top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Irã-Azerbaijão, outra frente da OTAN"



Sem dúvida, Washington, após o triunfo democrata nas eleições de meio de mandato em que a sociedade norte-americana parece ter dado um cheque em branco ao governo Biden, se lançará a ratificar todas as suas políticas belicistas além de suas fronteiras e além de estar disposto a derrotar Moscou na Ucrânia, para não perder a oportunidade de ir a Teerã para se afirmar como a única potência militar à escala mundial face à passividade de Pequim.


Esta situação está intimamente ligada ao que se passa no Irã desde setembro passado, tendo como desculpa o enquadramento dos protestos em massa após a morte de uma mulher sob custódia policial e o ataque reivindicado pelo Daesh, em 26 de outubro, contra o xá Cheragh em uma mesquita xiita na cidade iraniana de Shiraz, província de Fars, que deixou pelo menos 15 mortos e 40 feridos.


Seria inocente não entender que tanto a CIA quanto o Mossad estão operando a toda velocidade atrás de forças que parecem ser opostas, embora se combinem para degradar um inimigo comum, neste caso a República Islâmica do Irã.


Desde meados de setembro, após a morte de Mahsa Amini, que as autoridades reconheceram como um claro ato de brutalidade policial, iniciando uma investigação minuciosa, uma onda de protestos se espalhou por todo o país.


Protestos a que obviamente não são estranhos a CIA e a Mossad, dada a capacidade organizativa e o teor das manifestações que visam mais do que fazer justiça ao crime para tentar derrubar o Governo.


Assassinatos resultantes da brutalidade policial ocorrem quase diariamente em todos os países do mundo, sem que “estranhamente” recebam a mesma cobertura da imprensa ocidental que foi dada ao caso Amini. Se não, que o digam os milhares de palestinos executados no sistemático plano de aniquilação que os sionistas praticaram e continuam praticando, ou as centenas de cidadãos negros e latinos, como George Floyd, Rodney King ou Trayvon Martin, assassinados pela polícia nos Estados Unidos à vista de todo o mundo, sem que isso altere em nada sua ação repressiva.


Os protestos desde a morte de Amini reproduziram-se em cerca de 30 cidades iranianas, deixando, segundo a imprensa ocidental, centenas de mortos, entre os quais numerosos membros da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC).


Segundo porta-vozes de alto escalão da Casa Branca, seriam agentes de Moscou que estariam assessorando o IRGC na repressão aos protestos, uma vez que o Kremlin “tem experiência significativa no assunto”, como segundo porta-vozes dos EUA já havia na Bielorrússia no final de 2020 e no Cazaquistão no início deste ano.


Por outro lado, o ataque em Shiraz teve particularidades significativas, face a qualquer outra operação do Daesh ao longo da sua história. O atacante fez isso sozinho e sem um colete explosivo, o que o teria impedido de ser detido, apesar de ter sido ferido por seguranças da mesquita depois que abriu fogo contra os peregrinos que se preparavam para a oração.


Agir sozinho e sem a clara determinação de se imolar antes de ser preso não é o perfil de um combatente do Daesh , que além da declaração em que a organização fundada por Abu Bakr al-Baghdadi atribui o ataque, apenas por ânsia publicitária como em outras ocasiões, como a declaração é confusa, não oferece mais detalhes do que a mídia publicou e carece de dados específicos, como costumam fazer em operações nas quais são claramente os verdadeiros responsáveis, razão pela qual você poderia especular que o ataque foi encenado pelas forças que operam por trás dos manifestantes e que, sabendo da necessidade exacerbada de o Daesh assumir protagonismo, concordaram, ou assumiram, que os terroristas os iriam atribuir.


Segundo o ministro do Interior, Ahmad Vahidi, as manifestações foram o principal fator para que o ataque em Shiraz ocorresse. Essa mesma cidade havia sofrido um evento semelhante em abril de 2008, quando uma explosão de bomba matou 14 fiéis na mesquita Hosseynieh Seyed al-Shohada.


A última grande ação terrorista no Irã ocorreu em 2018 na cidade de al-Ahwaz, capital da província de Khuzistan, no sudoeste do país, durante a parada militar comemorativa do 38º aniversário do início da guerra do Iraque e deixou pelo menos 25 mortos e 60 feridos entre civis e membros do IRGC.


Em outubro passado, também aproveitando o clima de instabilidade, a organização wahhabi Jaysh al-Adl (Exército de Justiça) no Baluchistão iraniano, no leste do país, apelou aos seus milicianos para uma ação contra o governo central. O Daesh Khorasan, que opera essencialmente no Afeganistão e está em guerra com o Talibã há anos, mesmo antes da vitória dos mulás em agosto de 2021, se pronunciou a favor das revoltas no Irã, então não seria surpreendente se nos próximos semanas, ações terroristas serão repetidas dentro do território iraniano.


O Ministério do Interior iraniano informou que na segunda-feira, 7 de novembro, 26 pessoas ligadas ao ataque à mesquita foram presas junto com o líder da célula, um homem de nacionalidade azeri, enquanto os demais eram afegãos, azeris e tadjiques.


Segundo a inteligência iraniana, o chefe do grupo que organizou o massacre de Shiraz havia chegado alguns dias antes em um voo de Baku, capital do Azerbaijão, enquanto os demais terroristas haviam sido detidos em seis províncias diferentes enquanto tentavam fugir Irã.


Não é menos importante considerar o fato de o coordenador do ataque à mesquita Shah Cheragh ser um cidadão do Azerbaijão, tal como vários dos detidos, em uma altura em que as relações entre Baku e Teerã se encontram em extrema tensão dado que desde o aumento nas hostilidades com a Armênia que levaram à breve guerra de 2020, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, reforçou sua aliança com Tel-Aviv, que lhe fornece armas e logística desde 2012.


Um inimigo íntimo


Desde o fim do conflito com a Armênia em 2020, Baku iniciou uma lenta, mas progressiva diferenciação com Teerã, chegando ao ponto de incluir nos mapas das províncias do “Grande Azerbaijão” no noroeste do país persa onde existe uma população de origem azeri de cerca de 22 milhões de pessoas, o que o torna o mais numeroso depois dos persas, enquanto a população do Azerbaijão chega a apenas 10 milhões.


Fato importante se levarmos em conta que o Azerbaijão desenvolveu uma relação muito mais intensa com a outra grande potência regional, a Turquia, ao mesmo tempo em que se aliou aos sionistas, com quem estabeleceu relações diplomáticas em 1992, seis meses após declarou sua independência da União Soviética, está se fortalecendo, o que está exponencialmente prejudicando as relações com o Irã.


Embora a informação seja difícil de verificar, diferentes fontes insistem que o presidente “dinástico” Ilham Aliyev, no poder desde 2003 depois de “herdar” a presidência de seu pai Heydar, que governou o país de 1993 a 2003, assinou um acordo com Tel-Aviv usará os aeroportos do Azerbaijão caso decida realizar um ataque militar contra as instalações nucleares do Irã. Tanto os sionistas quanto os azeris negaram essa informação. Além disso, Baku conseguiu o apoio dos regimes monárquicos do Golfo Pérsico, fortes rivais do Irã.


Embora o ponto alto das diferenças de Baku com Teerã, exploradas até a morte pelo Departamento de Estado, tenham sido os exercícios militares ao longo de sua fronteira com o Azerbaijão, temendo a possibilidade do surgimento de um movimento secessionista do Azerbaijão no Irã. O que, no quadro da escalada de Washington contra a República Islâmica, é uma possibilidade concreta.


Gerar mais instabilidade no sul do Cáucaso está também a obrigar a Rússia a enfrentar aquela geografia que lhe tem trazido tantos problemas, razão pela qual as recentes deslocações do exército azeri nas fronteiras meridionais da Armênia, ao longo de setembro, acrescentam um fator de tensão, por qual o IRGC começou a enviar uma grande quantidade de equipamento militar e tropas para a fronteira com o Azerbaijão, o que aumenta as possibilidades de uma escalada armada entre as duas nações que, dada a superioridade militar iraniana, obrigaria tanto a Turquia como o Estado sionista a intervir em favor de seu aliado.


A origem da grande comunidade azeri no Irã veio após o Tratado de Gulistan, que pôs fim à primeira Guerra Russo-Persa (1804-1813), deixando o povo azeri em ambos os lados da nova fronteira de 600 quilômetros.


Embora a população do Irã e do Azerbaijão seja predominantemente xiita, o desenvolvimento religioso de ambos os países foi muito diferente. Enquanto o Irã tem sido um estado confessional desde a revolução de 1979, o Azerbaijão continuou a se definir como um estado secular, mesmo desde sua separação da União Soviética em 1991.


Assim, no atual Irã, a comunidade de origem azeri, que inclui ninguém menos que o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, a mais importante figura político-religiosa do país, o que não seria um impedimento para a OTAN tentar abrir outra frente para acabar com um inimigo jurado desde 1979.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg