top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Afeganistão, o incêndio que não apaga"



Enquanto o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, continua a usar seu povo como escudo em obediência ao presidente ianque, a sorridente esfinge Biden também usa os quase 750 milhões de europeus como escudos humanos, não apenas para extorquir dinheiro da Rússia, mas também para a principal é esconder sua péssima presidência sem se importar que a Ucrânia se imola em seu benefício.


Biden, com a guerra que obrigou a OTAN a se colocar abertamente contra a Rússia, quer esconder que em apenas 14 meses colocou seu país em estado de alerta econômico, com uma inflação desconhecida nos últimos 40 anos, aumentada pelo aumento da gasolina após seu anúncio pomposo de suspender a compra de petróleo, gás liquefeito e carvão russos, arrastando à ruína milhões de americanos que não entendem o que seu governo está fazendo ao enviar cada vez mais recursos para uma guerra que só se justifica ao preço de salvar seus chefes e os de outros elementos menores como Macron, Johnson e a multidão de chefes de Estado da União Europeia (UE) que encontraram na contra-ofensiva russa o grande tapete sob o qual varrer todo o lixo de suas políticas, não apenas inoperantes mas também de submissão à Washington, que os levaram a desperdiçar milhões de milhões de euros em guerras apenas para instalar os Estados Unidos como o grande governante do planeta ao preço de milhões de mortes, muito poucas delas brancas, mas a ruína econômica europeia.


Talvez nenhuma dessas guerras seja mais emblemática do que a do Afeganistão, onde as forças de ocupação ocidentais chegaram para aniquilar um bando de camponeses pobres e rudes que haviam conquistado o país à força do Alcorão e da Kalashnikov.


A história é bem conhecida, após 20 anos de ocupação, milhares de vidas ocidentais – os afegãos não contam, é claro – e astronômicos milhões de dólares, estima-se que cerca de 2,5 bilhões, Washington, entre galos e meia-noite, fugiram de um bando de camponeses necessitados e rudes que reconquistaram seu país à força do Alcorão e do Kalashnikov, confirmando o de Henry Kissinger: “As insurgências vencem simplesmente por não perder”.


Embora, é claro, nenhum estado seja mantido por força do Alcorão e do Kalashnikov, e o Talibã agora sabe disso melhor do que ninguém. Oito meses depois de sua vitória, inegável por sinal, transformaram o que hoje é o Emirado Islâmico do Afeganistão em um enorme depósito de lixo sobre o qual seus 37 milhões de habitantes vasculham todos os dias em busca do que comer em competição com os cães, ratos e abutres.


No país da Ásia Central, as violações dos direitos humanos, o desastre econômico, a pobreza e as doenças dispararam (o Afeganistão é um dos poucos países do mundo onde a poliomielite ainda é endêmica, além de ter mais de três milhões de pessoas viciadas em ópio) que colocá-lo à beira de uma crise alimentar e sanitária de características monumentais, ainda maior que a do Iêmen, outra das frentes de guerra inventadas pelos Estados Unidos, neste caso em parceria com a Arábia Saudita.


De acordo com o Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas, 22,8 milhões de afegãos já estão em situação de insegurança alimentar grave, enquanto cerca de sete milhões deles estão a um passo da fome. Uma crise que não só produziu a guerra, mas também a seca – uma das piores em três décadas – de modo que, se a situação não for drasticamente revertida, o que é altamente improvável, 95% dos 37 milhões de afegãos cairão abaixo da pobreza linha até meados de 2022.


A guerra e a seca obrigaram milhões de pessoas a abandonar suas terras e buscar refúgio nas cidades, algumas mal conseguem fazê-lo à beira das estradas, onde só podem improvisar uma casa com papelão e nylon e vasculhar o lixo a cada manhã, se encontrarem algo para comer.


O governo talibã não tem mais fundos para pagar salários enquanto as Nações Unidas tentam um plano para aliviar a situação com uma contribuição de cerca de 14 bilhões de dólares, em duas parcelas de quatro, e sob certas condições outros 10 milhões, enquanto os Estados Unidos congelou o que se estima entre 7 bilhões e 10 bilhões de dólares em ouro, investimentos e reservas em moeda estrangeira pertencentes ao Afeganistão, após a vitória do Talibã, com o qual a Casa Branca pretende indenizar a vítima e familiares do 11 .


O curso afegão desde agosto passado confirmou o que todos supunham materializar a vitória dos fundamentalistas. O país seria ingovernável e tudo não explodiu no ar porque não há lado com força suficiente para enfrentar militarmente o Talibã, enquanto em Cabul, ainda não foi verificado, no interior do país as populações estão sendo arrastadas outra vez, como aconteceu no interregno talibã de 1996 a 2001, até a Idade Média, obrigando as mulheres a usar burcas e os homens a abandonar as roupas ocidentais e deixar crescer a barba.


A questão do papel das mulheres voltou a ser uma questão central para o Governo do Emirado Islâmico do Afeganistão. Elas foram impedidas da maioria dos empregos remunerados, as atividades esportivas foram proibidas e mais de 72% das jornalistas foram demitidas. Também lhes foi negado o direito de viajar se não estiverem acompanhadas pelo marido ou por um membro masculino da família.


Poucos dias depois de recuperar o poder, os mulás substituíram o Ministério de Assuntos Femininos pelo Ministério da Virtude e do Vício. Por sua vez, a educação voltou a ser fechada para as meninas. Enquanto milhares deles aguardavam o reinício das aulas no 23 de março, após seis meses de encerramento das escolas, o Governo decidiu subitamente pelo menos adiar esse reinício quando há poucos dias o mesmo Governo exortou todos a regressarem às salas de aula, muitas dessas meninas ficaram sabendo da medida nas portas de suas escolas.


Diante desse novo descaso com as mulheres afegãs, muitas organizações que as reúnem realizaram marchas de protesto que foram reprimidas com extrema violência e nas quais houve prisões, mortes, desaparecimentos e ameaças a suas famílias.


As indecisões sobre a educação das mulheres falam claramente de profundas discussões que ocorrem dentro do Talibã entre “moderados” e “conservadores”. E não só na questão das mulheres, mas tentando definir a forma de governar, então o que acontece na emblemática cidade de Kandahar, onde o mulá Omar fundou a organização em 1994, e no chefe supremo da organização e do Estado, o Mawlawi (líder espiritual) Haibatullah Akhundzada, atualmente reside e onde o setor mais conservador do Talibã se entrincheirou.


Entretanto, mais de cinquenta por cento dos meios de comunicação já foram encerrados e os que se mantêm ativos devem seguir um formulário de onze pontos elaborado, de forma confusa, muito possivelmente de propósito, pelas novas autoridades, dando ao regime a possibilidade de sancionar o médium se não cumprir.


Um farol para o terror


A falta de jeito das políticas dos EUA no Afeganistão, que tornaram a vitória possível, transformou o Talibã e seus principais líderes, os mulás Haibatullah Akhundzada, Mohammad Hassan, Abdul Ghani Baradar e Sirajuddin Haqqani, em faróis para todas as organizações irmãs –e não tanto – que operam em todo o mundo e particularmente no islâmico.


Após a vitória dos fundamentalistas afegãos, grupos fundamentalistas de todo o mundo, fundamentalmente a Al-Qaeda e seus afiliados, não apenas a saudaram, mas também entenderam que a estratégia dos mulás, baseada fundamentalmente na paciência e no trabalho com pequenas comunidades, havia sido a chave para vitória. Algumas versões indicam que a afinidade entre o Talibã e a Al-Qaeda é tal que o emir desta última, o egípcio Ayman al-Zawahiri – que tinha alguns problemas de saúde – estaria se refugiando no Afeganistão, como fez seu antecessor Osama bin Laden, enquanto que o possível sucessor de al-Zawahiri, o também egípcio Saif al-Adel, tentará deixar o Irã, onde se acredita estar escondido, para atravessar para o Afeganistão.


Organizações como o ramo iemenita da al-Qaeda na Península Arábica ou Ansar al-Sharia no Iêmen, o grupo somali al-Shabab, al-Qaeda para no subcontinente indiano Jamaat Nusrat al-islam wal-Muslimīn (JNIM) ou o Grupo de Apoio ao Islã e os Muçulmanos (que, juntamente com os seus inimigos do Daesh no Saaara, acabaram de pôr em fuga o exército francês que opera no norte do Mali) receberam uma chuva de esperança pela sua causa. Que também servirá de modelo para alcançar maior influência nas áreas em que atuam, o que alarma não apenas os governos desses países, mas também os Estados Unidos e seus aliados europeus, tão castigados hoje pela contra-ofensiva russa na Ucrânia.


A rigor, no que diz respeito ao Afeganistão, a vitória em agosto não foi o fim da guerra para o Talibã, com uma força que varia entre 60 e 100 mil combatentes, além de outros 10 mil mujahideen estrangeiros que devem enfrentar as células do Daesh Khorasan , uma força de não mais de 5 mil combatentes que aumentou após a vitória do Talibã, já que as prisões afegãs foram esvaziadas dos 12 mil militantes presos nas prisões de Pul-e-Charkhi e Parwan. Estima-se que mais de 1 mil dos prisioneiros libertados pertenciam ao Daesh, que retornaram à sua organização. O Daesh Khorasan foi, entre muitos outros ataques, responsável pelo ataque que em 26 de agosto matou 13 soldados americanos e cerca de 170 cidadãos afegãos no aeroporto de Cabul.


Esse grupo havia perdido ao longo de 2020, nas mãos do Talibã, a maioria das áreas que controlava no Afeganistão, embora agora, de acordo com a inteligência ocidental, teriam recuperado algumas áreas no leste do Afeganistão.


O Daesh Khorasan, embora mantenha uma força limitada em uma região bem definida, tem aliados em alguns dos países que fazem fronteira com o Afeganistão, como o Movimento Islâmico do Uzbequistão, ou IMU, que foi dizimado pelo Talibã em 2018, mas desde então começou a reconstruir suas linhas de suprimentos enquanto lançava fortes campanhas de recrutamento. De acordo com fontes de inteligência ocidentais, teriam detectado que alguns militantes do Movimento Islâmico do Turquestão Oriental (ETIM), também conhecido como Partido Islâmico do Turquestão (TIP), um tradicional aliado do Talibã, teriam se juntado ao Daesh Khorasan.


Em 2015, o ex-primeiro-ministro afegão Gulbuddin Hekmatyar, líder do Hezb-e-Islami (Partido do Islã), ordenou que seus homens colaborassem com o Daesh Khorasan, embora nunca tenha se juntado formalmente à organização fundada por Abu Bakr al-Baghdadi. Enquanto o Movimento Islâmico do Turquestão Oriental (MITO), que atuou com frequência na província chinesa de Xinjiang, buscando a independência de Pequim, hoje praticamente desapareceu do cenário chinês, embora ainda esteja ativo ao longo da fronteira afegã e na Síria, onde alguns deles foram exportados pela CIA para a Ucrânia, ligados ao Daesh desde 2014 na guerra terrorista na Síria, e poderiam buscar sua reativação na China tentando uma aliança com o Daesh Khorasan.


É no mínimo estranho que, dada a atividade terrorista que o Daesh Khorasan está realizando no Afeganistão, onde concentrou seus objetivos em instituições da comunidade xiita, os Estados Unidos admitam abertamente que, após a retirada do Afeganistão, não voltaram a bombardear os campos do Daesh, como se pretendesse deixar uma chama acesa para que o país continuasse a arder.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional



0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg