• NOVACULTURA.info

Mao: "Organizemo-nos!"



Em nome do Comitê Central do Partido Comunista, eu gostaria de dizer algumas palavras nesta recepção que o Partido hoje organiza em honra dos nossos heróis do trabalho, heroínas do trabalho e trabalhadores-modelo da produção, eleitos pelas massas do campo, pelas fábricas, forças armadas, organismos e escolas, na região fronteiriça Xensi-Cansu-Ninsia. O que tenho a dizer pode resumir-se nestas palavras: “Organizemo-nos!” Ao longo deste ano foi realizado um movimento, em prol da produção, pelas massas do campo, exército, organismos, escolas e fábricas da região fronteiriça, em conformidade com as resoluções adotadas na conferência de quadros superiores que o Birô do Noroeste do Comitê Central convocou no Inverno último. Neste ano, registamos importantes êxitos e fizemos grandes progressos em todos os domínios da produção, tendo a nossa região fronteiriça adquirido uma nova fisionomia. Os fatos confirmaram plenamente a justeza da política definida nessa conferência, cujo ponto essencial era organizar as massas, quer dizer, mobilizar e constituir num grande exército do trabalho todas as forças disponíveis, sem exceções, no seio da população, exército, organismos e escolas — homens e mulheres, velhos e crianças, capazes de trabalhar plena ou parcialmente. Temos um exército de combate e um exército de trabalho. Para o combate, dispomos do VIII Exército e do Novo IV Exército, mas mesmo estes também realizam uma dupla tarefa: combater e produzir. Dispondo, pois, de dois exércitos, dos quais um, o exército combatente, é capaz de assumir essa dupla tarefa e, além disso, fazer o trabalho de massas, nós podemos vencer as dificuldades e derrotar o imperialismo japonês. A esse respeito, se os sucessos do nosso movimento pela produção na região fronteiriça, registados durante os anos anteriores, não foram suficientemente importantes nem suficientemente sensíveis para que sejam concludentes, os deste ano são inteiramente comprovantes, como todos puderam constatar com os próprios olhos.


Na região fronteiriça, todas as unidades do exército que neste ano dispõem de terras conseguiram cultivar, em média, dezoito mu por combatente e, sozinhas, conseguiram produzir e fazer praticamente tudo: alimentação, por exemplo os legumes, a carne e os óleos de cozinha; vestuário, por exemplo as roupas acolchoadas, as malhas de lã, os sapatos e meias; construção e alojamentos, por exemplo as grutas e as casas para habitação, as salas grandes e pequenas para as reuniões; artigos de uso corrente, por exemplo as mesas, cadeiras, bancos, papel, pincéis e tinta; combustível, por exemplo as madeiras, o carvão de madeira e hulha. Usando as próprias mãos, conseguimos realizar o objetivo de “assegurar amplamente vestuário e alimentos”. Cada combatente apenas necessita de participar na produção três meses por ano, podendo consagrar os restantes nove meses ao treino e ao combate. Quanto à manutenção, as nossas tropas não dependem nem do governo kuomintanista, nem do governo da região fronteiriça, nem das populações: podem por si próprias satisfazer as suas necessidades. Que inovação importante não foi para a causa da nossa libertação nacional! Há seis anos e meio que prossegue a Guerra de Resistência, o inimigo aplica contra as bases antijaponesas a política de “queimar tudo, matar tudo e pilhar tudo”, a região fronteiriça Xensi-Cansu-Ninsia vive submetida a bloqueio rigoroso pelo Kuomintang e nós encontramo-nos em situação financeira e econômica extremamente difícil; se as nossas tropas tivessem sido apenas capazes de combater, não teríamos podido solucionar os problemas. Agora as tropas da região fronteiriça aprenderam a produzir; na frente, uma parte das tropas aprendeu igualmente a produzir e a outra parte começa a lançar-se nisso. Se, nesses heroicos e combativos VIII e Novo IV Exércitos, cada homem aprender não apenas a combater e trabalhar entre as massas, mas também a produzir, não mais teremos de recear as dificuldades e, como dizia Mêncio, seremos “invencíveis sob o céu”. Também os nossos organismos e escolas deram um grande passo em frente este ano: apenas uma fraca percentagem das suas despesas teve de ser paga pelo governo, pois a maior parte foi custeada pela própria produção. Satisfizeram, com trabalho próprio, cem por cento das suas necessidades em legumes, a comparar com os cinquenta por cento do ano passado; conseguiram aumentar consideravelmente o consumo de carne, graças à criação de porcos e carneiros, e montaram um grande número de oficinas para o fabrico de artigos de uso corrente. Com o exército, os organismos e as escolas a satisfazerem por si próprios a totalidade ou a maior parte das necessidades materiais, diminuiu a contribuição pedida à população sob forma de impostos, o que permitiu a esta o desfrute duma parte maior do produto do seu trabalho. Como o exército e a população desenvolvem, um e outra, a produção, conseguiram assegurar amplamente vestuário e alimentos, ficando toda a gente satisfeita. Por outro lado, nas nossas fábricas, a produção desenvolveu-se, os agentes secretos foram desmascarados e a produtividade aumentou consideravelmente. Em toda a extensão da nossa região fronteiriça surgiu um grande número de heróis do trabalho, na agricultura e na indústria, nos organismos, nas escolas e no exército. Pode dizer-se que na região fronteiriça a produção está agora na boa via. Tudo isso resultou da organização da força existente no seio das massas.


Organizar a força das massas constitui uma política. Mas será que existe a política contrária? Sim. É a política a que falta o ponto de vista de massas, que não se apoia nas massas ou não as organiza, e que, sem dispensar qualquer atenção à organização das grandes massas do campo, forças armadas, organismos, escolas e fábricas, se preocupa exclusivamente com a organização do pequeno número de indivíduos pertencentes aos serviços encarregados das finanças, aprovisionamento e comércio; essa política não considera o trabalho econômico como um vasto movimento ou uma grande frente de combate, vê-o apenas como expediente para suprir a insuficiência de recursos financeiros. Tal é a outra política, a falsa política. Essa política foi aplicada no passado na região fronteiriça Xensi-Cansu-Ninsia mas, depois de anos de esforços para corrigi-la, graças sobretudo à conferência dos quadros superiores realizada no ano passado e ao movimento de massas deste ano, já não conta provavelmente senão um número muito reduzido de partidários. Nas nossas bases de apoio do Norte e Centro da China, dados os violentos combates e o fato de os organismos dirigentes não terem prestado suficiente atenção ao movimento de produção das massas, este ainda não atingiu maiores proporções. Não obstante, depois que o Comitê Central formulou a diretiva de 1 de outubro último, estão sendo feitos preparativos para desencadear no próximo ano, e em toda a parte, um movimento de produção. Nas regiões da frente as condições são ainda mais difíceis que na região fronteiriça Xensi-Cansu-Ninsia: desenrolam-se aí violentos combates e certas localidades sofreram graves calamidades naturais. Para apoiar a guerra, fazer face à política inimiga de “queimar tudo, matar tudo e pilhar tudo” e socorrer as vítimas das calamidades naturais importa mobilizar inteiramente o Partido, o governo, o exército e a população civil, para a luta contra o inimigo e para participação numa atividade de produção. Com a experiência adquirida na frente, durante estes poucos últimos anos, no domínio da produção, e com o trabalho de preparação empreendido este Inverno no plano da ideologia e da organização, tanto como no plano material, pode e deve, no ano que vem, dar-se grande extensão a esse movimento. Nas regiões da frente, onde os combates continuam, não existe ainda a possibilidade de “assegurar amplamente vestuário e alimentos”, mas devemos e podemos perfeitamente “usar as próprias mãos para superar as dificuldades”.


Atualmente, no plano econômico, a forma mais importante de organização das massas é a cooperativa. Embora não seja forçoso colar o rótulo cooperativa às atividades produtivas das massas no nosso exército, organismos e escolas, elas não deixam por isso de ter um caráter cooperativo, sob direção centralizada, uma vez que é pela entreajuda e o trabalho em comum que procuram satisfazer as necessidades materiais de cada setor, de cada unidade, de cada pessoa. Trata-se, pois, igualmente, duma forma de cooperativa.


Entre as massas camponesas, a economia individual predomina desde há milênios, constituindo cada família, cada lar uma unidade de produção. Essa forma de produção individual e dispersa é a base econômica do regime feudal e mantém os camponeses em estado de pobreza perpétua. O único meio de acabar com tal situação é coletivizar gradualmente e a única via que conduz à coletivização é, segundo Lenin, a cooperativa. Nós já organizamos na região fronteiriça um grande número de cooperativas camponesas, mas ainda são de forma elementar; só depois de várias etapas de desenvolvimento se converterão em cooperativas de tipo soviético, conhecidas pelo nome de kolkhozes. A nossa economia é de democracia nova. As nossas cooperativas continuam sendo organizações de trabalho coletivo baseadas na economia individual (propriedade privada) e revestem formas diversas. Uma forma é a representada pelas organizações de entreajuda para o trabalho agrícola, como as “equipas de troca de trabalho” e as “equipas de troca e prestação de trabalho”. Essas organizações chamavam-se, nas regiões vermelhas do Quiansi, grupos de entreajuda no trabalho ou equipas de trabalho; agora, em certas regiões da frente, chamam-se grupos de entreajuda. Na medida em que são organizações de entreajuda coletiva, a que as massas aderem livremente (de modo nenhum se recorre à coação), todas são boas, não importando as designações; não importando que englobem apenas uns quantos membros ou dezenas ou até centenas de membros, agrupem gente com capacidade de trabalho plena ou também gente com capacidade de trabalho parcial; não importando que a ajuda mútua se exprima sob forma de participação em mão de obra, em força animal, em instrumentos, ou que os membros comam e durmam sob o mesmo teto, na época dos grandes trabalhos; nem importando, enfim, que sejam organizações de caráter temporário ou permanente. Esses métodos de entreajuda coletiva são criação das próprias massas. No passado nós fizemos um balanço dessa experiência adquirida pelas massas no Quiansi e, agora, fazemo-lo no norte do Xensi. Na região fronteiriça, a entreajuda no trabalho tornou-se muito mais sistemática e desenvolveu-se melhor desde que foi encorajada, no ano passado, pela conferência de quadros superiores e executada ao longo de todo o ano em curso. Com efeito, muitas das equipas de troca de trabalho lavraram, semearam, mondaram e colheram coletivamente, obtendo colheitas duas vezes mais importantes que as do ano anterior. Agora que as massas viram até que ponto os resultados são substanciais, não há dúvida que muito mais gente adotará, no ano próximo, esse sistema. Não esperamos que as centenas de milhares de habitantes da região fronteiriça, com plena ou parcial capacidade de trabalho, se organizem em cooperativas num só ano, mas esse objetivo pode atingir-se em alguns anos. Há que mobilizar também as mulheres para participarem, em certa medida, na produção. Devemos reeducar todos os ociosos e fazer deles bons cidadãos, através duma participação na produção. Em todas as bases de apoio antijaponesas da China Setentrional e da China Central, devem organizar-se em grande escala cooperativas de produção, segundo o livre consentimento das massas e baseando-se na entreajuda coletiva.


Além das cooperativas agrícolas de produção, baseadas na entreajuda coletiva, existem mais três espécies de cooperativas — cooperativas combinadas, como a do distrito sul de Ienan, que é simultaneamente uma cooperativa de produção, consumo, transporte (transporte de sal) e crédito, cooperativas de transporte (equipas de transporte de sal) e cooperativas artesanais.


Com esses quatro tipos de cooperativas criados pelas massas, bem como com as cooperativas baseadas no trabalho coletivo dentro do exército, organismos e escolas, ficamos capazes de organizar todas as forças do povo num grande exército de trabalho. É a única via de libertação das massas populares, a única via que leva da pobreza à prosperidade, a única via que conduz à vitória na Guerra de Resistência. Todos os comunistas devem aprender a organizar o trabalho das massas. Os comunistas de origem intelectual também precisam, evidentemente, de aprender isso e, se forem determinados, conseguem-no em seis meses a um ano. Eles poderão ajudar as massas a organizar a produção e fazer o balanço das experiências. Quando os camaradas tiverem adquirido, além doutras aptidões, a arte de organizar o trabalho das massas, quer dizer, quando tiverem aprendido a ajudar os camponeses a estabelecer os seus planos de produção por lar, a criar equipas de troca de trabalho, equipas de transporte de sal e cooperativas combinadas, a organizar a produção no exército, organismos, escolas e fábricas, a organizar a emulação na produção, a encorajar e a recompensar os heróis do trabalho, a organizar exposições sobre produção, a desenvolver a atividade e a iniciativa criadora das massas, ficaremos seguramente capazes de expulsar os imperialistas japoneses e, juntamente com a totalidade do povo, de edificar uma China nova.


Para tudo, nós, os comunistas, devemos saber ligar-nos às massas. Se os membros do Partido passarem a vida inteira metidos entre quatro paredes, a coberto das tempestades e cortados do mundo, de que utilidade poderão ser para o povo chinês? De nenhuma utilidade. Não precisamos de gente assim como membro do Partido. Nós, os comunistas, devemos desafiar as tempestades e olhar de frente o mundo: as grandes tempestades da luta das massas, o mundo grandioso da luta das massas. “Três vulgares sapateiros fazem um Tchuke Liam”. Por outras palavras, as massas têm latente uma enorme força criadora. Com efeito, há entre o povo chinês milhares e milhares de “Tchuke Liam”; há-os em cada aldeia, em cada vila. Devemos ir ao seio das massas, aprender com elas, sintetizar as suas experiências e deduzir destes princípios e métodos ainda melhores e sistemáticos, explicá-los então às massas (fazer propaganda) e chamá-las a pô-los em prática, de maneira que resolvam os seus problemas e alcancem a libertação e felicidade. Quando os camaradas que fazem o trabalho local ficam desligados das massas, não conseguem entender-lhes os sentimentos, não as ajudam a organizar a produção e a melhorar as condições de existência, e se contentam com coletar o “cereal público para a salvação da Pátria” — sem compreender que dez por cento da sua energia bastaria para essa tarefa desde que consagrassem os noventa por cento restantes à ajuda às massas na solução do problema do “cereal privado para a salvação do povo” — isso significa que estão influenciados pelo estilo de trabalho do Kuomintang e cobertos de sujidade burocrática. O Kuomintang não sabe mais que fazer exigências ao povo, nada lhe oferecendo em contrapartida. Se um comunista age do mesmo modo, o seu estilo de trabalho é o do Kuomintang, tem a cara coberta duma camada de sujidade burocrática e necessita, portanto, uma boa lavagem em bacia de água quente. Parece-me que esse estilo burocrático existe em todas as nossas bases de apoio antijaponesas no que respeita a trabalho local, há por toda a parte camaradas a quem falta o ponto de vista de massas e estão por isso desligados destas. Temos de desembaraçar-nos resolutamente desse estilo de trabalho, pois só assim poderemos unir-nos estreitamente com as massas.


Por outro lado, no nosso trabalho no seio do exército existe ainda esse estilo de caudilho militar também caraterístico do Kuomintang, cujo exército está desligado das massas. As nossas tropas devem observar princípios corretos nas relações entre o exército e o povo, entre o exército e o governo, entre o exército e o Partido, entre os oficiais e os soldados, entre o trabalho militar e o trabalho político, e entre os quadros, em caso nenhum devendo cair nos vícios do caudilhismo militar. Os oficiais devem preocupar-se pelos soldados, não ser indiferentes com relação a estes nem recorrer a ofensas corporais. O exército deve preocupar-se pelo povo e nunca violar os seus interesses. O exército deve respeitar o governo e o Partido e nunca reclamar “independência”. O nosso VIII Exército e o nosso Novo IV Exército são forças armadas do povo, forças que são e sempre foram excelentes e constituem as melhores tropas do país. Não obstante, constitui uma verdade que, nestes últimos anos, surgiu e desenvolveu-se um certo comportamento caudilhista militar, certos camaradas que trabalham no exército tornaram-se arrogantes e comportam-se de maneira arbitrária com os soldados, o povo, o governo e o Partido. Censuram os camaradas que trabalham no plano local e julgam-se acima de qualquer reparo. Não veem senão os seus êxitos, são cegos quanto aos seus defeitos. Gostam de ouvir elogios, mas não críticas. Casos desses podem constatar-se, por exemplo, na região fronteiriça Xensi-Cansu-Ninsia. Depois da conferência dos quadros superiores e da reunião dos quadros militares e políticos, realizadas no ano findo, e graças também aos movimentos de apoio ao governo e preocupação pelo povo e de apoio ao exército, lançados este ano durante a Festa da Primavera, essa tendência ficou no essencial ultrapassada, mas ainda temos de perseverar nos esforços para eliminar-lhe os últimos vestígios. Nas bases de apoio da China Setentrional e Central, verificaram-se igualmente as mesmas faltas, pelo que é necessário que as organizações do Partido e as forças armadas daí se entreguem seriamente à tarefa de eliminá-las.


Trate-se de burocracia no trabalho local ou de caudilhismo militar no trabalho do exército, o mal tem sempre a mesma natureza: isolamento em relação às massas. A esmagadora maioria dos nossos camaradas são bons. Os que cometem tais faltas poderão corrigir-se se forem submetidos a críticas e se os seus erros forem sublinhados. Mas uma autocrítica é algo imperioso, as tendências erradas devem ser encaradas de frente e corrigidas seriamente. Recusar-se a criticar a burocracia no trabalho local e o caudilhismo militar no trabalho do exército significa querer conservar o estilo do Kuomintang e trazer na cara anteriormente limpa sujidade burocrática e militarista, é não ser bom comunista. Se essas duas tendências forem eliminadas, o nosso trabalho desenvolver-se-á com facilidade em todos os domínios, compreendido, claro está, o movimento de produção.


A nossa região fronteiriça mudou profundamente de fisionomia, tanto em resultado dos grandes êxitos alcançados na produção pelas massas camponesas e pelos organismos, escolas, exército e fábricas, como em resultado duma importante melhoria nas relações entre o exército e o povo. Tudo isso indica que os camaradas passaram a ter um ponto de vista de massas mais firme e fizeram grandes progressos na identificação com as massas. Mas nem por isso devemos tornar-nos complacentes, pelo contrário, temos de prosseguir na autocrítica e no esforço para progredir mais. Devemos esforçar-nos por avançar mais na produção. A cara pode sujar-se, há que lavá-la todos os dias, o chão pode cobrir-se de poeira, há que varrê-lo diariamente. Embora a tendência para a burocracia no trabalho local e o caudilhismo militar no exército tenham sido eliminados no essencial, essas tendências nocivas podem voltar a surgir. Estamos cercados por todos os lados pelo imperialismo japonês e pela reação chinesa e vivemos entre uma pequena burguesia indisciplinada; é daí que resulta essa poeirada extremamente venenosa de burocracia e caudilhismo militar, que diariamente se nos deposita em grandes camadas sobre o rosto. Em caso nenhum devemos, pois, contentar-nos com os nossos sucessos. Devemos refrear a autossatisfação e criticar constantemente as nossas falhas, tal como lavamos a cara e varremos o chão todos os dias para remover a poeira e manter tudo limpo.


Heróis do trabalho, trabalhadores-modelo da produção! Vocês estão à cabeça do povo e obtiveram brilhantes resultados no trabalho, eu espero que, igualmente, não se contentem convosco. Espero que, ao regressarem às sub-regiões de Quantchum, Lon-tum, Sampian, Suite e aos diferentes distritos dependentes de Ienan, de regresso aos vossos organismos, escolas, unidades do exército ou fábricas, se coloquem à frente do povo, à testa das massas, para cumprirem ainda melhor as vossas tarefas e que, antes de mais, agrupem as massas em cooperativas, segundo o princípio do livre consentimento, organizando-as melhor e em número sempre crescente. Espero que, uma vez regressados, se consagrem a essa tarefa e se convertam nos respetivos propagandistas, a fim de que desde agora até à nova conferência dos heróis do trabalho, a realizar no próximo ano, possamos obter ainda maiores resultados.


Alocução do camarada Mao Tsé-tung em uma recepção organizada em honra dos heróis do trabalho da região fronteiriça Xensi-Cansu-Ninsia, em 29 de Novembro de 1943.