top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A imensidão humana de Pablo Neruda"



É cumprido meio século de morte (assassinato?) O grande poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973). 50 anos do outono, em combate desigual, de seu amigo cativante, o heroico presidente Salvador Allende (1908-1973).


Esse golpe brutal contra o governo de Allende mergulhou o país em um banho do sangue e desaparecimentos mais assustadores na história da violência na América Latina. Com o cinismo absoluto, o Conselho de Castrense tentou oferecer uma imagem de "respeito" em relação ao Prêmio Nobel de Literatura de 1971; mas, na verdade, os soldados foram ensinados contra ele e suas propriedades; eles destruíram papéis, livros e objetos valorizados durante décadas. E, sem dúvida, a dor antes do que aconteceu com seus compatriotas e o frágil estado de saúde apresentado em 1973, contribuiu para acelerar a morte do autor de Crepusculario (1923), Veinte poemas de amor y una canción desesperada (1924), Residencia en la Tierra (1925-1935), España en el corazón (1936) y Canción de gesta (1960), entre muitas outras obras.


Algo é conhecido pela produção lírica de Neruda. Quem não se lembra de textos como o seguinte? Farwell (Eu amo o amor dos marinheiros / que beijam e saem); Poema 20 (eu posso escrever os versos mais tristes hoje à noite. / Escreva, por exemplo: a noite é estrelada, / e arremesso, azul, as estrelas, longe); Ou a angústia do orador lírico de andar por aí (acontece que eu me canso de ser homem. No entanto, pouco se sabe sobre seu extraordinário trabalho humanista e revolucionário, como a queixa do crime de García Lorca em 1936 (ele foi um dos amigos mais cativantes de Granada), ou os inúmeros esforços feitos para resgatar o poeta e combatente Miguel Hernández, seu apoio decisivo ao Congresso da Cultura de Madri e Valencia, em 1937 e, então, a salvação de milhares de espanhóis após a derrota da República.


Em 1946, Juan Ramón Jiménez o considera “o poeta mais poderoso da América Latina, depois de Rubén Darío”. Por seu lado, o chileno Volodia Teiltempoim diz anos depois: “Provavelmente não há poeta estrangeiro no século XX que abriu um sulco tão amplo na Espanha”.


Só em suma, podemos falar sobre a grandeza de Pablo Neruda. Os romancistas também expressam sua devoção ao bardo do Sul, eles a transfiguram em uma entidade de ficção. Na Casa dos Espíritos (1982), Isabel Allende o ergue no mito. A descrição do funeral do poeta, a primeira demonstração pública do povo contra o quadro de golpes, está entre as páginas mais bonitas da literatura latino-americana do século XX.


Com o título de paciência ardente, Antonio Skármeta lança em 1985 uma história comovente, quase paterna, de Neruda com seu jovem carteiro. Romance breve, mas de enormes valores humanos, históricos e poéticos. Seu ajuste ao cinema com o título de O Carteiro de Neruda determinou que as edições subsequentes da ficção carregam esse rótulo.


A salvação de um grande número de espanhóis, tirados por Neruda da França a Valparaíso, em 1939, origina a trama essencial da Largo pétalo del mar (2019), outra dos romances de Isabel Allende sobre Neruda. O poeta “levantou o olhar de pálpebras sonolentas (…) - não temos dinheiro para a passagem, Senhor... / - Ninguém tem. Já veremos. E esqueça o pagamento do visto chileno, que alguns cônsules pretendem coletar (...). Naquele dia de verão, 4 de agosto de 1939 (…) permaneceria para sempre na memória de Víctor Dalmau e dois mil e muitos espanhóis que partiram para este país esticado da América do Sul”. Este era o coração deste poeta universal.


Do Granma

banner-HISTÓRIA-DAS-REVOLUÇÕES.png
Clube-do-Livro-2023.png
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png
bottom of page