top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Chade-República Centro-Africana: a fronteira em chamas"



Há semanas, a fronteira de 1.200 quilômetros entre a República Centro-Africana e o Chade se tornou mais uma frente da nova “guerra fria”, que os Estados Unidos lançam, desde 2013, contra a Rússia, após a decisão de Moscou de intervir na Síria, impedindo a queda de seu presidente Bashar al-Assad, o que levaria imediatamente à balcanização do país, e evitando que seu povo caísse nas mãos das gangues rigoristas que respondem tanto ao Daesh quanto à Al-Qaeda.


Os seus fracassos na Síria, Iraque e Afeganistão forçaram Washington a repensar sua política externa, portanto, focar na África, onde a Rússia e a China estão ganhando terreno, é vital não apenas para Casa Branca, mas também para seus parceiros da OTAN e principalmente para a França, que a partir do momento que suas colônias começaram a desmamar no início dos anos 70, vem tentando reinstalar a velha ordem, trazer a velho Françafrique aos tempos correntes.


É por isso que a França está envolvida desde 2012, com a Operação Barkhane, cerca de 5 mil homens que tentam impedir a expansão de grupos fundamentalistas: a franquia da Al-Qaeda conhecida como Jamāʿat nuṣrat al-islam wal-muslimīn (Frente de Apoio ao Islã e aos muçulmanos) ou JNIM, e o khatiba do Daesh ou Estado Islâmico no Grande Saara (ISGS).


Os enormes recursos que a França investiu nesta guerra, e que não foram de utilidade para ela, fazem Emmanuel Macron temer que seu eleitorado o considere nas eleições presidenciais de abril próximo; e diante dessa possibilidade, insiste na retirada de tropas e no fechamento de bases, o que sem dúvida seria uma tragédia para toda a região. Uma vez que é improvável que os exércitos que compõem o Grupo 5 Sahel ou G5S (Mali, Níger, Burkina Faso, Chade e Mauritânia) consigam conter os terroristas.


O fraco papel da França no norte do Mali, que não só foi incapaz de conter os mujahideen, mas se espalharam para países vizinhos como Burkina Faso e Níger, então outro desastre como Ðiện Biên Phủ poderia estar no horizonte, uma batalha que lhe custou seu império na Indochina.


A situação crítica de segurança no oeste do Sahel causou um longo período de instabilidade política no Mali, que levou um grupo de jovens coronéis a derrubar dois presidentes em menos de um ano. E depois de nomear seu líder como presidente, o Coronel Assimi Goita (que no dia 20 sofreu um ataque de faca do qual escapou ileso) governa o país desde maio, marcaram suas diferenças com Eliseo, principalmente em relação ao manejo da guerra, o que obrigou Paris, o que abriu as portas a Macron para uma saída mais ou menos elegante enquanto o comando francês já restringiu suas operações e a retirada de um número significativo dos 5 mil franceses que compõem o Barkhane. Macron anunciou que, no primeiro trimestre de 2022, cancelaria a operação, embora já esteja operando o grupo Takuba, formado por tropas de elite de mais de uma dezena de países europeus, que tentarão resolver os problemas que a França não conseguiu.


O cão de guarda

Dada a volatilidade da situação do Mali, a França deve proteger as fronteiras de suas ex-colônias, nas quais tem investimentos significativos, fundamentalmente em termos de mineração, e particularmente no Níger, com quem Mali faz fronteira de 840 quilômetros, aquele país, quinto produtor mundial de urânio, é elemento-chave para a geração de energia nuclear, com o qual a França supre quase 80% de suas necessidades de eletricidade e até permitiu que se tornasse o maior exportador de energia da Europa.


A mina Arlit, operada pela empresa francesa Areva, representa talvez o bem mais precioso de Paris em África, muito mais depois do encerramento das operações da Tota l em Cabo Delgado (Moçambique), província onde se registra uma forte presença do terrorismo desde 2017.


A França sabe muito bem que, para garantir o Níger, é essencial a colaboração do Chade, o gendarme histórico do Sahel, cujo ditador, o general Idriss Déby, durante trinta anos, sempre protegido, que morreu em combate em abril passado, conseguiu construir um dos exércitos mais poderosos do continente.


A morte do fiel Déby poderia ter gerado incertezas para a França, mas a irrupção de uma camarilha militar chefiada pelo filho do falecido presidente, General Mahamat “Kaká” Déby, aniquilou a incipiente democracia chadiana, e com o consenso da França, certamente permanecerá no poder por muitos anos.


Rapidamente Mahamat Déby, jurou lealdade a Macron durante a solenidade do funeral do seu pai, não está só disposto a colaborar com o Níger, na luta contra o terrorismo, mas em controlar a extensa fronteira e intervir na guerra civil da República Centro-Africana, que já ultrapassa cem mil mortes. Iniciado em 2013, tropas regulares lutam com um grupo rebelde, em sua maioria muçulmano, conhecido como Seleka (Aliança), sem conexões aparentes com o Daesh ou a Al-Qaeda, e que ainda controla áreas importantes do país.


Com as forças do presidente Faustin-Archange Touadéra, colaboram os mercenários russos da Companhia Wagner, o que tem chamado a atenção do Ocidente por temer que Moscou aprofunde sua parceria com o presidente Touadéra.


O Chade lançou, além dos confrontos de fronteira, uma intensa campanha na mídia denunciando Moscou de interferência nos assuntos internos da República Centro-Africana, que incluiu a acusação do embaixador dos Estados Unidos na Líbia de ter tentado responsabilizar Moscou pela morte do General Idriss Déby, que em abril deste ano havia caído em combate contra grupos insurgentes da Frente de Alternância e Concórdia no Chade (FACT). A denúncia do embaixador estadunidense havia sido uma informação falsa dada pela inteligência francesa.


No início de junho passado, Chade acusou a República Centro-Africana de ter atacado o posto de fronteira de Sourou, onde um soldado chadiano havia morrido e cinco outros foram sequestrados, para serem executados em Mbang ao lado da República Centro-Africana. Soldados russos, pertencentes à missão de apoio que Moscou destacou na República Centro-Africana, também foram mortos no ataque.


De acordo com as autoridades de Bangui, a capital centro-africana, o incidente ocorreu quando os soldados da República Centro-Africana perseguiam membros da Unidade de Paz da África Central (UPC), um dos grupos que faz parte da oposição ao Presidente Touadéra, que, em dezembro de 2020, logo após a posse, sofreu uma tentativa de golpe.


As forças da coalizão rebelde tiveram que deixar as grandes cidades nos últimos meses, segundo fontes ocidentais “graças ao apoio dado ao exército da República Centro-Africana por centenas de paramilitares russos”.


Em 17 de julho, o líder operacional do Grupo Wagner avisou quem se aproximasse das áreas de mineração de Bria, onde operariam as mineradoras russas, seria imediatamente fuzilado e soube-se que nesse mesmo dia os combatentes russos haviam forçado as tropas MINUSCA (Missão Integrada Unidimensional das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana), para deixar a área, depois de ter dado um tratamento humilhante.


Por sua vez, o embaixador dos Estados Unidos nas Nações Unidas exigiu que Moscou acabasse com a violência dos “mercenários” que aparentemente seriam financiados pelo Ministério da Defesa russo e prendesse os responsáveis ​​pelos inúmeros crimes que cometeu. A aliança entre Moscou e o República Centro-Africana surgiu em 2018 após um acordo de cooperação militar, que posteriormente foi expandido para outras áreas.


As Nações Unidas relataram que instrutores militares russos e tropas do República Centro-Africana atacaram civis com “força excessiva”, levando a assassinatos indiscriminados, ocupação de escolas e saques em grande escala. Acusações que o Kremlin descreveu como mentiras. A República Centro-Africana, com uma população de menos de cinco milhões de habitantes, possui importantes depósitos de ouro e diamantes que o Ocidente sempre desejou encontrar, um bom motivo para cruzar a fronteira.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg