top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Contextos do 11 de Setembro chileno"



A Aliança Para o Progresso, uma resposta à Revolução Cubana, foi lançada em 13 de março de 1961 com o discurso do presidente dos EUA, J. F. Kennedy, em uma recepção para embaixadores latino-americanos: “Propomos completar a revolução das Américas, construir um hemisfério onde todos os homens possam ter esperança em um nível de vida adequado e onde todos possam viver suas vidas com dignidade e liberdade”.


Em 1962, o montante inicial prometido para a América Latina de 20 Bilhões de dólares para o desenvolvimento foi reduzido em 40%, por decisão do Congresso dos EUA.


Ao solicitar fundos para sua iniciativa, Kennedy reconheceu que na América Latina “milhões de homens e mulheres sofrem diariamente com a degradação da fome e da pobreza”.


A ideia de que o plano incluía reformas agrárias nos países latino-americanos foi considerada muito socialista por membros do Congresso dos EUA e simplesmente rejeitada silenciosamente pelas burguesias nativas, que aceitaram o dinheiro destinado à Aliança e o desviaram convenientemente para seus próprios cofres.


Outras ideias, como a estabilização dos preços das matérias-primas exportadas pela América Latina, reconhecendo sua dependência da monocultura, também não foram muito bem-sucedidas e não levaram a melhorias significativas no nível de vida dos trabalhadores e camponeses.


A Aliança para o Progresso foi oficialmente aprovada em agosto daquele ano, em Punta del Este, na reunião do Conselho Interamericano de Assuntos Econômicos e Sociais da OEA. Sua ação culminou no fracasso em 1970, com a chegada de Richard Nixon à presidência dos EUA um ano antes, e com a extinção prática do Comitê Interamericano da Aliança para o Progresso.


Com seu fracasso e a mudança para políticas “duras” em relação à América Latina, uma janela pela qual as burguesias nacionalistas de nossa região, com pretensões reformadoras e de desenvolvimento social, poderiam aspirar ao apoio do hegemônico do Norte, foi fechada.


A ilusão de que um imperialismo benevolente poderia ser acomodado, cujo jugo não poderia ser sacudido, mas pelo menos suavizado para se alinhar com um mínimo de aspirações sociais, foi desmoronando com os sucessivos Golpes de Estado na região.


O golpe militar no Brasil em 1964 já anunciava que o imperialismo benevolente era uma ilusão, mas a fachada nacionalista daquele regime funcionava em certo nível para manter o engano.


Com a chegada de um Nixon com poucas intenções de manter as aparências, o truque da ilusão foi definitivamente enterrado com o golpe de estado de Hugo Bánzer em 1971 contra o governo de Juan José Torres na Bolívia, o de Oswaldo López Arellano contra Ramón Ernesto Cruz em Honduras em 1972, o golpe de estado no Uruguai em 1973 e o estabelecimento da junta militar na Argentina em 1974.


No final deste período, 13 governos constitucionais da América Latina haviam sido derrubados por golpes de Estado incentivados ou diretamente apoiados pelos Estados Unidos.


Mas se um evento marcou a ruptura simbólica da época e o fracasso de qualquer possibilidade de conciliação com o imperialismo dos Estados Unidos, foram os vidros quebrados do Palácio de La Moneda em 11 de setembro de 1973. O golpe de estado contra Salvador Allende deixou claro que, nessas circunstâncias da Guerra Fria, os Estados Unidos não permitiriam uma possibilidade democrática de aspirar ao socialismo na América Latina.


Em todos esses países, como poder (ou oposição, no caso do Chile), os “autonomistas” burgueses e os setores de todas as camadas clientelistas fracassaram em estruturar ou se alinhar a um programa que resolvesse os graves problemas sistêmicos e as desigualdades sociais dos países latino-americanos; eram autônomos diante da questão política e econômica essencial da América Latina, que é a contradição decorrente de sua subordinação ao imperialismo norte-americano.


Setores da pequena burguesia, profissionais, funcionários públicos, militares, onde quer que houvesse socialmente castrados com muito medo da radicalização da luta libertadora para optar por ela, diante da evidente ação recolonizadora do imperialismo dos Estados Unidos.


Em todos esses casos, a solidariedade transnacional das classes burguesas e das camadas clientelistas (voluntária ou forçada) prevalecia na suposta busca pela “harmonia” nacional.


Não esqueçamos dessa história ao analisar a realidade concreta, incluindo a nossa.


A justiça social é uma abstração quando não é relacionada com as classes sociais, os modos de produção e as formas de apropriação do que é produzido. Por mais complexa que seja essa relação nas sociedades modernas, o poder político ainda é, em última análise, determinado pelo poder econômico.


Nos vender e acreditar na possibilidade de conciliação de classes é uma ilusão perigosa, especialmente em um processo revolucionário que ocorre diante do maior poder imperial do planeta. Nossa luta de classes fundamental não é contra uma protoburguesia própria, seja em Miami ou em Cuba, em qualquer caso, onde quer que haja, ela é necessariamente clientelista; é contra o grande inimigo burguês de nossa época: o imperialismo norte-americano.


Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg