1/10

"Nas ruas podemos fazer retroceder o governo de Macri"


Às 10 horas, começaram a concentrar-se na ponte Pueyrredón os movimentos sociais: CCC, Barrios de Pie e CTEP, o CTA A com ATE Hugo Godoy, onde uma grande coluna de trabalhadores de Astillero Rio Santiago se juntou. Eles estão realizando uma luta profunda contra as tentativas do governo de fechar a ARS. A prefeitura, de acordo com as políticas de repressão do governo, realizou uma grande operação de segurança impediu a passagem das colunas para a ponte, onde um ato seria realizado. Os golpes e o spray de pimenta das forças de segurança não impediram que as colunas chegassem à capital federal após três horas de atraso. Às colunas do CTEP, CCC e Barrios de Pie se concentraram para marchar até a Plaza de Mayo, os que vinham da ponte Pueyrredón foram adicionados. A partir de diferentes pontos do centro de convergiram colunas na praça histórica para a realização do ato: caminhoneiros, atores, Apops, Conadu e Conadu H, Sipreba, ATE, CTERA, UTE, Metrodelegados, uma coluna comum Moreno, Smata, bancários, Televisão, gráficos, leiteiros, advogados, trabalhadores do Estaleiro Rio Santiago, etc. Na Plaza de Mayo no comício que falou Hugo Yasky (CTA-T), Pablo Micheli (CTA-A), Daniel Catalano leu uma carta de Milagro Sala, Sergio Palazzo (Frente Sindical), Juan Carlos Alderete (CCC), Lola Berthet (Atores), Esteban Castro (TCPA), Alejandro Garfagnini (Frente Milagro Sala), Daniel Menendez (Barrios de Pie), e encerrou a cerimônia Sonia Alesso (CTERA). Um grande número de líderes das organizações estava presente, bem como deputados nacionais e prefeitos da província de Buenos Aires.

Palavras de Juan Carlos Alderete "Hoje, um jornalista me perguntou por que estamos nesta praça, e eu disse que aqueles que estão nesta praça, lutamos e derrotamos a ditadura; quando venderam nosso país ao neoliberalismo de Menem, éramos poucos que estavam lutando contra a privatização e estão aqui, e em 2001 muitos dos que estão aqui fizeram a resistência que representamos que deu errado. " "Hoje, a política de Macri mergulha nosso país para a pobreza, a fome, o desemprego, que não tem limites e que