top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"EUA: O que fazer com o Níger?"



No sábado, dia 22 de outubro, onze civis foram mortos na comuna de Banibangou, região de Tillabéry, no oeste do Níger, perto da fronteira com o Mali. Este ataque quebrou a calma de vários meses. Depois dessa área ter sido palco de intensas operações, tanto por parte dos grupos fundamentalistas que operam no Sahel como pelo exército do Níger e seus aliados do G5-Sahel, uma força composta por tropas dos exércitos de Burkina Faso, Chade, Mauritânia, Níger e Mali, que se retirou há vários meses, além de forças da Operação Barkhane (França) e dos boinas verdes americanas (boinas verdes).


Na segunda-feira seguinte, 24 de outubro, outro incidente sangrento ocorreu na delegacia de Tamou, em Tillabéry (oeste), onde três policiais foram mortos por indivíduos desconhecidos, que após roubar armas e equipamentos de comunicação incendiaram o local e fugiram.


No ataque de sábado, os caminhões foram surpreendidos pelos terroristas em uma estrada deserta entre as cidades de Banibangou e Tizigorou, que foram incendiadas após serem saqueadas. Os mujahideens, após assassinarem os nove caminhoneiros e outras duas pessoas que viajavam de motocicleta, roubaram parte da carga e incendiaram os veículos, que transportavam principalmente alimentos para as aldeias que estão praticamente isoladas pela onda de violência que instalada desde 2017 na vasta área de Tillabéry, com cerca de 100 mil quilômetros quadrados e pouco povoada, que historicamente tem sido um centro de atividades ilícitas para contrabandistas, traficantes de drogas e pessoas, pois está localizada no que é conhecido como as “três fronteiras” – Burkina Faso, Mali e Níger –, agora todos devastados pela violência fundamentalista.


O último ataque dessas características ocorreu em fevereiro passado, também na área de Banibangou, onde insurgentes em cerca de cem motocicletas emboscaram um caminhão e mataram 18 pessoas. Já em novembro de 2021, cerca de 70 civis que compunham uma milícia de autodefesa chefiada pelo prefeito de Banibangou também foram massacrados por uma khatiba. Em outubro de 2021, desconhecidos em motocicletas atacaram uma mesquita perto de Tizigorou, durante as orações da tarde, matando dez fiéis, e em março do mesmo ano, outras 70 pessoas foram massacradas em ataques a veículos que voltavam de uma feira.


Tillabéry ganhou fama internacional quando ocorreu uma emboscada em outubro de 2017, perto da aldeia de Tongo-Tongo, na qual morreram quatro boinas verdes ianques, juntamente com uma dezena de soldados do exército nigeriano, revelou que os estadunidenses, que estavam formalmente naquele país construindo uma base para drones no valor de 100 milhões de dólares, enquanto realizava clandestinamente operações conjuntas com o exército local, revelando, mais uma vez, manobras de segredos secretos de Washington no continente.


Parece estranho que os terroristas tenham voltado a operar nesse setor, quando há apenas algumas semanas os restos desgastados da fracassada Operação Barkhane, expulsa pela junta militar que governa o Mali, por sua ineficácia na guerra contra os terroristas, foi liquidada com cerca de 250 tropas para acompanhar o exército em sua “luta” contra as gangues wahabitas.


O Níger também enfrenta violência terrorista em vários setores de seu território. No sudeste, perto da fronteira com a Nigéria e na bacia do Lago Chade, grupos da Nigéria Boko Haram e sua ala dissidente Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP), na região de Diffa, frequentemente saqueiam aldeias e sequestram civis em busca de resgate, uma atividade que tornou-se uma importante fonte de financiamento. Enquanto isso, grupos ligados ao Daesh global operam na área da tríplice fronteira, como o Estado Islâmico no Grande Saara (ISGS) ou a Al-Qaeda, como Jama’at Nusrat al Islam wal Muslimīn (Frente de Apoio ao Islã e Muçulmanos).


Uma longa estadia


Imediatamente após os ataques às torres de New York, os Estados Unidos aumentaram sua presença militar na África, de onde em meados da década anterior havia começado a se retirar, estabelecendo uma linha de bases e acampamentos que se estendia do Senegal ao Quênia e da Tunísia ao Gabão, o que possibilitou a geração de centenas de ataques de drones contra a Líbia e a Somália, além das incursões de forças especiais (SEALs, Boinas Verdes do Exército e os Fuzileiros Navais ) que, de 2013 a 2017, entraram em combate direto em Burkina Faso, Camarões, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo, Quênia, Líbia, Mali, Mauritânia, Níger, Somália, Sudão do Sul e Tunísia. O que estava escondido da opinião pública internacional.


Os Estados Unidos mantêm escritórios da NSA (Agência de Segurança Nacional) na Etiópia. Enquanto o Comando Africano dos Estados Unidos ou AFRICOM tem focado suas atividades no monitoramento de atividades “antiamericanas” no continente e colaborando com a assistência e treinamento para governos leais a Washington, enquanto nos últimos 20 anos as forças especiais dos EUA treinam exércitos africanos no âmbito dos exercícios do programa Flintlock do Comando de Operações Especiais em África (SOCOAFRICA).


De acordo com uma reportagem jornalística recente, de diferentes bases secretas os Estados Unidos colaboraram com governos ocidentais na África para sequestrar, torturar e desaparecer opositores políticos ou membros de organizações armadas. Essas ações foram verificadas em países como Camarões.


Apesar de sua inegável presença e atividade militar, Washington não conseguiu impedir o estabelecimento e o avanço de organizações takfiristas que respondem à Al-Qaeda e ao Daesh em primeiro lugar , supondo que essa teria sido sua verdadeira vontade, ao mesmo tempo em que não conseguiu desencorajar os investimentos chineses, que cresceram exponencialmente nos últimos 20 anos, nem evitar a presença cada vez mais ativa da empresa de segurança de origem russa conhecida como Grupo Wagner, que está se mostrando muito eficaz no combate aos terroristas wahabitas onde tanto os Estados Unidos quanto a França falharam, já que a violência desse sinal desde 2020 cresceu 43%, confirmando um aumento constante e ininterrupto desde 2012.


E não se limita apenas às áreas de estrita maioria muçulmana, particularmente o Magreb e o Sahel, mas também em países onde o cristianismo e as religiões animistas têm uma presença forte, ainda maior do que a do islamismo, como em Moçambique, onde os Wilayat Wasat Ifriqiya ou WWI (Província Islâmica da África Central) desde 2017 já matou quase 2 mil pessoas e atrasou investimentos muito importantes em hidrocarbonetos no norte do país. Na República Democrática do Congo (RDC), onde as Forças Democráticas Aliadas (ADF), afiliadas ao Daesh desempenham um papel muito importante na guerra no Leste. O mesmo, mas sem a mesma interferência, está acontecendo em Uganda ou Burundi.


Portanto, estima-se que a presença das potências ocidentais, em particular dos Estados Unidos e da França, seu verdadeiro interesse, mais do que combater o terrorismo fundamentalista muçulmano, é estabelecer estratégias para evitar a presença russa.


Para isso, é urgente que eles resolvam o abismo que acaba de se abrir no Chade, país chave para a manutenção do poder neocolonial francês após o massacre do último dia 20 em que foram assassinados nas ruas da capital, N‘Djamena, cerca de 60 opositores, o que poderia não só gerar mais atividade nos grupos armados opostos ao presidente, general Mahamat Déby, como a Frente 'alternance et la concorde to Tchad(FATO), que poderia começar a unir setores da oposição política até agora e até mesmo romper a unidade interna do exército, o que para Paris seria a confirmação definitiva de seu colapso como poder dominante na África, o que o Mali já está verificando, Burkina Faso e Níger, países onde o sentimento antifrancês está crescendo.


Assim, o ressurgimento das ações terroristas na tríplice fronteira que se viram nos últimos dias não só coloca os Estados Unidos no dilema de o que fazer com o Níger? Se não também para o Níger, o que fazer com os Estados Unidos?


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg