top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A Crise de Outubro, a expressão máxima da coragem do povo cubano"



A crise de outubro de 1962 foi a primeira vez que a humanidade esteve à beira de uma guerra nuclear, e uma demonstração da coragem do povo cubano em defender sua independência diante de uma potencial invasão dos Estados Unidos, correndo o risco de sua própria vida.


De 22 a 28 de outubro daquele ano, o povo cubano viveu nas trincheiras, em pé de Guerra, como diziam os jornais, com plena confiança em seu Comandante em Chefe Fidel Castro Ruz e na liderança da Revolução, sabendo que, antes da preparativos de invasão pelos Estados Unidos, estavam defendendo o sagrado direito à independência e soberania.


Aqueles que naquela época tiveram a oportunidade de viajar de Havana a Matanzas, ficariam impressionados com as imagens de milhares de milicianos abrindo valas profundas na Via Blanca para impedir a possível passagem de tanques e veículos invasores, a mineração de pontes e a construção de trincheiras.


Então já se passaram três anos e meses desde o triunfo da Revolução Cubana e ao longo desse tempo as autoridades de Washington tentaram derrubar o governo revolucionário de várias maneiras, mas falharam, incluindo a derrota sofrida pela invasão mercenária em Playa Girón, em abril de 1961.


Essa derrota foi extremamente humilhante para o novo presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, e de acordo com seu irmão e alguns de seus conselheiros diretos, esse fracasso não o chamou à sanidade, mas à vingança. Para isso, aprovou um novo plano de operações secretas no final de 1961, a Operação Mongoose, que serviria de pretexto para uma nova invasão de Cuba, desta vez diretamente com as Forças Armadas dos Estados Unidos.


Este objetivo era conhecido da inteligência soviética e cubana e, quando os dirigentes soviéticos consideraram que Cuba não poderia resistir a uma agressão militar direta dos Estados Unidos, propuseram estacionar um contingente de suas tropas na ilha, com foguetes nucleares de alcance médio, capazes de cobrir o território dos Estados Unidos, para evitar uma agressão, já que não seria mais contra Cuba, mas um confronto direto com a União Soviética.


Uma divisão equipada com foguetes nucleares de médio e médio alcance começou a chegar a Cuba no final de junho e julho, composta por cinco regimentos, três com foguetes tipo R-12 de médio alcance (SS-4 segundo a designação da OTAN) e dois com foguetes de alcance intermediário R-14 (SS-5). Cada regimento tinha oito plataformas de lançamento e 12 foguetes, para um total de 40 rampas e 60 foguetes. O alcance de cada R-12 era de até 2.100 quilômetros e sua potência era de um megaton, equivalente à detonação de um milhão de toneladas de explosivos convencionais. Os foguetes R-14 alcançavam 4.500 quilômetros e a potência de sua carga nuclear era de 1,65 megatons, ou seja, 127 vezes mais que a bomba de Hiroshima.


Em 9 de outubro, o presidente Kennedy ordenou aumentar os voos de aviões U-2 sobre Cuba, a fim de obter provas fotográficas, e em 15 de outubro foram identificados locais de foguetes SS-4 de médio alcance (R-12 para a URSS). Isso mudou a situação. Até então, havia quase um consenso nos Estados Unidos a favor de uma ação militar contra Cuba, quando desconheciam que, se ocorresse, aumentaria o risco de uma guerra nuclear mundial.


No dia 26 de outubro (sexta-feira) a partir da manhã os voos baixos dos aviões dos Estados Unidos aumentaram, o que aumentou o perigo de um ataque aéreo surpresa. Fidel tomou a decisão de atirar em todos os aviões que violassem o espaço aéreo cubano a partir do dia 27. Nesse mesmo dia um avião U-2 que havia violado o espaço aéreo e sobrevoado a ilha foi derrubado, levando a morte do piloto Major Rudolf Anderson Jr.


Naquela mesma tarde, em Washington, foi entregue ao Presidente uma carta do premiê soviético Nikita Khrushchev, na qual afirmava: “Se houver garantias do Presidente e do Governo dos Estados Unidos, de que o país não participará da a invasão de Cuba e impedirá que outros realizem atos semelhantes e se você retirar sua frota, isso mudaria imediatamente (...) Então a questão das armas cessaria, porque se não houver ameaça, as armas são um fardo para qualquer pessoa”.


Kennedy finalmente enviou a Khrushchev uma mensagem de resposta, considerando a proposta aceitável “se retirar esses sistemas de armas de Cuba, sob a devida inspeção da ONU, e se comprometer, com as devidas garantias, a não introduzir, no futuro, armamento desta classe. Pela nossa parte, comprometemo-nos (...): a) a levantar rapidamente o bloqueio; b) dar garantias de que Cuba não será invadida”.


Quando a direção cubana tomou conhecimento do acordo, feito sem consultá-los, imediatamente expressou seu desacordo, pois a garantia da palavra do presidente dos Estados Unidos tinha muito pouco valor na experiência cubana. Na tarde daquele domingo, o Comandante Fidel Castro Ruz levantou seus conhecidos Cinco Pontos, afirmando que: “As garantias de que Kennedy falava não existiriam se, além da eliminação do bloqueio naval que ele prometeu, as seguintes medidas não foram adotadas:


1) Cessação do bloqueio econômico e de todas as medidas de pressão comercial e econômica exercidas pelos Estados Unidos contra Cuba.


2) Cessação de todas as atividades subversivas, lançamentos e desembarques de armas e explosivos por ar e mar, organização de invasões mercenárias, infiltração de espiões e sabotagem.


3) Cessação de ataques piratas.


4) Cessação de todas as violações do espaço aéreo e naval por aviões e navios de guerra norte-americanos.


5) Retirada da Base Naval de Guantánamo e devolução do território cubano ocupado pelos Estados Unidos. Os governantes dos EUA se recusaram a falar sobre os cinco pontos.


Na terça-feira, 30 de outubro, U Thant, secretário-geral em exercício da ONU, viajou a Havana para se encontrar com Fidel. Em suas conversas, foram delineadas as posições firmes de Cuba a respeito do necessário cumprimento dos cinco pontos levantados pelo Comandante em Chefe. Reiterou-se que não permitiriam nenhuma inspeção em território cubano para verificar a retirada dos foguetes, já que Cuba não violou nenhum direito internacional e, em vez disso, os Estados Unidos o fizeram e ninguém controlaria o cumprimento de sua palavra de não invadir Cuba.


As posições e abordagens de U Thant em relação à crise de outubro influenciaram o governo dos Estados Unidos a evitar uma ampla discussão na ONU sobre o assunto. Por concessão dos soviéticos a saída dos foguetes foi verificada no mar, fora das águas jurisdicionais cubanas.


Este capítulo heroico se fechava na ilha, descrito pelo Comandante Ernesto Che Guevara em sua carta de despedida a Fidel, quando disse “Senti ao seu lado o orgulho de pertencer ao nosso povo nos dias brilhantes e tristes da crise caribenha. Raramente um estadista brilhava mais forte do que naquela época.


Do Granma


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg