1/10

"A luta contra o fascismo ainda não terminou"



Já se passaram 76 anos desde que as forças democráticas mundiais obtiveram uma brilhante vitória na Segunda Guerra Mundial, na qual o mundo inteiro mergulhou no grande caos que levou a destruição e massacre de centenas de milhões de humanos.


Apesar de muito tempo ter passado, os dolorosos infortúnios que tiraram a vida de muitas pessoas com as invasões armadas e atrocidades sem precedentes de assassinatos contra a humanidade, perpetrados pelo fascismo sob a ambição de dominar e escravizar o mundo inteiro, permanecem eternamente na humanidade como uma lesão incurável.


Na 59ª sessão da sua Assembleia Geral, a ONU fixou de 8 a 9 de maio como o dia para recordar as vítimas do período da Segunda Guerra Mundial e por isso se esforça para que todos os países não esqueçam as lições da guerra e aspirem à reconciliação e unidade nacional.


No entanto, se olharmos ao redor do mundo, podemos testemunhar o fato de que os atos dos criminosos de guerra nazistas e seus cúmplices são elogiados como atos patrióticos, como se não bastasse que eles fossem abertamente descritos como “guardiões da liberdade” e “heróis nacionais”.


Algumas forças extremistas de direita em alguns países ocidentais, transformando o obscuro em luz, espalham os argumentos injustos de que o exército aliado foi o criminoso da Segunda Guerra Mundial e, portanto, o fascismo não tem responsabilidade e eles até falam que devemos reavaliar o resultado da Segunda Guerra Mundial e reabilitar o nazismo.


A revitalização do nazismo que pregava a “extinção” da nação inferior pela “nação superior”, que advogava a chamada conquista do mundo constitui, nem mais nem menos, a expressão clara do chauvinismo nacional e do racismo que buscam suprimir e dominar outros países, e um ato que emana do esquecimento de que, fora da luta antifascista, não se pode imaginar a própria existência de seu país.


A tentativa de “glorificação” do nazismo e as retorcidas maquinações da história constituem um insulto aos lutadores conhecidos e desconhecidos que heroicamente caíram na guerra contra o fascismo, um insulto ao espírito de muitas pessoas inocentes que foram condenadas à morte e um ato perigoso que prejudica a paz e a segurança do mundo ao propagar a ideia de misantropia e um espírito de confronto.


A história não pode ser negada ou deturpada.


Todos os países do mundo devem estar alertas contra as tentativas de ressuscitar o fascismo que causou inúmeras desgraças e calamidades à humanidade, e não devem tolerar de forma alguma os atos perigosos que exigem novamente o confronto e a guerra.


Do Ministério das Relações Exteriores da República Popular Democrática da Coreia