top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"O bloqueio de 60 anos contra Cuba, o genocídio mais longo da história"



Nunca na história da humanidade um país inteiro foi submetido a um bloqueio econômico, comercial e financeiro tão longo quanto aquele que 12 governos dos Estados Unidos mantêm contra Cuba há 60 anos, que é classificado por todos como um crime de genocídio contra um povo.


Ao crime anterior, contemplado como tal em todos os tratados internacionais e na Carta das Nações Unidas, acrescentamos que em 29 ocasiões consecutivas essa ação recebeu o voto condenatório de quase toda a comunidade internacional na ONU, sem que tenha havido considerado pelos 12 presidentes que ocupam a Casa Branca desde 1962.


O cerco da cidade ibérica de Numancia, hoje território espanhol, cercado por tropas romanas durou 15 meses e seus habitantes foram dizimados pela fome e pela peste até o verão de 133 a.C., quando seus habitantes preferiram o suicídio coletivo antes de se render e queimar suas casas para que eles não cairiam nas mãos dos romanos.


Os 720 meses de bloqueio que Cuba vem resistindo são 48 vezes os 15 meses que Numancia enfrentou, cuja referência é frequentemente usada para comparar o genocídio contra esta pequena nação por uma potência mundial como os Estados Unidos, cujo território de 9.834.000 quilômetros quadrados é 89 vezes maior do que os 109.884 quilômetros quadrados da Ilha.


A diferença fundamental com Numancia é que Cuba resistiu e resistirá até derrotar este crime injusto. Que conseguiu derrotar a pandemia global do COVID-19 com três vacinas feitas por seus cientistas e cuja eficácia é comparável às melhores do mundo, e seus médicos, enfermeiros e técnicos membros do Contingente Internacionalista Henry Reeve, criado pelo comandante em chefe Fidel Castro em 19 de setembro de 2005, com um total de 13 mil colaboradores durante seus primeiros 15 anos, prestou ajuda humanitária a mais de 4 milhões de pacientes e salvou mais de 93 mil vidas em vários países do mundo.


Esse bloqueio, eufemisticamente chamado de “embargo” pelos ocupantes da Casa Branca, já tem lugar nos recordes do Guinness como o genocídio mais longo do mundo contra um povo pelo único motivo de não se submeter aos ditames de Washington.


A preços correntes, os prejuízos acumulados durante seis décadas de aplicação desta política atingem a enorme cifra de 413,4 milhões de dólares. Considerando a desvalorização do dólar em relação ao valor do ouro no mercado mundial, o bloqueio causou danos quantificáveis ​​a Cuba por mais de um trilhão de dólares. Somente o ano de 2020, em meio à crise por conta da pandemia, entre abril e dezembro, causou prejuízos de 3,5 milhões de dólares.


Aos cubanos com menos de 60 anos faltam lembranças de seu país diante do duro bloqueio econômico, comercial, financeiro e tecnológico imposto pelo presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, por meio de uma Ordem Executiva Presidencial em 3 de fevereiro de 1962. No entanto, as agressões ordenadas por Washington contra a nascente Revolução Cubana começaram com o triunfo do Exército Rebelde em 1º de janeiro de 1959 sobre a sangrenta ditadura de Fulgencio Batista, apoiada e armada pelos Estados Unidos.


Os propósitos desses ataques, sabotagem terrorista e o prolongado bloqueio aplicado extraterritorialmente contra a soberania de terceiros Estados, empresas e cidadãos de outros países, são agravar a escassez de alimentos e materiais, a interrupção dos serviços públicos na busca de semear desânimo, insatisfação, difamar a Revolução culpando-a pela gestão ineficiente de recursos e crescimento econômico modesto, efeitos esses exacerbados pelo aumento do bloqueio desde o início da pandemia de COVID-19.


Embora as redes sociais tentem encobrir esta realidade, o bloqueio econômico, comercial e financeiro é o principal obstáculo ao desenvolvimento da economia cubana e ao pleno gozo dos direitos humanos do povo cubano, onde ninguém escapa de seus terríveis efeitos.


A solidariedade internacional com a Revolução e a resistência do heroico povo cubano finalmente derrubarão os muros do bloqueio, apertado a extremos inimagináveis ​​por Donald Trump durante seu mandato na Casa Branca e mantido intacto por seu sucessor Joe Biden.


Cuba está se preparando para produzir tudo o que é necessário em seu território, substituir importações, criar novos itens exportáveis, fortalecer o turismo internacional e alcançar um futuro próspero e sustentável.


Com bloqueio ou sem bloqueio, como finalmente será.


Do Granma

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg