top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A verdade sobre Fulgencio Batista"



Mentir, mentir e mentir mais. Esta é a linha da mídia anticubana no sul da Flórida, ao abordar a questão da Ilha, em termos de atualidade, mas também do passado.


Canais de televisão, rádios, portais e jornais ali instalados têm há anos, entre suas pautas discursivas – embora a matriz tenha se intensificado notavelmente nas últimas semanas –, a reivindicação do sanguinário tirano Fulgêncio Batista.


Ao longo de janeiro e fevereiro de 2022, houve um congestionamento de artigos, comentários e entrevistas com parentes do ditador ou supostos especialistas sobre seu “legado”. Tudo o que foi dito em tais espaços sobre esse personagem aterrorizante da história de Cuba é tão absurdo e mentiroso que beira o delírio.


Qualquer vida de santo seria ofuscada por tal avalanche de falsidades tendentes a enobrecer a figura abjeta. Mas para saber realmente quem foi Fulgêncio Batista, nem é preciso ir à “história escrita pelos comunistas”. A verdade é encontrada até mesmo na mídia ocidental, livros e declarações de altos funcionários em Washington.


Aquele homem estabeleceu em 1952 a ditadura mais sangrenta e corrupta conhecida em Cuba, apenas com o precedente de Gerardo Machado em relação ao registro criminal.


Conhecido por seu trabalho anterior à frente do país, tanto por seu golpe passado quanto por seu fervor pró-Washington – demonstrado desde sua aliança com o embaixador Sumner Welles em 1933 –, o golpe de 1952 teve total apoio do governo dos Estados Unidos.


Ele foi um peão que implementou as políticas para a região, aconselhado por seus mentores. Seus mestres lhe deram um sólido apoio material e conselhos militares, à semelhança de como procederam, anos depois, com o desgoverno de Pinochet no Chile, após o golpe contra Salvador Allende.


Os investimentos norte-americanos chegariam a um bilhão de dólares em Cuba ao longo de seu mandato. As visitas do então vice-presidente, Richard Nixon, e de Allan Dulles, diretor da CIA, em 1955, serviram para fortalecer os programas econômicos e ideológicos do império na ilha.


Dulles levantou com o tirano a preocupação de seu governo com a atividade comunista em Cuba, diante da qual o ditador inaugurou, em poucas semanas, o Bureau de Repressão às Atividades Comunistas (o temível BRAC).


A “criatura”, junto com o não menos aterrorizante Serviço de Inteligência Militar (SIM), a Polícia Nacional e o Exército, transformou o país em um estado policial, em cujo vórtice as pessoas viviam em permanente ansiedade e onde o descontentamento político era punido com a morte, sem meias medidas.


Enquanto isso, a máfia americana fez do negócio da noite e do jogo outro império em Cuba, chamado “o bordel da América”, um assunto sobre o qual foram publicadas valiosas pesquisas.


Feliz a todos no Norte, bandidos incluídos, Batista fez um open bar aqui. Assim, gerou grandes assassinos na história da América Latina (Conrado Carratalá, Pilar García, os irmãos Salas Cañizares – Rafael, Juan e José María – e Esteban Ventura Novo) e coortes de criminosos para defender sua sinistra estrutura política.


Eram “homens de baixo instinto, criminosos natos, bestas carregando todos os atavismos ancestrais vestidos de forma humana”, para dizer as palavras de Fidel, que colocaram a nação no limite e, principalmente, sua juventude, que morreu com os olhos arrancados, seus testículos estourados ou estuprados, em quartéis, valas, campos abertos, rios e mares.


Em seu reinado de “sangue e pilhagem” – termos usados ​​pelo jornalista Enrique de la Osa –, a corrupção superou todos os padrões históricos de uma nação já conhecedora do assunto naquela época. Batista, sozinho, elevou o salário presidencial de 26.400 para 144 mil dólares, ainda mais alto que o do presidente americano Truman, cujo valor girava em torno de 100 mil.


No entanto, grande parte da população cubana estava desempregada, enquanto a maioria dos camponeses vivia em quartéis com telhados de guano e chão de terra batida, sem saneamento ou água encanada. Enquanto isso, 90% não tinham eletricidade.


Como o professor francês Salim Lamrani recolhe em seu ensaio 50 verdades sobre a ditadura de Fulgencio Batista em Cuba, o economista inglês Dudley Seers afirma que a situação em 1958 era intolerável: “no campo, as condições sociais eram muito ruins. Quase um terço da nação vivia na imundície (…) vivendo em quartéis, geralmente sem eletricidade ou latrinas, vítimas de doenças parasitárias e não beneficiavam de um serviço de saúde.


“Foi negado a instrução (seus filhos foram para a escola por no máximo um ano). A situação dos precários, instalados em quartéis temporários em terrenos coletivos, era particularmente difícil (...). Uma proporção significativa da população urbana também era muito miserável”.


Arthur M. Schlesinger, Jr., conselheiro pessoal do presidente John F. Kennedy, escreveu: “Adorei Havana e fiquei horrorizado com a forma como esta linda cidade foi infelizmente transformada em um grande cassino e bordel para empresários americanos (...). Perguntava-se como os cubanos – vendo esta realidade – podiam considerar os Estados Unidos de outra forma que não com ódio”.


Esta foi a Cuba de miséria, sangue e terror imposta por Batista, o presidente “beatífico” que agora quer nos vender da Flórida. Só de pensar em tal passado redobra as forças na luta, para nunca mais voltar a um cenário tão desolado.


Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg