"Como os comunistas filipinos têm lutado contra o coronavírus"


Em fevereiro, enquanto o governo de Duterte permitia a entrada de centenas de milhares de turistas chineses no país, incluindo os de Wuhan, e ignorava as graves implicações da morte da primeira vítima nas Filipinas, as forças revolucionárias estiveram monitorando atentamente os desdobramentos da pandemia do COVID-19 no país.

À medida que o vírus eclodia na China e se alastrava para além das fronteiras chinesas, o movimento revolucionário, imediatamente, por meio de seu Departamento Nacional de Saúde, ocupou-se em organizar e mobilizar os comitês revolucionários de saúde de níveis nacional a local para evitar o alastramento do covid-19 em suas regiões e proteger a saúde do povo.

Enquanto o governo de Duterte ignorava os sinais alarmantes, o Partido Comunista das Filipinas já mobilizava os guerrilheiros do Novo Exército Popular para realizarem esforços no desenvolvimento de serviços sociais, econômicos, médicos e de saúde pública para o povo, bem como para coordenar com o governo democrático-popular – que se baseia nos comitês revolucionários das aldeias e organizações de massas nas zonas guerrilheiras, fábricas e comunidades – uma responsabilidade coletiva pelo lançamento de campanhas de higiene e limpeza das comunidades.

À medida que o vírus se espalhava, o governo de Duterte espalhava desinformações, escondendo o verdadeiro número de pessoas infectadas e ignorando sua elevada transmissibilidade. Na verdade, dias antes de impor uma “quarentena comunitária” – eufemismo para bloqueios e militarização das comunidades –, o governo de Duterte seguia permitindo a entrada de potenciais portadores do vírus no país, principalmente chineses da China continental, e a condução de operações sem escrúpulos das chamadas Operações Filipinas de Jogos Ultramar (OFJU)*, mantidas por chineses a partir da China continental, por possibilitarem imensos fundos para a burocracia corrupta de Duterte.

Um dia após impor a “quarentena” na Região Metropolitana de Manila, o governo de Duterte convocou um cessar-fogo com a Frente Democrática Nacional das Filipinas e com as organizações revolucionárias representada por ela, alheio ao fato de que o movimento revolucionário clandestino dirigido pelo PCF e todas as organizações aliadas já estava mobilizado, mesmo sob constantes ataques militares, pra complementar os esforços das organizações populares, humanitárias e demais para render a mais ampla solidariedade possível, apoiar a produção e desenvolver serviços médicos e suprimentos como máscaras faciais, álcool, kits de testes e remédios respiratórios para os setores mais necessitados do povo – camponeses pobres, operários fábricas, moradores das favelas, desempregados e moradores de rua.

O governo de Duterte fala sobre a retomada das conversações de paz para continuar e finalizar as reivindicadas reformas econômicas e sociais que ele próprio já sabotou muitas vezes, de forma deliberada, à medida que seus militares reacionários seguiam conduzindo o terrorismo de Estado, levando a cabo operações militares prolongadas para intimidar comunidades, bombardeando-as de forma indiscriminada como em Bukidnon e Compostela Valley, perseguindo, sequestrando e assassinados ativistas sociais, advogados, defensores dos direitos humanos e outras pessoas, incluindo ameaças vergonhosas contra o consultor político chefe da Frente Democrática Nacional, e pelo recente assassinato brutal do ativista cultural Marlon Maldos em Bohol.

No último 13 de março, a polícia de Duterte executou covardemente os camaradas Julius Giron, Ma. Lourdes Denero Tangco e Arvie Alarcon Reyes, na cidade de Baguio. O camarada Giron foi um dirigente exemplar do PCF que estava há muito envolvido nas conversações de paz como conselheiro da Frente Democrática Nacional em torno das reformas sociais, econômicas e políticas, ao passo que Tangco era médica e dirigente do Departamento Nacional de Saúde do PCF, que organizou e mobilizou os comitês revolucionários de saúde para tomar medidas urgentes em resposta à epidemia.

O chamado de Duterte à Frente Democrática para declarar um cessar-fogo unilateral é um gesto vazio, uma manobra de guerra psicológica para encobrir sua negligência criminosa de ignorar a grave crise médica que o coronavírus inflige sobre o povo.

O Painel de Paz da Frente Democrática Nacional também está muito preocupado pela saúde dos presos políticos, particularmente pelos velhos e doentes, que têm os maiores riscos ao contraírem a infecção. Apoiamos o chamado pela libertação de todos os presos políticos, defensores de direitos humanos e grupos religiosos. O governo de Duterte deve seguir o exemplo do Irã e China, que libertaram os presos, incluindo aqueles acusados de crimes políticos, sob considerações humanitárias e sanitárias em virtude do perigo do vírus se deflagrar pelos presídios.

Duterte e seus lacaios fascistas devem parar de manipular a emergência do coronavírus nas Filipinas em prol de sua agenda militarista e anti-povo, em seu sonho fascista de impor a lei marcial.

Por Fidel V. Agcaoili, presidente do Painel de Negociações da Frente Democrática Nacional das Filipinas

*Trata-se de um termo utilizado para se referir, nas Filipinas, às empresas estrangeiras que operam no país oferecendo jogos de azar online.

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube