top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Miami, sonhos transformados em pesadelos"



Diversas reportagens publicadas em jornais de direita de Miami, como El Diario de las Américas e El Nuevo Herald, retratam a realidade de muitas pessoas que vivem naquela cidade.


Pelas ruas, lugares vagos, sob as majestosas pontes que circundam a cidade, a cada dia surgem mais desamparados, desempregados, famintos que, na maioria das vezes, tentam mitigar suas frustrações com qualquer tipo de droga barata ou menos qualificada.


Numa reportagem feita pelo jornal El Nuevo Herald, aparece a cidadã Liseth Guerra que vive na rua há seis anos, desde que o seu primeiro marido morreu e não pode pagar o apartamento onde viviam. Por ser deficiente, recebe uma pensão de 850 dólares por mês, o que não chega para pagar um aluguel que, mesmo para um quarto pequeno, vale entre 1.500 e 1.700 dólares.


Guerra, cubana de nascimento, relatou que em duas ocasiões se candidatou ao Plano 8 (moradia paga pelo Estado), mas não foi selecionada. “Às vezes passo a noite na casa da minha mãe que mora em um apartamento assim, mas não posso ficar mais de uma semana porque as leis extremas deste país não permitem”.


Questionado sobre quantos sem-teto existem em Hialeah, a Prefeitura respondeu que “não tem estatísticas sobre o número de sem-teto”, embora haja relatos nos bairros de pessoas dormindo na grama, entre duas casas, e o problema está aumentando constantemente.


Esteban Bovo Jr., prefeito de Hialeah, durante uma sessão parlamentar declarou que “a questão dos sem-teto está aumentando com todos os requisitos necessários para alugar: primeiro mês, último mês, algumas pessoas não podem pagar e acabam nos carros ou trechos de um filme”.


Ismare Monreal, chefe de gabinete do Bovo, disse ao jornal que aumentou o número de ocorrências policiais contra pessoas dormindo nas ruas da cidade e eles veem muitos moradores de rua em parques e shopping centers. Quando recebem relatórios policiais, eles os encaminham para o Homeless Trust, Igreja Rescate e outras organizações sem fins lucrativos. Ou seja, como não resolvem nada, mandam os milhares de casos para outras instituições que vão poder atender cinco ou seis pessoas.


O pastor David Monduy, da Igreja Rescate, localizada na Quarta Avenida em East Hialeah, alertou que os sem-teto são vistos com mais frequência perto de lojas de ferragens, na Palm Avenue e nas avenidas no leste da cidade. Entre a West Third Avenue e a 23rd Street, um grupo de sem-teto frequentemente se reúne em uma área com muitos galpões onde a igreja costuma trazer seu “caminhão-banho” duas vezes por semana para se lavar.


Trata-se de Arturo Báez, um cubano de 59 anos, visivelmente afetado por queimaduras por exposição ao sol e feridas na pele por picadas de mosquitos, que diz viver na rua há anos.


Outro jornal difamador, o Diario las Américas, que, como o El Nuevo Herald, se dedica há décadas a tentar denegrir a Revolução Cubana com notícias falsas, agora não tem outra opção senão expor em uma série de reportagens as verdades que acontecem em Miami.


Em uma dessas cartas, relata que Moraima Salgado, como centenas de outros cidadãos, vive no seu carro há nove meses. Ela tem uma rotina que a leva a caminhar apenas alguns metros por dia em busca de sombra, comida e água gelada. “Só vou duas ou três vezes por semana na casa de um amigo que mora a dois quilômetros daqui para tomar banho”.


Moraima veio para os Estados Unidos muito jovem. Depois de passar uma temporada na Califórnia e outra em Porto Rico, sua mãe conseguiu um emprego em uma das fábricas que existiam em Miami, para criar quatro filhos. Por seu lado, teve de trabalhar aos 15 anos, primeiro num cinema, depois numa farmácia da empresa Walgreens, e mais tarde obteve licença para trabalhar em antigas casas de apostas, que sucumbiram aos atuais casinos.


Quando sua mãe morreu, ela não podia mais pagar o aluguel e alugou uma unidade eficiente no estacionamento de trailers da University Lakes, pelo qual pagou $ 850, até que o proprietário decidiu aumentar o aluguel para $ 1.050 em fevereiro.


Ela é apenas uma das centenas de pessoas em Miami que vivem em seus carros em ruínas. Ele recebe $ 841 por mês do programa Supplemental Security Income (SSI), que oferece assistência a pessoas com deficiências porque têm uma coluna deformada e sofrem de depressão.


Nas zonas centrais e periféricas de Hialeah, Kendall, Miami e Doral, a noite transforma-se num enxame de carros que servem de quartos, acrescenta o jornal. Moraima destaca que são centenas de pessoas que passam a noite no mesmo lugar que ela, como várias mães com filhas pequenas e seus brinquedos que moram em vans e carros praticamente sem uso.


“Estou exposta ao calor, ao sol, aos mosquitos, muitas vezes me sinto insegura, então procuro dormir perto de um lugar que fique aberto 24 horas por dia, mas nem assim”, diz ela. Sua rotina consiste em conseguir o necessário para sobreviver dia após dia no mesmo shopping.


Tudo indica que o chamado “sonho americano” se tornou um grande pesadelo para muitas pessoas em Miami.


Do CubaDebate

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg