top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Desafios de uma guerrilheira vermelha lésbica"



Quando perguntado o que ela considera sua melhor experiência como membro do Novo Exército Popular (NPA), Ka Nica tem boas recordações do momento no qual que ela dançou com outra garota na frente de camaradas e das massas camponesas. É uma grande coisa para ela, diz, porque foi a primeira vez que ela sentiu visível não assim como uma guerrilheira vermelha, mas como lésbica no exército popular e movimento revolucionário.


“Foi sempre um costume naquelas festas depois trabalho político, as massas e os guerrilheiros realizar uma programação cultural. Uma dança romântica foi um dos destaques dessa atividade, e claro, é tradicionalmente uma dança entre um homem e uma mulher. Eu quase caí do meu assento quando eu ouvi meu nome ser chamado sobre palco. Como eu timidamente arrastei meus pés para a frente, a camarada quem foi a mestre de cerimônias disse com algum orgulho que eu era uma ‘mulher com a coração de um homem’. E assim outra mulher, residente local, foi também chamada ao palco para dançar comigo! Eu fiquei emocionada!”


Até então, Ka Nica diz que nunca esteve completamente confortável ser uma lésbica “assumida” no Novo Exército Popular, embora seu corte de cabelo e comportamento cissudo quase sempre a delatassem. “Eu nunca estive realmente no armário. Eu simplesmente não queria mencionar minha orientação sexual em todas as conversas. Mas naquela tarde, entre as massas reunidas e os combatentes vermelhos, me senti genuinamente bem em expressar quem eu realmente era”.


Ao lidar com a preconceitos ela tem encontrado como lésbica antes e até depois de juntar-se o Novo Exército Popular, Ka Nica é rápida para esclarecer embora ainda existem preconceitos no exército popular, estes não são tão traumatizantes quanto os que ela lidou na sociedade burguesa.


Ela observa que enquanto a maioria países capitalistas dão aceitação simbólica para LGBTQ em reconhecer casamentos entre o mesmo sexo, as sociedades burguesas em essência são homofóbicas e repleto de todo tipo de preconceitos. “Eles podem ter feito concessões em relação ao casamento, mas o capitalismo continua a vitimar pessoas LGBTQ nos locais de trabalho e em comunidades de baixa renda, ou com a prevalência dos crimes de ódio e da brutalidade policial. Não faz sentido defender um dos nossos direitos básicos, mas oprimir e nos aterroriza em todo o resto”.


Ka Nica acredita que o que diferencia a revolução democrática nacional da aceitação simbólica da sociedade burguesa não é apenas que o Partido Comunista das Filipinas permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas também que o Partido e o movimento revolucionário se esforçam genuinamente para respeitar a identidade de gênero e a orientação sexual como um princípio no decurso da guerra popular. “É o fato de que há uma luta contínua dentro da luta, uma revolução cultural, contra todas as formas de preconceito e injustiça, não apenas de gênero, que faz a diferença”, afirma.


Na rotina diária do Novo Exército Popular e no trabalho em massa nas comunidades do interior, Ka Nica diz que testemunha as conquistas dessa luta acontecerem de maneiras pequenas, mas surpreendentes. “É quando os camaradas valorizam os gays e lésbicas que mantêm a linha durante as ações militares, principalmente defensivas, onde somos pegos de surpresa. Ou durante as discussões educacionais, quando você vê a luz da compreensão nos rostos dos camaradas e das massas camponesas ao explicar os efeitos do neoliberalismo na vida do campesinato. Mesmo sendo apenas um combatente vermelho que superou os sacrifícios da contrarrevolução fascista de Duterte. É quando eles veem em você um revolucionário, não apenas alguém com uma orientação sexual específica. O que aprendi é que quanto mais me torno uma camarada melhor ao realizar minhas tarefas, mais me torno visível e defendo a luta LGBTQ”.


Quando as sombras dos preconceitos surgem, Ka Nica os trata com calma. “É uma oportunidade para explicar... Não é culpa destas pessoas terem sido bombardeadas por deturpações e clichês na grande mídia. Às vezes é difícil e o ‘estresse’ fica para você, mas é sobre isso a revolução cultural, certo?”, ela diz com sabedoria.


Ka Nica também lida com o equívoco usual de que ser uma lésbica com traços masculinizados como ela é apenas uma fase. “Ou que ainda não conheci o homem certo e que ainda posso mudar. Explico pacientemente que o marxismo nos ensina que a mudança é determinada por leis internas. Acredito que a orientação de gênero é um preceito interno de todo ser humano de que condições externas, como ‘o homem certo’, podem fazer muito pouco para mudar a atração de alguém por outras pessoas”.


Agora casada com outra guerrilheira vermelha há quase três anos, Ka Nica ainda se lembra daquela dança romântica de outrora com carinho. “Kinikilig pa rin ako” (ainda sinto cócegas rosa), ela diz, rindo. É durante esse momento e em muitos outros que ela se orgulha de ser lésbica no Novo Exército Popular e no movimento revolucionário”.


Do Ang Bayan, julho de 2022


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg