"Síria e os oito anos de guerra"



O conflito armado na Síria, que até agora causou cerca de meio milhão de mortos e mutilados, entrou no oitavo ano no último 15 de março com o governo e o exército mais fortalecidos, apesar das constantes agressões das potências ocidentais e da região. Com o decorrer destes anos sangrentos da guerra contra os grupos terroristas poderosas, que têm apoio financeiro e armas por países como os Estados Unidos, França e Grã-Bretanha, junto com as monarquias do Golfo, o exército sírio e seus aliados foram capazes de controlar mais 70% do território nacional. Tal realização, que as vitórias alcançadas pelas tropas do governo em Palmyra, Aleppo, Deir Ezzor Unir, e as províncias centrais de Homs e Hama, entre outros territórios, é também devido ao apoio militar da Rússia, o Irã e a resistência libanesa do Hezbollah. As notórias vitórias sírias, no entanto, tentar ser revertidas, pelo contínuo material de apoio e armas fornecidas pelas forças da coalizão internacional, liderada por Washington, às gangues de extremistas ainda em funcionamento no solo deste país árabe. No entanto, como recentemente visto por representantes do governo, incluindo o vice-ministro das Relações Exteriores, Faisal al-Mekdad, as tentativas dos EUA de desestabilizar a Síria caíram em ouvidos surdos. Um dos últimos estratagemas ensaiados pelos estadunidenses, que treinam os bandos terroristas da Síria, é culpar o governo e o exército por usar armas químicas contra a população civil e seus oponentes. Essas acusações são repetidas como um slogan até dentro do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com o propósito velado de incitar as gangues radicais a realizar ataques com substâncias tóxicas. Repetidamente facções extremistas como a Frente para a Libertação do Levante (ex-Al-Nusra) e o chamado Exército do Islã, tentou realizar ações desta natureza com gás de cloro e outras substâncias proibidas na região de Ghouta Oriental e outras áreas. De acordo com relatos de agências humanitárias, o objetivo das operações terroristas contra civis é promover uma campanha internacional, fabricado pela mídia ocidental, para desacreditar e para provocar novos ataques contra os militares e outros alvos no país do Oriente Médio. Em Ghouta Oriental, onde as forças leais ao presidente, Bashar Al-Assad, apreenderam 60% das áreas da superfície agrícola de mais de 100 quilômetros quadrados, as unidades recentemente militares encontraram um laboratório para armas químicas pertencentes aos radicais. A nova descoberta corrobora mais uma vez que são as facções extremistas que, com o apoio de seus patrocinadores ocidentais, mantêm em seu poder armas químicas letais. Deve-se mencionar, como representantes declarados do governo sírio e da Rússia, que este país árabe entregou em 2014 seu arsenal químico completo para a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), e em janeiro de 2016, a agência confirmou a seu plena destruição. Na guerra da mídia contra a Síria, as potências estrangeiras também empregam mercenários a seu serviço, que persistem em desinformar sobre o território árabe para a opinião pública internacional sob o guarda-chuva de uma preocupação humanitária manifesta. Como a jornalista britânica Vanessa Beeley argumentou, os chamados Capacetes Brancos constroem propaganda que apoia as ambições neocolonialistas das potências ocidentais e grupos extremistas violentos que operam na Síria. Segundo a jornalista, os Capacetes Brancos, um grupo financiado pelo Ocidente e fundado em 2013 pelo especialista em segurança privada britânico James Le Meseurier, desempenham um papel ativo, muitas vezes armado, na guerra terrorista na Síria. Apesar da agressão militar e campanhas de mídia no Ocidente, a Síria, envolvida em uma guerra prolongada, mostra sinais de recuperação econômica e com a ajuda de suas forças do governo, para reconstruir a infra-estrutura em várias partes do país. Não só a vida renasce com a construção de novos projetos sociais como hospitais, escolas, edifícios residenciais e estradas na província do norte de Aleppo, em Deir ez-Zor (nordeste) e outros territórios desta nação, considerada o berço das civilizações. Junto com este trabalho humano valioso, poços de petróleo e gás são reabertos, o que permitiu este país, com enorme potencial produtivo gerado e no início deste ano mais de 20 mil barris de ouro negro e cerca de 16 milhões de metros cúbicos de combustível de gás. Não é inútil mencionar que milhares de civis voltaram para suas casas nas zonas libertadas pelas tropas do governo nas províncias de Aleppo, Homs, Hama e Deir Ezzor, no meio de um conflito armado que causou o deslocamento de mais de 13 milhões de pessoas dentro e fora do país. Embora nesta nação árabe haja confrontos armados em Idlib, uma província localizada a cerca de 300 quilômetros ao norte de Damasco, em Aleppo e na região oriental de Ghouta, a leste da capital, a situação interna se torna mais estável a cada dia do triunfo do governo, do exército e da população contra as poderosas forças das trevas do mal, depois de quase oito anos com uma guerra terrível.

Por Oscar Bravo Fong, correspondente da Prensa Latina na Síria.

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube