top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"'Energia renovável' destrói o meio ambiente e a subsistência do povo filipino"



As forças democráticas e revolucionárias das províncias de Ilocos e La Union temem o afluxo generalizado e contínuo de empresas estrangeiras que investem em diferentes projetos de energia “renovável” na região. Atualmente, nove usinas eólicas, solares e hidrelétricas operam na região. Além disso, 13 projetos semelhantes foram aprovados e estão em desenvolvimento. Sete já em operação e oito em construção encontram-se em Ilocos Norte. Existem ainda duas candidaturas a projetos eólicos na província.


Energia renovável é a eletricidade derivada de recursos solares, eólicos, hidrelétricos, oceânicos, térmicos e geotérmicos. Além de ser ilimitada, a energia renovável é mais limpa em comparação com a energia produzida a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) que causam destruição ambiental em larga escala e aquecimento global.


Embora anunciada como “limpa”, a construção de instalações de energia renovável causa destruição generalizada do meio ambiente e dos meios de subsistência das massas. Um dos projetos de energia renovável em construção é a Usina Solar e Eólica Ilocos Norte em Burgos, Bangui, Pasuquin e Vintar. Abrange 2.346 hectares de montanhas e planícies onde vivem milhares de minorias e camponeses.


O projeto apoderou-se de terras ancestrais onde foram construídas enormes turbinas eólicas e instalações de armazenamento de energia. Em grande parte da floresta, as árvores foram derrubadas, a terra foi aplainada e largas estradas foram construídas para dar acesso às turbinas eólicas, caminhões e outros equipamentos de construção. Relatórios iniciais mostram que 2.984 árvores foram cortadas e outras 5.143 foram arrancadas para abrir caminho para o projeto.


O projeto põe em risco a vida e o sustento dos moradores que há muito são vulneráveis ​​a deslizamentos de terra. Também destrói as bacias hidrográficas e o fluxo natural da água.


Além da terra, esses projetos de energia renovável também cobrirão os oceanos da região. O Projeto BuhaWind Energy da empresa dinamarquesa Copenhagen Energy e o PetroGreen Energy da família Yuchiengco cobrirão os ricos pesqueiros municipais de Burgos, Bangui e Pagudpud. Isso vai tirar o sustento de centenas de pequenos pescadores que não têm capacidade de pescar além do local dos moinhos de vento e cabos elétricos planejados.


Investimento anti-ambiental


Os grandes burgueses compradores fazem parceria com empresas estrangeiras na promoção de projetos de energia renovável. Eles partem da chamada para uma produção de energia mais limpa que supostamente visa reduzir significativamente o uso de energia destrutiva e “suja”. Na verdade, continuam a despejar capital em energia suja e só investem em projetos de energia renovável para gerar lucros adicionais.


Entre eles está a Família Ayala, que tem grandes investimentos na subsidiária local da Shell, uma das maiores empresas de combustíveis fósseis do mundo. Entre os investidores em projetos de energia renovável estão os Aboitizes, Gokongweis, bem como Ramon Ang e Manny Pangilinan, que têm suas próprias grandes usinas de carvão, petróleo e gás natural, estão investindo em projetos de energia renovável.


Em Ilocos Norte, eles conspiram com a família Marcos, por meio de seu governador provincial, Matthew Marcos-Manotoc, filho da senadora Imee Marcos. Os Marcos estão agora comercializando Ilocos Norte como o “centro de energia renovável” do Sudeste Asiático para atrair bilhões de grandes investimentos capitalistas.


Para isso, o regime de Marcos fez do investimento em energia renovável uma prioridade. Em seu plano de desenvolvimento para 2022/28, identificou o setor de energia como “chave para o desenvolvimento econômico”. Acelerou a concessão de contratos a 41 empresas durante seus primeiros seis meses no cargo.


Além disso, o Departamento de Energia alterou as Regras e Regulamentos de Implementação da Lei de Energia Renovável de 2008 em novembro de 2022 para permitir 100% de investimento estrangeiro em energia renovável. Antes das novas regras, a propriedade estrangeira era limitada a 40%, conforme estipulado na constituição de 1987.


Do Ang Bayan


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg