"Estamos armando-os por anos": o que escondem as meias verdades sobre Guta Oriental?



Enquanto a mídia ocidental abunda em acusações contra Damasco em Moscou, os grupos armados radicais que operam em Guta Oriental estão "curiosamente ausentes" em seus relatórios. Enquanto Guta Oriental tem sido palco de confrontos armados desde o início da guerra civil na Síria, é nas últimas semanas que o subúrbio de Damasco tornou-se o principal foco da comunidade internacional, devido à grave deterioração da situação humanitária nesta área controlada por terroristas e sitiada pelas forças governamentais. Na segunda-feira, dois dias após a adoção da resolução 2401 pelo Conselho de Segurança da ONU, uma trégua humanitária lançada pelo presidente russo, Vladimir Putin, foi declarada em Guta Oriental. A partir desta terça-feira, todos os dias das 9h às 22h, abre-se um corredor humanitário para que civis possam sair da área. Os terroristas, por sua vez, tentaram frustrar a trégua, lançando ataques de morteiros nesta rota para evitar a evacuação. Ao tentar aliviar a terrível situação em que se encontram civis apanhados no enclave, no espaço da mídia ainda abundam acusações contra Damasco e Moscou, muitas vezes baseadas em informações falsas, enquanto a outra parte do conflito, os verdadeiros culpados da tragédia, são pouco mencionados nos comentários. O que realmente acontece em Guta Oriental e por que algumas pessoas preferem silenciar um rosto de verdade?


Evolução do conflito Guta Oriental é um subúrbio de Damasco e faz parte do oásis de Guta, que envolve a capital síria e constitui seu cinturão agrícola. Antes do início da guerra civil, tinha cerca de 2,2 milhões de habitantes; agora sua população não atinge 400 mil. Em 2011, Guta Oriental foi ocupada por vários grupos armados de oposição. Após confrontos internos, o território ficou sob o controle da Frente Al Nusra e Yeish al Islam. Na primavera de 2013, as tropas governamentais cercaram o enclave, mas não conseguiram reconquistá-lo. A principal forma de confronto durante esses últimos anos tem sido uma troca de ataques com morteiros e tentativas de se aproximar do inimigo através de túneis subterrâneos e degraus entre os edifícios destruídos. Em maio de 2017, a área foi incluída na lista de zonas desmilitarizadas criados no âmbito do acordo assinado em maio de 2017 entre os países que garantem o regime de cessar-fogo na Síria: Rússia, Irã e Turquia. Apesar das tentativas de mitigar a situação, os combates começaram a piorar algumas semanas atrás, então, até meados de fevereiro, a situação humanitária na área estava à beira da catástrofe. Em 19 de fevereiro, o porta-voz da ONU, Farhan Haq, disse que a informação de Guta Oriental desde 15 de fevereiro falou de numerosas vítimas entre civis por ataques de tropas governamentais. "Ao mesmo tempo, 36 granadas e morteiros desembarcou em bairros da cidade e subúrbios de Damasco, também resultando em mortos e feridos entre os civis", disse o porta-voz. Em 20 de fevereiro, os terroristas lançaram um ataque maciço contra os subúrbios de Damasco, provocando uma resposta do governo Al Assad.


Notícias falsas A partir desse mesmo dia, na mídia ocidental começou a circular "figuras fantásticas sobre vítimas civis de Guta", escreve o analista militar Yevgueni Krútikov em um artigo publicado no jornal Vzgliad. "Quanto menos confortável se acharem os jihadistas, maior a escalada da histeria", acrescenta o autor. "O mesmo cenário de propaganda que acompanhou a operação das tropas do governo sírio em Aleppo é repetido", conclui Krútikov. O mesmo representante permanente da Rússia antes da ONU, Vasili Nebenzia, já denunciou na semana passada uma "guerra de informação" sobre a situação em Guta Oriental. De acordo com a Nebenzia, membros da White Helmets trabalham nesta área, que cooperam com os terroristas e servem como fonte de "desinformação bem paga". O diplomata criticou que, de acordo com a visão que apresentam, "em Guta Oriental há apenas hospitais contra os quais o governo sírio luta", enquanto a presença de "várias mil milícias irreconciliáveis" é algo que é silencioso.

Experiência de Aleppo Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, sugeriu na semana passada que em Guta Oriental "poderia ser usada a prática usada em Aleppo para chegar a acordos com terroristas para uma saída organizada". Lavrov indicou que uma evacuação médica poderia ter sido acordada em várias ocasiões, mas os esforços subsequentes para evacuar os civis "enfrentaram a rejeição da Frente Al Nusra, que quer manter essas pessoas como escudo humano". O ministro destacou que Frente al Nusra "não está simplesmente lá, mas constantemente ataca objetos civis, incluindo os bairros residenciais de Damasco". A embaixada e a construção do escritório comercial russo, por exemplo, foram atacadas várias vezes. No entanto, o comentário de Lavrov sobre Aleppo foi apresentado "como um aviso de que Guta seria destruído", denuncia o correspondente independente Robert Fisk. O jornalista britânico lembra que "os russos, juntamente com os sírios, passaram muitos meses tentando organizar a partida de civis do leste de Aleppo antes de serem recuperados". "Havia realmente um êxodo de inocentes, no qual os opositores armados também podiam partir", lembra este especialista no Oriente Médio, explicando que Lavrov estava se referindo a chegar a um acordo semelhante com os grupos armados em Guta.


"Nós os estamos armando há anos" Ao mesmo tempo, o jornalista britânico denuncia a hipocrisia da posição ocidental diante dessa tragédia. "Como podemos reclamar quando não lidamos com a oposição islâmica armada a Al Assad (neste momento eu não estou falando sobre o Daesh), nem tentamos concordar com nosso próprio cessar-fogo, mesmo com a ajuda da Rússia?" o correspondente "Afinal, estamos armando essas pessoas por anos!", Lembra o Fisk. "Mas não, não faremos nada assim. E então, torcemos as mãos com crescente hipocrisia e um exagero cada vez mais embaraçoso ", ressalta o autor.

"Cenário de Aleppo" e "histeria de propaganda" Na opinião da Fisk, a chave para acabar com esta situação está na "capacidade de abrir uma forma de contato imediato entre os assaltantes armados e os atacantes armados". Ao mesmo tempo, ele acredita que "o cerco de Guta continuará até sua entrega e evacuação". Enquanto isso, Krútikov estima que a operação está planejada de acordo com o "cenário de Aleppo", no qual o corredor humanitário será assegurado pelas forças russas, enquanto a expulsão de terroristas de seus cargos pode levar até dois meses. "E tudo isso será acompanhado por uma tremenda histeria de propaganda na mídia ocidental", adverte o autor. Para os EUA e a OTAN "não faz sentido" para apoiar a Frente Al Nusra e outros grupos, estima o analista. "É feito exclusivamente com o objetivo de parar o avanço das tropas governamentais, já que a libertação de Guta será um sucesso político militar tão importante quanto a libertação de Aleppo na época", conclui o especialista. Mulheres sírias sexualmente exploradas em troca da ajuda da ONU As mulheres na Síria estão sendo "exploradas sexualmente" por homens que ajudam em nome das Nações Unidas (ONU) e instituições de caridade internacionais, apesar das advertências aos patrocinadores há três anos. Isso foi relatado na terça-feira pela BBC, que também afirmou que vários membros dessas agências que trabalham na Síria denunciaram a situação explicando que esses funcionários forçam as mulheres sírias a trocar comida e transporte por favores sexuais . Trabalhadores humanitários disseram à BBC que a exploração é tão difundida que algumas mulheres sírias se recusam a ir a centros de distribuição porque as pessoas assumiriam que ofereciam seus corpos para a ajuda que trouxeram para casa. Além disso, a fonte sustenta que, apesar do fato de que, há três anos, um panorama semelhante de abusos foi descoberto, testemunhos mais recentes mostram que essa realidade continua a existir no sul do território sírio. Um trabalhador citado pela mídia britânica afirmou que algumas agências humanitárias fechavam os olhos para a exploração, porque usar colaboradores locais é a única maneira de trazer ajuda para partes perigosas da Síria, que não podem ser acessadas pela equipe internacional. Por sua vez, as agências da ONU e outras agências salpicadas pela questão dizem que seguem uma política de tolerância zero por abuso sexual e que não tinham conhecimento de nenhum caso de abuso por parte de suas organizações parceiras na região. Em um relatório intitulado "Vozes da Síria 2018", o Fundo das Nações Unidas para a População (Unfpa) avaliou a violência de gênero no ano passado no país árabe e concluiu que a assistência humanitária estava sendo trocada por sexo em várias regiões da Síria, controladas pelos grupos armados. "Houve exemplos de mulheres ou meninas que se casaram com funcionários por um curto período para oferecer serviços sexuais em troca de receber alimentos, distribuidores solicitando números de telefone de mulheres e meninas, transportando-os para suas casas em troca de algo ou recebendo distribuições em troca de um visitar em suas casas ou em troca de serviços, como passar a noite com eles ", afirmou a agência no relatório.

Do Resumen Latinoamericano

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube