top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Magreb: refugiados sem permissão para sonhar em ser felizes"




A União Europeia (UE) continua a intensificar as suas operações no Mediterrâneo para impedir a chegada de mais refugiados ao continente, exerce maior pressão política e contribui com milhões de euros para que os países de origem contenham nos seus territórios os milhares de deslocados que sonham com a oportunidade de finalmente chegar a algum ponto da costa europeia. Para além destes esforços, que representam milhares de milhões de euros, 2022 foi o ano em que mais migrantes chegaram desde 2016.


Estes refugiados chegam à costa sul do Mediterrâneo correndo o risco de absolutamente tudo, de que são testemunhas os mortos frequentemente descobertos nas dunas do Saara. Muitos deles depois de terem percorrido milhares de quilômetros desde os seus países de origem, em muitos casos a um elevado preço econômico e de segurança, colocando-se nas mãos de traficantes que, perante qualquer contingência, abandonam-nos com poucas hipóteses de sobrevivência no meio do deserto, longe das rotas mais movimentadas, dado que logicamente os cartéis do tráfico de seres humanos procuram escapar do controle das autoridades locais.


Ignorando esta realidade, a União Europeia só se preocupa em impedir a chegada de mais refugiados às suas costas, prova disso são os mil milhões de euros que acaba de conceder à Tunísia para “combater o tráfico e sustentar a economia do país em crise” depois de ter falhado outro acordo entre o cada vez mais obstinado presidente tunisiano Kais Saïed e a União Europeia há poucos dias.


Nos últimos meses, a Tunísia, e em particular o porto de Sfax, tornou-se o principal centro de irradiação do tráfico de seres humanos em todo o Magreb – superando inclusive a Líbia – onde milhões de deslocados chegaram devido à desordem causada pela guerra civil como resultado do “sucesso” das operações ocidentais contra o coronel Gaddafi, uma guerra que não é silenciada desde 2011.


No quadro da crise migratória, longe de apaziguar, aumenta todos os dias com o correspondente aumento de naufrágios e obviamente de mortes e desaparecimentos, dos quais é praticamente impossível calcular um certo número. Embora mais de 27 mil tenham sido oficialmente reconhecidos desde o início da crise em 2014, apenas foram calculados os produzidos nas três principais rotas do Mediterrâneo: o eixo marroquino para a Espanha ou a rota ocidental, a central: Líbia ou Tunísia para a Itália – a mais movimentada – e, finalmente, a rota oriental: para a Grécia desde a Turquia.


Estes números parciais também não têm em conta a travessia cada vez mais frequente do sul de Marrocos, Mauritânia e Senegal para o arquipélago espanhol das Canárias, rota onde se têm verificado constantes naufrágios que deixaram centenas de mortos. O último desses acidentes ocorreu em 1º de julho devido ao naufrágio de um barco que havia partido do porto de Tan-Tan, no sul do reino alauíta, que produziu cerca de cinquenta mortes cujas nacionalidades ainda são desconhecidas. Em outros dois eventos semelhantes, no dia 11 do mês passado, cerca de 50 marroquinos da cidade de Agadir haviam desaparecido. E no dia 21 desse mesmo mês, outro naufrágio do qual foram resgatados dois corpos e outros 40 viajantes continuam desaparecidos. No dia 4 de julho foram resgatadas 159 pessoas que haviam partido uma semana antes de Mbour (Senegal) para as Ilhas Canárias. Se não fosse a rápida ação das autoridades insulares, estaríamos falando de uma nova tragédia.


A este terrível número de mortos deve ser adicionado o número insondável daqueles que desapareceram nas areias do Saara, perdidos e abandonados pelos cartéis de drogas.


Quanto aos números do Mediterrâneo, são extremamente discutíveis, pois embora o Projeto de Migrantes Desaparecidos da Organização Internacional para as Migrações (OIM) registe cerca de 25 mil mortos em naufrágios até ao final de junho, estes dados baseiam-se em números oficiais de entidades europeias, ignorando o número real. Como esta atividade é obviamente ilegal, não há detalhes das embarcações ilegais que partem dos diferentes portos ou mesmo de praias desertas escondidas das autoridades, pelo que também se desconhece o número que transportam e não se reportam os possíveis naufrágios dessas viagens.


Assim, o número de mortos e desaparecidos apenas no Mediterrâneo pode ser ostensivamente maior do que o dado pela OIM, já que em muitos casos esses corpos nunca são encontrados ou as próprias autoridades escondem os números para evitar mais questionamentos. A ponto de ter sido registrado, em mais de uma ocasião, que os navios destinados a controlar os movimentos ilegais no Mediterrâneo se recusaram a atender pedidos de ajuda diante de um iminente naufrágio, como se acredita ter ocorrido em junho passado na costa grega, onde 73 pessoas morreram após o naufrágio de um barco que havia saído do porto líbio de Benghazi com cerca de 200 passageiros.


Argélia junta-se à campanha de desprezo


Negada a possibilidade de continuar as viagens clandestinas à Europa de que beneficiam muitos responsáveis ​​locais, deixando que os traficantes o façam com o óbvio “obrigado”, pois dependendo da oportunidade, cada passagem em alguns destes navios pode custar entre 800 e 5 mil euros, valores pelos quais os interessados ​​devem trabalhar durante anos ou comprometer as suas famílias em empréstimos usurários que demorarão anos a acabar de pagar, devastando as economias familiares.


Em uma tentativa de impedir a chegada de mais refugiados e de “livrar-se” dos que já se encontram nos seus países, os governos magrebinos lançaram campanhas para um maior controlo das fronteiras e incursões e expulsões em massa de refugiados, concentrando as suas ações principalmente nos cidadãos subsaarianos.


Como a Tunísia, a Argélia também está resolvendo a questão da migração de forma brutal. Enquanto isso, cresce o racismo contra os negros, incentivado pela mídia e convertido em política de Estado pelos governos locais. A vida dos refugiados, especialmente dos africanos subsaarianos, tornou-se um pesadelo ainda pior do que antes, sabendo que são alvos de hordas xenófobas que não têm nada a invejar aos camisas marrons ou Sturmabteilung (SA) de Ernst Röhm.


No bairro de Safsafa, nos subúrbios a sul de Argel – capital do país – onde se instalaram milhares de refugiados, as rusgas policiais , que não param de aumentar , já desmantelaram grande parte dos abrigos improvisados ​​onde milhares de pessoas vivem em condições de sobrelotação, sem qualquer possibilidade de acesso a exames médicos enquanto o seu estado de saúde piora, dadas as precárias condições sanitárias, sem casas de banho nem água potável, enquanto esperam poder continuar a sua viagem ou conseguir um emprego.


Nestes locais vivem milhares de malineses, nigerianos e burkinabés, entre outras nacionalidades, que têm vindo a escapar sobretudo à violência terrorista nos seus países, que tem como alvo principal a população jovem masculina, a recrutar à força, pelos poderosos khatibas terroristas que operam naqueles países, como o Jama'at Nasr al-Islam wal Muslimin ou o GSIM (Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos) tributário da al-Qaeda no Estado Islâmico do Grande Saara, ou o Boko Haram na Nigéria ou o Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP), entre muitos outros grupos que se estendem a um grande número de países do continente.


Os migrantes, recentemente expulsos de Safsafa, reassentaram os seus barracos em Hasnaoua, nos subúrbios a sul de Tizi-Ouzou, sabendo que o próximo deslocamento, muito possivelmente, será para Tamanrasset, no extremo sul da Argélia, e de lá levados até à fronteira com o Níger, de onde para chegar ao primeiro local povoado, que é Assamakka, terão de caminhar cerca de 15 quilômetros no meio do nada, com temperaturas equatoriais. serão classificados e depois deportados para seus países, já que a Argélia não discrimina com base na nacionalidade e expulsa qualquer imigrante para Tamanrasset sem qualquer ordem.


Por acordo entre Argel e Niamey, a Argélia já devolveu mais de 11 mil pessoas ao Níger entre janeiro e abril de 2023, operações que vinham sendo realizadas desde 2018, semanalmente e, dada a pressão europeia, essas transferências foram reativadas exponencialmente.


De qualquer forma, muitos dos expulsos, depois de um tempo, tentam chegar primeiro a Assamakka para seguir rumo ao norte. Em junho passado naquela cidade nigeriana já havia cerca de 10 mil subsaarianos com a intenção de voltar à Argélia, mais uma vez, para tentar obter permissão para sonhar com a felicidade.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg