top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"FMI-Banco Mundial: ferramenta imperialista dos EUA para reavivar o seu domínio"



Os povos do mundo exigem responsabilidade! Encerramento do Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial!


O Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) concluíram as suas ostentosas reuniões Anuais em Marraquexe no Marrocos. Durante três anos consecutivos, realizou o seu encontro de líderes estatais, de bancos centrais e de empresas do Sul Global. Com a hegemonia dos EUA em declínio, o FMI-Banco Mundial persiste em promover mais privatizações dos serviços sociais, desregulamentação econômica e liberalização do investimento, tudo em detrimento das massas.


A reunião em Marraquexe é mais uma tentativa de desviar a atenção da sua responsabilidade pelo agravamento das condições das pessoas no Sul Global. Já sofremos o suficiente com a pobreza e a subserviência resultantes dos nossos governos fantoches a estas instituições. Os apelos à responsabilização e ao encerramento do FMI-BANCO MUNDIAL ressoam mais alto do que nunca.


A Liga Internacional das Lutas dos Povos (ILPS) mantém-se unida ao movimento popular global e aos seus aliados na luta incansável contra o FMI e o Banco Mundial. O seu historial revela que são instrumentos do imperialismo, agarrados ao dogma neoliberal, sem qualquer consideração pelo bem-estar do povo.


Instituições de desapropriação e exploração


O FMI e o Banco Mundial continuam a ser ferramentas do imperialismo norte-americano. Enquanto principal potência imperialista, os EUA exercem o seu domínio político e econômico sobre as nações subdesenvolvidas, promovendo a dependência da dívida externa e dos investimentos.


Durante décadas, o Grupo FMI-Banco Mundial impôs um regime de colonialismo de mercado e genocídio econômico, exercendo empréstimos condicionais com os serviços do programa sombra do FMI como pré-requisitos. Não só financiam a agricultura corporativa, mas também pressionam os estados a reformularem as suas políticas fundiárias ao serviço destas agrocorporações.


Pior ainda, o Fundo e o Banco têm pressionado para que as agendas nacionais de desenvolvimento nos países em desenvolvimento se desviem continuamente de programas genuínos e redistributivos de reforma agrária. Os países pobres reestruturaram as políticas fundiárias para acomodar os investimentos estrangeiros, que em muitos casos fazem parceria com as elites fundiárias locais. Isto agrava ainda mais a falta de terra e a desapropriação dos povos rurais.


O FMI liderado pelos EUA tem prosseguido incansavelmente medidas de austeridade e estratégias orientadas para o lucro em nome da “recuperação econômica” após a crise financeira de 2008 e as consequências da pandemia de Covid-19. Estas medidas significaram duplicar o pagamento da dívida, o que levou à deterioração e à privatização de serviços essenciais para o povo, ao mesmo tempo que suprimiu os salários mínimos e condenou milhares de milhões de trabalhadores à pobreza extrema. Este padrão destrutivo tem sido dolorosamente evidente na Grécia e agora a mesma história desenrola-se no Sri Lanka, no Paquistão e em outros países.


O imperialismo, em conluio com as elites locais e os regimes fantoches do Sul Global, rejeitou as aspirações de economias autossuficientes e independentes. Conseguiu-o através de ajustamentos impulsionados pelo FMI, transformando tanto as antigas como as novas colônias em economias orientadas para a exportação, dependentes de matérias-primas e endividadas. Este ciclo de subserviência deve ser quebrado.


FMI é culpado de apoiar ditadores, alimentando conflitos


Os EUA, juntamente com outros imperialistas ocidentais, criaram o FMI-Banco Mundial no rescaldo da Segunda Guerra Mundial e da Grande Depressão, aparentemente para financiar esforços de reconstrução. A história, no entanto, mostrou que em tempos de turbulência econômica e política, estas instituições justificaram os seus mandatos para perpetuar a supremacia do capital privado dos EUA sobre as economias do Sul global.


Estas instituições financeiras não são apenas instrumentos de dominação económica, mas também têm sido cúmplices no apoio a regimes fascistas e no fomento de conflitos. Nas décadas de 1960 e 1970, o FMI e o Banco Mundial conduziram o manual neoliberal através do financiamento ativo e do conluio com ditaduras no Brasil, no Chile e nas Filipinas.


Mais recentemente, o FMI continuou a conceder empréstimos à junta governamental de Mianmar, apesar das evidências de que estes empréstimos irão piorar a situação dos direitos e impor outro fardo de dívida ao povo birmanês.


Estas ditaduras transformaram os empréstimos do Banco e do Fundo em armas para reforçar o seu poder, reprimir o povo e servir interesses privados.


O FMI e o Banco Mundial desempenharam papéis na reconstrução pós-conflito no Ruanda, Timor Leste, Bósnia-Herzegovina, Palestina, El Salvador e Líbano. Hoje, o FMI e o Banco Mundial aumentaram o seu envolvimento e recursos na “construção da paz”. O Banco Mundial identificou a intervenção em conflitos como uma “prioridade central”, atribuindo substanciais 20/25% dos seus empréstimos ao financiamento relacionado com conflitos.


O recente ponto de inflamação no Níger expõe claramente a interferência das potências imperialistas. Através do apoio dos EUA e da França, a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) ameaçou uma intervenção militar no país da África Ocidental após a derrubada do regime fantoche de Mohamad Bazoum em 26 de julho, com ajuda técnica, financeira e aconselhamento político, impôs precipitadamente sanções econômicas a uma das nações mais empobrecidas do mundo. Os povos da África Ocidental afirmaram que qualquer intervenção militar da CEDEAO e do Ocidente equivaleria a uma declaração de guerra contra as suas nações soberanas.


Como ferramentas do imperialismo, exploraram estas situações turbulentas para desgastar ainda mais a soberania popular e implementar reformas neoliberais. Isto abriu invariavelmente o caminho para que o imperialismo norte-americano garantisse e estabelecesse um ambiente propício à incursão de grandes corporações e de capital privado.


Hora de desligá-lo


Em uma situação em que a hegemonia dos EUA está a ser desafiada, mobiliza agressivamente as suas instituições para reforçar o seu controlo sobre as suas neocolónias e garantir os seus interesses geopolíticos. O FMI-Banco Mundial, em sintonia com o imperialismo norte-americano, pretende expandir o seu âmbito integrando as preocupações de gênero e climáticas, tentando recuperar relevância no meio de uma multiplicidade de crises. Em conluio com governos fantoches reacionários locais, o FMI-Banco Mundial continua a impor a detestada política da globalização neoliberal, transferindo o fardo da crise para os povos e nações oprimidos.


Pior ainda, pressiona para ampliar a sua influência em regiões assoladas por conflitos. A hipocrisia das instituições de Bretton Woods é gritante –afirmam abordar a fragilidade e os riscos de conflito, mas são cúmplices das próprias estruturas de poder que geram desigualdade e alimentam guerras de agressão.


Consideramos o imperialismo dos EUA e as suas coortes locais totalmente responsáveis ​​pela fome, pela desigualdade e pela pobreza extrema, tornada mais insuportável pelo contínuo regime político neoliberal do FMI-Banco Mundial. Provámos que podemos desafiar estas instituições e obter vitórias para o povo.


Ao longo da história, persistiu um legado de resistência militante do povo contra o FMI e o Banco Mundial. De 1976 a 1985, as comunidades indígenas no norte das Filipinas opuseram-se corajosamente ao destrutivo Projeto das Barragens de Chico, financiado pelo Banco Mundial. Esta vitória continua a alimentar a sua determinação em desafiar as forças imperialistas e recuperar a autodeterminação sobre a sua terra.


Nas últimas décadas, as campanhas lideradas pelo povo persistiram, expondo os projetos antipopulares de governos fantoches financiados por estas instituições imperialistas. O povo libanês frustrou o empréstimo de 474 milhões de dólares do Banco Mundial para a barragem do Vale Bisri, marcando uma vitória significativa contra a agressão ao desenvolvimento. Em Uganda, ações incansáveis ​​levaram ao cancelamento do Projeto de Desenvolvimento do Setor de Transportes financiado pelo Banco Mundial, assolado por questões de apropriação de terras e assédio sexual. Em 2016, o Banco Mundial foi forçado a retirar o seu apoio ao projeto de assistência técnica ao desenvolvimento de energia hidrelétrica de média dimensão e Inga-3 Basse Chute na República Democrática do Congo, na sequência da oposição militante do povo congolês.


Estes sublinham o espírito indomável da ação coletiva, demonstrando que através da solidariedade e da militância, as comunidades e os movimentos podem triunfar sobre os administradores do imperialismo.


A ILPS permanece unida e decidida na luta ao lado de organizações democráticas e anti-imperialistas, comunidades e movimentos populares contra o imperialismo dos EUA e toda a reação. Exigimos o fim dos seus ditames económicos que causaram décadas de sofrimento e subdesenvolvimento. Um mundo sem imperialismo e sem a ordem política e económica global exploradora e opressiva que eles perpetuam não só é possível como é uma necessidade à medida que reivindicamos os nossos direitos e pavimentamos o nosso futuro. Chegou a hora de acabar o FMI-Banco Mundial e derrubar o imperialismo dos EUA!


15 de outubro de 2023


Por Len Cooper, presidente do ILPS


0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg