• NOVACULTURA.info

"Os 5 anos da guerra de Duterte não conseguiu esmagar a revolução popular filipina"



Hoje marca o 5º ano de mandato de Rodrigo Duterte e cinco anos de sofrimento das pessoas sob seu regime tirânico de traição e terrorismo, crime e corrupção. Agora, mais do que nunca, o povo fervilha de determinação para lutar pelo fim deste odioso regime.


Por cinco anos, o assassinato em massa foi a política chave de Duterte para estabelecer sua tirania e para aterrorizar e paralisar o povo. Em sua falsa “guerra às drogas”, sua guerra contra os povos originários e em sua guerra “para acabar com o conflito armado comunista”, a tática principal é atacar pessoas desarmadas e sujeitá-las a uma ampla gama de abusos por parte das forças armadas estatais.


Dezenas de milhares de pessoas foram submetidas a execuções extrajudiciais, sequestros, tortura, prisões ilegais, inclusão em “lista de narcotraficantes”, de “rotulagem de terrorismo”, ocupação militar de comunidades civis, assédio interminável de civis, recrutamento, “auto de rendição” e bombardeio implacável.


Duterte levou os cofres do estado à falência com sua corrupção, empréstimos sem fim e inchaço das forças militares e policiais. Ele demonstrou total negligência com o bem-estar dos trabalhadores, camponeses e das massas de desempregados, bem como dos professores, enfermeiras, funcionários públicos e da juventude. Em vez de atender às necessidades socioeconômicas e de saúde pública das pessoas, ele usou a pandemia desde 2020 para colocar ainda mais o governo e a sociedade sob o controle militar e policial e garantir uma “lei antiterrorista” draconiana.


As condições socioeconômicas das pessoas pioraram drasticamente sob o regime de Duterte e suas imposições fiscais, liberalização das importações de arroz e carne de porco, depressão salarial, grilagem e conversão do uso da terra, agressão econômica e pilhagem de corporações mineradoras multinacionais, plantações, projetos de energia e outras grandes operações da burguesia compradora. Milhões e milhões de pessoas perderam seus empregos e fontes de renda nas cidades e no campo.


Por cinco anos, a falta de soberania nacional do país piorou sem precedentes em face dos atos de traição de Duterte ao permitir que a China invadisse a zona econômica exclusiva do país e estendeu a plataforma continental, e trocou os direitos do país pela venda ou concessão de armas e outros materiais de guerra dos EUA.


Sob Duterte, a China reivindicou terras para desenvolver e expandir livremente suas instalações militares e reivindicar o mar e os recursos minerais circundantes. Afastou os filipinos de seus mares para saquear exclusivamente o abastecimento de peixes e outras formas de vida marinha. Por outro lado, Duterte continua a tratar a soberania do país como uma mercadoria, exigindo uma quantidade maior de ajuda militar dos Estados Unidos como “pagamento” pelo desequilibrado Acordo de Forças Visitantes (VFA), que fingiu revogar desde o último ano. Ele ignorou as demandas para a revogação do Tratado de Defesa Mútua, o Acordo de Cooperação de Defesa Reforçada e outros tratados militares desiguais que permitem a intervenção militar dos Estados Unidos no país.


O Partido e a revolução democrática popular certamente sobreviverão a Duterte, mesmo que ele consiga se perpetuar no poder impondo uma ditadura fascista ou manipulando as eleições de 2022 para colocar sua filha ou um fantoche nomeado.


Depois de cinco anos, é claro que a guerra suja travada pelo regime de Duterte para esmagar a revolução democrática popular é um fracasso massivo. É uma guerra perdida. Em vez de enfraquecer a revolução popular, a guerra de Duterte apenas teve sucesso em atiçar ainda mais a determinação revolucionária do povo. Isso fortaleceu o Novo Exército Popular (NPA) para lutar com ainda mais energia para defender o povo contra os abusos perpetrados pelas forças militares e policiais de Duterte.


A guerra de Duterte apenas expôs a podridão do sistema semicolonial e semifeudal dominante, que só pode ser defendido e mantido por meio da supressão armada dos explorados e oprimidos. A guerra suja de Duterte expõe ao povo a justa necessidade de travar a luta revolucionária para acabar com seu sofrimento.


Partido Comunista das Filipinas

30 de junho de 2021