top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Bloquear o Comércio Exterior é como apertar o pescoço da Ilha"



O comércio Exterior cubano sofreu uma diminuição notável no último ano devido ao impacto do bloqueio económico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra a Ilha. Os danos, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, atingem a cifra de 3,081 bilhões de dólares.


Isto é revelado pelo relatório de Cuba em conformidade com a resolução 77/7 da Assembleia Geral das Nações Unidas, intitulada “Necessidade de acabar com o bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América contra Cuba”, que afirma que os volumes de importação foram particularmente afetados; ao mesmo tempo, o aumento dos custos de aquisição de bens provocou uma diminuição do financiamento real para apoiar os planos da economia.


Devido à inclusão de Cuba na lista unilateral de Estados patrocinadores do terrorismo, verifica-se um aumento dos preços dos negócios com investimento estrangeiro, bem como o cancelamento de operações comerciais, ações de cooperação e projetos de investimento que se encontravam em diferentes níveis de desenvolvimento.


Além disso, as instituições bancário-financeiras também sofreram consequências negativas, uma vez que se recusam a trabalhar com entidades cubanas por medo de serem sancionadas.


Tal como nos anos anteriores, as maiores perdas são observadas nas receitas provenientes das exportações de bens e serviços, que ascendem a 1,808 bilhões de dólares; enquanto o setor mais afetado neste sentido continua a ser o turismo, que representa aproximadamente 58,5% das perdas totais.


Também não é possível exportar para os EUA, o que causou prejuízos ao setor agrícola cubano no valor de 248,9 milhões de dólares, 8% mais que no período anterior.


Por outro lado, continuam as restrições à importação de produtos agroalimentares daquele país, obrigando a empresa Alimport a assumir despesas adicionais para participar neste comércio irregular, que só funciona em um sentido, já que Cuba não tem acesso a financiamento. os bancos norte-americanos ou o sistema de crédito internacional para este tipo de operações, devido ao chamado “risco país”.


As entidades cubanas estão, portanto, expostas à dependência de outros credores, o que acarreta custos financeiros aproximadamente 5% superiores aos habituais.


Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg