1/10

"Maradona não traiu o povo, fez dele notícia"



Ninguém carregava a bola mais perto do pé, como se o fizesse com a mão; Nem ninguém era tão sincero e, ao mesmo tempo, tão sensível, dentro e fora dela; Ninguém correu, em apenas dez segundos, quase 60 metros com a bola, “amarrado” às chuteiras para lançá-la em um gol que abalou o mundo, em 1986.


No campo do futebol mundial, onde foi rei pelos seus méritos, mas rejeitado pelas suas ideias, ninguém foi tão pouco compreendido como ele. Sua rebelião e, em seguida, seu vício em drogas foram os pretextos daqueles de terno e gravata para censurá-lo. No entanto, o verdadeiro motivo foi o seu verbo contundente contra os poderosos, contra as injustiças vividas por jogadores e torcedores.


Eles nunca iriam entender isso, eles não queriam. Deviam ter passado, primeiro, pelo quilômetro zero deste homem, em Villa Fiorito, um ponto esquecido na geografia de seu país, na área de Buenos Aires. “Não havia água, nem pão, nem carne”, disse ele mais de uma vez. Daquele campo, ainda criança, garantiu que sonhava que jogava pela seleção nacional. Saiu das entranhas daquele neoliberalismo, o mesmo que lhe deu os golpes que a vida lhe deu e diante do qual se armou de ideias.


Como todos os mortais, Diego Armando Maradona foi embora. Claro, ele era um gênio do futebol, o esporte da multidão, não pela riqueza dos ricos, mas porque, quando o culto da individualidade física era exaltado desde os tempos antigos, a multidão só precisava se enredar atrás de um coco como bola; O mesmo acontecia na época medieval: os cavaleiros eram apenas alguns, e muitos, os plebeus, se alistaram em uma luta fratricida atrás do mesmo objeto redondo.


Maradona é pranteado por essas multidões; os campos, os estádios e até os goleiros que ele derrotou com sua magia estão abalados. Mas o que mais sente é aquela massa de latino-americanos que não traiu; o humilde viajava com sua poderosa perna esquerda, autor de suas obras, a mesma que pisou na lama de Fiorito e depois as carregou e levou a ser notícia mundial. Ele sempre os cumprimentou com um “Até a vitória, sempre”.


Sua paixão pelas causas da América Latina e do Caribe, a transformou em belos objetivos. Nunca antes essas multidões foram tão representadas, nem ninguém defendeu as cores alvicelestes de sua bandeira como ele.


Cuba sente profundamente, porque ele a amou como se fosse sua, e a história o recompensou unindo-o, mais uma vez, a quem ele considerava seu segundo pai. “Morei quatro anos em Cuba e o Fidel ligava-me às duas da manhã, fazíamos um mojito para falar de política, ou de desporto, ou o que acontecesse no mundo, e eu estava pronto para falar. Essa é a memória mais linda que me resta. Quando havia um evento ele sempre me chamava para saber se eu queria ir, se eu queria colaborar, e isso não é facilmente esquecido”, disse ele, quando soube, um dia como ontem, da partida de Fidel.


“Quando na Argentina havia clínicas que me fechavam as portas, Fidel abriu as de Cuba, as do seu coração. O revolucionário número um foi Che, com Fidel à cabeça; eu venho no pelotão de trás. Eu vim para ficar com meu segundo pa. Sou um soldado cubano, estou aqui para tudo o que Cuba precisa, eles me deram amor na minha doença. Levanto-me todas as manhãs e posso falar, e devo isso a Fidel, que me animou ao dar-me para vestir o seu casaco de Comandante-em-Chefe”.


Suas ideias foram coroadas junto com o jornalista Víctor Hugo Morales em outra de suas grandes metas, o programa da Telesur “De zurda”. A 16 de janeiro de 2015, numa troca de cartas com o Comandante-em-Chefe, Diego, expressou-lhe: “Fidel, se aprendi algo contigo ao longo dos anos de amizade sincera e bela, é que a lealdade não tem preço, que um amigo vale mais do que todo o ouro do mundo, e essas ideias não são negociadas. É por isso que De Zurda é uma homenagem à nossa amizade”.


Foi um militante de esquerda, de sentimento e de ação. Em 2017, quando a Venezuela foi novamente atacada pelo império no desejo de desestabilizá-lo, ele se declarou um soldado da Revolução Bolivariana, mantendo sua palavra com o Comandante Hugo Chávez.


“Muita tristeza; A lenda do futebol nos deixou, um irmão e amigo incondicional da Venezuela. Querida e irreverente “Pelusa”, você estará sempre no meu coração e no meu pensamento. Não tenho palavras no momento para expressar o que sinto. Adeus, Pibe de América!” disse o presidente venezuelano Nicolás Maduro disse no Twitter. Da Bolívia, Evo Morales disse: “Com uma dor na alma soube da morte de meu irmão Diego Armando Maradona. pessoa que se sentiu e lutou pelo humilde, o melhor jogador de futebol do mundo”.


Maradona é o mesmo ser pelas imagens que tatuou em seu corpo. De um ombro, Che Guevara e, de sua invencível perna esquerda, aquela que está grávida de gols e de amor pela torcida: Fidel.


“El Pibe de Oro” transcendeu por aquele número 10 que o mundo idolatrava, mas também, por se tornar Deus, na esperança de quem, como ele, almeja fazer gols pela humanidade.


Por Oscar Sánchez Serra, no Granma

48 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png