Cisjordânia. Em conluio com a Autoridade Palestina, criada e financiada por Israel e pelos EUA, criou uma máquina fascista para suprimir todas as lutas do povo palestino e aniquilá-lo gradualmente. Além da opressão e da violência diárias, pelo menos quatro grandes campanhas militares foram lançadas em Gaza desde 2007, em uma tentativa de subjugar e eventualmente silenciar a resistência do povo aqui.


Do Ang Bayan

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg