top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Quando Che Guevara criou a Rádio Rebelde"



(...) Além de sua profunda inteligência e enorme capacidade de intuição, da universalidade anti-imperialista que seu latino-americanismo bolivariano lhe conferia, às vezes El Che, no que dizia respeito a Cuba, não passava de um intelectual camponês que nunca havia posto pé em uma cidade. Esses debates não eram a única preocupação de Che, além dos militares, ele também tinha em mente o projeto de abrir uma rádio na Sierra Maestra.


Em 23 de dezembro de 1957, um de seus oficiais lhe disse que conhecia um técnico em Bayamo que achava que uma estação poderia ser construída nas montanhas. Che dá a ele 10 pesos para ligar e dá luz verde. O assunto já havia sido discutido antes por iniciativa de Frank Pais, mas então era mais uma questão de articulação entre o comando de Fidel e a direção de Santiago. O homem é Eduardo Fernández, um pequeno técnico de rádio com uma oficina em Bayamo, membro da rede 26 de Julio. Com o passar dos dias, Eduardo se encontrou com El Che no acampamento El Hombrito e relembrou: “Eu o vi completamente interessado e entusiasmado com o assunto”.


Em 8 de janeiro de 1958, Che escreve: “Diga a Daniel, Débora ou qualquer um dos gerentes que tenho um técnico que concorda em construir uma usina de transmissão em quinze dias, ao custo de aproximadamente US$ 500. A Usina pode passar por Havana. O técnico mora em Bayamo, Zenea 54, seu nome é Eduardo Fernández”.


Duas semanas depois, Ramos Latour tomou medidas sobre o assunto: "Estou esperando que o técnico nos diga os materiais de que precisa para fazer e poder colocá-los".


Em Santiago, em um lugar estranho, o lendário Daniel (Ramos Latour) conhece Fernández. Um pouco mais tarde, em Havana, aparecerá o equipamento necessário, uma pequena fábrica será montada e será transportada novamente em pedaços para Bayamo. Isso é apenas o começo, então inúmeras dificuldades virão para construir e transportar a estação até o coração da Sierra Maestra: primeiro ela será levada para Contramaestre no sopé das montanhas, escapando do cerco do exército. Em seguida, entrará nas montanhas em um jipe ​​com duas mulheres sentadas em cima do equipamento, cobrindo-o com suas saias largas. A partir daí, a planta vai parar na casa da avó de Ciro Redondo, depois em seu ombro atravessará alguns pastos e por fim uma patrulha da coluna de Che se encarregará da equipe. Na segunda semana de fevereiro, o boato de que eles terão sua própria estação de rádio se espalha entre os rebeldes. O primeiro capítulo das tribulações de uma central de rádio terminou.


(…)


E os loucos crescem. Em 1º de março, duas novas colunas se destacaram da coluna mãe, Almeida no comando da coluna 3 avançou para Santiago e Raúl Castro com a coluna 6 avançou para formar uma segunda frente também se aproximando da capital provincial. Sua saída coincide com o nascimento da Rádio Rebelde.


Instalada em La Mesa Fernández colocou a estação em funcionamento, nos primeiros testes é colocada na frequência do rádio amador e quando os encontra transmitindo transmite o "Hino Invasor". Pelas reações deles, ele descobre que a transmissão está saindo, mas o lugar é ruim, pois eles estão em um vale que é um buraco entre as montanhas. Che decide mudar a estação para Altos de Conrado. Dois rebeldes que sabem algo sobre locução de rádio, Orestes Valera e Ricardo Martínez, se juntarão ao grupo naqueles dias, e Olga Guevara, que foi professora na coluna de Che, será recrutada.


Em 24 de fevereiro, ouviu-se pela primeira vez: "Aqui a Rádio Rebelde, a voz da Sierra Maestra, transmitindo para toda Cuba na faixa de 20 metros diariamente às cinco da tarde e às nove da noite...".


Che vai apelar para o sarcasmo: Os únicos ouvintes que tivemos foram Pelencho, um fazendeiro cuja cabana estava localizada na colina em frente à usina, e Fidel que estava visitando o acampamento (...) e ouviu a transmissão... Fernández esclarece: “A faixa de 20 metros não é adequada para escuta em Cuba, mas é usada para comunicações de longa distância. Portanto, certamente em Pinar del Río se ouviu, mas em Santiago de Cuba não se ouviu a transmissão (...). No entanto, no exterior encaixou-se perfeitamente”.


Um dia, na Venezuela, Abel Tamayo, da comissão do exílio de 26 de julho, chegou à reunião berrando: já consegui! Discute-se a possibilidade de criar uma rede, o curioso é que a rede que os venezuelanos montaram de repetidoras com o apoio da Rádio Rumbos e da Rádio Continente, e posteriormente da colombiana Rádio Caracol, é ouvida em Cuba, de forma que um fenômeno de rebote.


Rádio Rebelde existe.


Extraído de "Ernesto Guevara, também conhecido como El Che" de Paco Ignacio Taibo II, Editorial Joaquín Mortiz, México, 1996, p. 211-216

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg